Sermões

Assunto 17: JESUS CRISTO e JOÃO BATISTA

[17-1] (Marcos 1:1-2) Você Tem que Conhecer o Ministério de João Batista e Crer Nele

(Marcos 1:1-2)
“Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Como está escrito no profeta Isaías:
Eu envio o meu anjo diante da tua face, o qual preparará o teu caminho”.
 
 
João Batista Preparou o Caminho para o Senhor
 
Marcos 1:2 diz: “Eu envio o meu anjo diante da tua face, o qual preparará o teu caminho”. Amados irmãos, vocês só encontrarão a justiça de Deus se deixarem de lado essas idéias pré-concebidas e seguirem a Palavra de Deus como ela os orienta. Portanto, vocês só devem ler a Palavra de Deus depois que se desfazerem dos seus desejos e pensamentos carnais. Só então vocês poderão entender a vontade de Deus, que Ele quer cumprir. O mesmo princípio bíblico também se aplica ao texto deste capítulo. Somente quando vocês se desfazem dos seus pensamentos carnais e forem guiados pela Palavra de Deus é que vocês podem entender corretamente o ministério de João Batista e o ministério de Jesus.
João Batista não é nenhum outro senão o mensageiro que Deus enviou antes de Jesus Cristo. Por que Deus disse em Mateus 11:10-11 que Ele enviou João Batista para você e para mim? Por que João Batista teve que ser enviado a essa terra seis meses antes de Jesus Cristo nascer? A razão para isso é que João iria cumprir nessa terra as funções do sumo sacerdote do Antigo Testamento. Um outro motivo é que ele iria passar os pecados do homem para Jesus, o Cordeiro de Deus. Como descendente de Arão, o sumo sacerdote do Antigo Testamento, João Batista teve que ser enviado para cumprir o sacerdócio na sua família segundo a vontade de Deus. Seis meses antes de Jesus ter sido concebido pela virgem Maria, João Batista foi concebido por Deus no ventre de Isabel, descendente do sumo sacerdote Arão. Isso aconteceu por causa da justiça de Deus, para que os pecados do homem fossem passados a Jesus.
O evangelho de Lucas apresenta João Batista como o filho de Zacarias, um dos sacerdotes segundo a ordem de Abias. Isso significa que Zacarias, o pai de João Batista, nasceu segundo a ordem de Abias, um dos netos do sumo sacerdote Arão. Em outras palavras, isso diz respeito aos descendentes do sumo sacerdote Arão.
Já que os descendentes de Arão eram em grande número, o rei Davi os dividiu para o sacerdócio para que eles oferecessem sacrifício segundo a sua ordem. Estes filhos de Arão, que eram todos da linhagem do sumo sacerdote, ministravam como sacerdotes por 15 dias segundo a sua respectiva ordem. Os descendentes de Arão cumpriam fielmente o seu ministério como sacerdotes do povo de Israel; alguns como sumo sacerdotes e outros como sacerdotes comuns. Isso porque o privilégio e a bênção de servir como sumo sacerdotes foram dadas somente aos descendentes de Arão.
A prova disso é encontrada em 1 Crônicas 24:1-19; vamos ver essa passagem agora: “Quanto aos filhos de Arão, foram estas as suas divisões: Os filhos de Arão foram: Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar. Nadabe e Abiú morreram antes de seu pai, e não tiveram filhos; assim Eleazar e Itamar exerciam o sacerdócio. Com a ajuda de Zadoque, dos filhos de Eleazar, e de Aimeleque, dos filhos de Itamar, Davi os repartiu em divisões, segundo os seus deveres no ministério. Achou-se que os filhos de Eleazar entre os cabeças de famílias eram mais do que os de Itamar, e foram divididos respectivamente: dezesseis cabeças de famílias dos filhos de Eleazar, e oito cabeças de famílias dos filhos de Itamar. Foram repartidos por sortes, tanto uns como os outros, porque havia príncipes do santuário e príncipes da casa de Deus, assim dos filhos de Eleazar, como dos filhos de Itamar. O escrivão Semaías, filho de Natanael, levita, registrou-os perante o rei e os príncipes: Zadoque, o sacerdote, Aimeleque, filho de Abiatar, os cabeças de famílias dos sacerdotes e dos levitas, tomando-se uma família de Eleazar, e uma de Itamar. Saiu a primeira sorte a Jeoiaribe, a segunda a Jedaías, a terceira a Harim, a quarta a Seorim, a quinta a Malquias, a sexta a Miamim, a sétima a Hacoz, a oitava a Abias, a nona a Jesua, a décima a Secanias, a décima primeira a Eliasibe, a décima segunda a Jaquim, a décima terceira a Hupá, a décima quarta a Jesebeabe, a décima quinta a Bilga, a décima sexta a Imer, a décima sétima a Hezir, a décima oitava a Hapisez, a décima nona a Petaías, a vigésima a Jeezquel, a vigésima primeira a Jaquim, a vigésima segunda a Gamul, a vigésima terceira a Delaías e a vigésima quarta a Maazias. O ofício destes no seu ministério era entrar na casa do Senhor, segundo lhes fora ordenado por Arão, seu pai, como o Senhor Deus de Israel lhe tinha ordenado”.
Vamos ver agora o relato sobre o Dia da Expiação, quando o povo de Israel oferecia sacrifícios anuais a Deus. Este relato é descrito em Levítico 16:29-34: “Isto vos será por estatuto perpétuo: No sétimo mês, aos dez do mês, afligireis as vossas almas, e nenhuma obra fareis - nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós - porque nesse dia far-se-á expiação por vós, para serdes purificados. Diante do Senhor sereis purificados de todos os vossos pecados. Será sábado de descanso para vós, e afligireis as vossas almas; é estatuto perpétuo. O sacerdote que for ungido e ordenado para administrar o sacerdócio no lugar de seu pai, fará a expiação. Porá as vestes sagradas de linho, e fará expiação pelo Santíssimo Lugar, pela tenda da congregação e pelo altar, e pelos sacerdotes e por todo o povo da congregação. Isto vos será por estatuto perpétuo, para fazer expiação pelos filhos de Israel de todos os seus pecados, uma vez por ano. E fez Arão como o Senhor ordenara a Moisés”.
O que você deve entender aqui é que foi aos descendentes de Arão que Deus confiou o ofício do sumo sacerdócio para sempre. A eterna e imutável Lei de Deus é que os descendentes de Arão cumpram o ofício do sumo sacerdócio. Para que os pecados do povo de Israel fossem expiados, Deus fazia com que o sumo sacerdote oferecesse sacrifícios pelos seus pecados todo ano, no décimo dia do sétimo mês.
Depois que acabou a era do Antigo Testamento e a era do Novo Testamento começou, João Batista nasceu da casa do sumo sacerdote Arão para cumprir o ministério de passar todos os pecados do homem para Jesus Cristo ao batizá-Lo. Em outras palavras, a função de João Batista era cumprir a função de último sumo sacerdote do Antigo Testamento.
 
 
Marcos 1:1-2 Fala do Ministério de João Batista
 
Em Lucas 1:5 está escrito: “Existiu no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias; sua mulher era das filhas de Arão, e o seu nome era Isabel”. Esse texto fala que tanto Zacarias quanto sua mulher Isabel eram descendentes de Arão. A partir deste relato aqui nós temos que entender e crer no ministério de João Batista e no mistério do evangelho da água e do Espírito.
João Batista era filho de Zacarias e Isabel, e eles dois pertenciam à casa de Arão, o primeiro sumo sacerdote do Antigo Testamento. Deus fez com que João Batista nascesse de Zacarias e de sua esposa para que ele, antes de tudo, herdasse a função de sumo sacerdote nessa terra. Como representante da humanidade, João Batista tinha que cumprir a função como último sumo sacerdote do Antigo Testamento, que era batizar Jesus. Foi dessa forma que Deus trouxe a redenção por meio de Jesus Cristo, para cumprir Sua justa aliança por meio da Sua providência e amor.
João Batista foi o servo que Deus levantou segundo a Sua providência para trazer a redenção em Jesus Cristo. Em outras palavras, João Batista nasceu da casa de Arão para cumprir a função de último sumo sacerdote nessa terra segundo a vontade de Deus. Ao nascer da casa de Arão, João Batista ministrou como sumo sacerdote a toda humanidade. Precisamos analisar mais detalhadamente sua função aqui para a entendermos em definitivo. Só então nós poderemos crer de modo correto no ministério de Jesus Cristo, que veio nos salvar de todos os pecados deste mundo. Apesar de olharmos sempre para Jesus como o Salvador do homem, nós nos mostramos indiferentes ao Elias que havia de vir, que é mencionado em Malaquias capítulo 4, no Antigo Testamento.
Para entendermos porque é tão importante que cada cristão compreenda o ministério de João Batista nestes últimos dias, nós precisamos voltar para a Palavra de Deus mais uma vez. Precisamos analisar novamente a relação entre o ministério de João Batista e o de Jesus. Se não houvesse nenhuma relação entre o ministério de João Batista e o ministério de Jesus, nós não teríamos mais nenhum motivo para nos interessarmos por eles então. Entretanto, há um motivo para nos interessarmos por João Batista. Isso porque seu ministério está intimamente ligado o ministério de Jesus.
E isso se torna mais verdadeiro ainda hoje porque a maioria dos cristãos ainda não foi completamente purificada dos seus pecados; e é por isso que os cristãos no mundo inteiro precisam realmente voltar para Jesus, que veio pelo evangelho da água e do Espírito. No que se refere ao ministério de João Batista e de Jesus, é imprescindível que conheçamos e creiamos no motivo pelo qual Jesus foi batizado por João Batista. Só então nós poderemos entender o motivo pelo qual Jesus derramou o Seu sangue na Cruz depois de ter sido batizado por João. João Batista foi o mensageiro de Deus enviado por Ele a essa terra quase ao mesmo tempo em que Ele também enviou Seu Filho Jesus. Como último sumo sacerdote do Antigo Testamento, João cumpriu seu ministério batizando Jesus.
É por isso que Deus diz em Marcos 1:2: “Como está escrito no profeta Isaías: Eu envio o meu anjo diante da tua face, o qual preparará o teu caminho”. O que você tem que entender aqui é que todos os escritores dos quatro evangelhos do Novo Testamento primeiro deram importância ao ministério de João Batista antes de falar de Jesus Cristo. Marcos, que era discípulo de Jesus, mencionou primeiro o ministério de João Batista, que passou os pecados do mundo a Jesus. Isso porque Marcos sabia que João Batista tinha passado todos os pecados deste mundo a Jesus quando O batizou. E foi o próprio João Batista que passou os pecados do homem para Jesus através do batismo.
Deste modo, citando uma passagem do Antigo Testamento, Marcos está dizendo que João Batista foi o servo que Deus havia separado antes, segundo a Sua providência. E só quando todos nós entendermos o ministério de João Batista de modo correto é que poderemos entender e crer no ministério de Jesus da mesma forma também. João Batista foi o mensageiro que Deus enviou a essa terra seis meses antes de Jesus. Em outras palavras, ele foi o embaixador de Deus enviado para passar os pecados deste mundo para Jesus. Escolhido por Deus entre os sumo sacerdotes do Antigo Testamento, João Batista foi o servo de Deus que passou todos os pecados do mundo a Jesus quando O batizou, cumprindo assim seu sacerdócio.
Portanto, por ter sido um servo de Deus que desempenhou um papel importante para que Sua justiça fosse cumprida, seu ministério foi uma bênção. João Batista foi o servo abençoado que, junto com Jesus, foi indispensável para cumprir toda a justiça de Deus (Mateus 3:15). Ele era, melhor dizendo, o servo de Deus que anunciou de modo bem claro que Jesus se tornaria o Salvador de todos os pecadores. Sendo assim, não podemos deixar de falar que todos os escritores dos quatro evangelhos mencionaram o ministério de João Batista antes do ministério de Jesus. Antes de conhecermos o ministério de Jesus, todos nós temos que entender primeiro a importância do ministério de João Batista.
João Batista foi, literal e espiritualmente, o embaixador de Deus enviado do Reino dos Céus. É através do ministério de João Batista, que veio do Reino dos Céus em obediência à vontade de Deus, que podemos entender o ministério de Jesus de modo correto. Se entendermos corretamente o ministério de João Batista, nós então poderemos compreender facilmente que Jesus levou os pecados da humanidade de uma vez por todas ao ser batizado por ele; tudo isso para se tornar nosso Salvador. Deste modo, nós podemos ver que os quatro evangelhos do Novo Testamento falam igualmente sobre o ministério de João Batista, o servo de Deus.
Por que Deus no início do Novo Testamento enviou João Batista, um descendente de Arão, antes de enviar Jesus? Isso nos mostra que assim como o sumo sacerdote Arão, que passava todos os pecados anuais do povo de Israel para o bode impondo suas mãos sobre sua cabeça no Antigo Testamento, o próprio João Batista era aquele que passaria todos os pecados do mundo a Jesus de uma vez por todas no Novo Testamento.
Levítico 16:21 diz: “Porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas rebeldias, segundo todos os seus pecados, fazendo-os assim cair sobre a cabeça do bode. E o enviará ao deserto pela mão de um homem designado para isso”. O equivalente a essa passagem no Novo Testamento é o ministério de João Batista, e o batismo de Jesus demonstra a importância desse ministério.
Eu vou usar uma ilustração secular para dar um exemplo disso aqui. Vamos dizer que um jovem foi prestar o serviço militar e passar por todo o seu treinamento. Mas ele só se torna um bom soldado depois, não no começo. Da mesma forma, Jesus não levou os pecados do homem assim que nasceu, ao contrário, Ele só os levou aos 30 anos quando foi batizado por João Batista; e foi por isso que Ele se tornou nosso verdadeiro Salvador. Portanto, Jesus só pôde ser crucificado para expiar os pecados do mundo porque Ele os recebeu antes sobre Si. O animal do sacrifício no Antigo Testamento se tornava a oferta pela expiação ao aceitar os pecados anuais dos israelitas de uma vez por todas através da imposição de mãos do sumo sacerdote. Do mesmo modo, João Batista cumpriu a importante tarefa de passar os pecados deste mundo à oferta do sacrifício chamada Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, quando O batizou.
Com respeito a essa Verdade, Hebreus 10:1 diz: “A lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam ao culto”. A Bíblia também diz em Isaías 40:3: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai no ermo vereda a nosso Deus”.
Deus Pai está dizendo que Ele passou todos os pecados do mundo ao Seu Filho Jesus de uma vez por todas através de João Batista. Cada pecado deste mundo foi passado à cabeça de Jesus por meio do batismo ministrado por João Batista. Mas antes de ser crucificado, Jesus recebeu sobre Si os pecados deste mundo através do batismo que recebeu de João Batista.
 
 
O Novo Testamento, Portanto, Apresenta o Ministério de João Batista Antes do Ministério de Jesus, no Início de Cada Um dos Quatro Evangelhos
 
Como está escrito no Novo Testamento, João Batista foi um mensageiro de Deus. Hoje, contudo, uma tendência notória dos pregadores do evangelho é ignorar João Batista e o seu ministério. Este é um grande erro espiritual e um problema muito sério. Isso é o mesmo que ignorar a sabedoria de Deus e Seu plano para dar a todo ser humano a vida eterna. No entanto, você tem que reconhecer que somente entendendo e crendo totalmente no ministério de João Batista é que você poderá entender que Jesus Cristo é realmente o verdadeiro Salvador do homem. Se você ministrar sem este conhecimento, sabedoria e fé, você jamais poderá ministrar corretamente. Você não será nada mais do que alguém que pratica a religião do mundo e que só prega algo superficial, deixando de fora a mensagem central do evangelho da água e do Espírito. Se um pregador não ensina qual foi a função de João Batista a sua igreja, ele jamais poderá guiá-la a Jesus Cristo que veio pelo evangelho da água e do Espírito. Isso nada mais é do que fazer uma pregação vazia.
Nesse contexto, a maioria dos cristãos que confessa crer em Jesus na verdade está levando uma vida de fé sem entender o mistério do evangelho da água e do Espírito. É por isso que mesmo crendo em Jesus como seu Salvador, eles ainda continuam com pecado e sob maldição a cada dia. A fé dessas pessoas é inútil e elas estão cometendo o erro de corromper o Cristianismo e torná-lo uma suposta religião do mundo que concede a vida eterna. Como resultado, existem muitos cristãos hoje que afirmam ainda ter pecado, mesmo crendo em Jesus. Para essas pessoas, todos são pecadores, mesmo que elas creiam em Jesus ou não. E já que tanto as pessoas do mundo quanto os cristãos têm sempre pecado em sua alma, não há nada diferente entre eles então. E se existe alguma diferença entre eles é só que alguns pecadores têm conhecimento do seu pecado e outros não; e já que todos eles estão vivendo como pecadores, eles são a mesma coisa então. Portanto, do que adianta crer em Cristo assim?
Se você não conhece o evangelho da água e do Espírito e não crê nele, você então não é diferente de todos os que não conhecem a justiça de Deus cumprida por Jesus Cristo. Você hoje tem fé no evangelho da água e do Espírito? Aqueles que crêem agora que Jesus Cristo é o seu Salvador que veio por meio do evangelho da água e do Espírito são pecadores ou justos? Os pregadores do evangelho hoje em dia dizem que todos podem ir para o Céu crendo em Jesus de qualquer jeito, mesmo sem saberem nada a respeito do evangelho da água e do Espírito. Por essa razão, várias pessoas continuam ainda em pecado. Isso porque elas têm líderes que são espiritualmente cegos e porque eles não se arrependem.
Como é que os cristãos hoje podem dizer que crêem em Jesus como seu Salvador sem ter nenhum conhecimento do evangelho da água e do Espírito? O próprio Jesus testificou de João Batista na Bíblia dizendo: “João Batista veio para mostrar o caminha da justiça”. Já que é assim então, todos podem obter a purificação dos seus pecados apenas dizendo que crêem totalmente em Jesus? O pastor que não conhece o ministério de João Batista pode dizer realmente que conhece e crê em Jesus corretamente? Não, claro que não. É por isso que nós temos que entender muito bem o ministério de João Batista assim como o ministério de Jesus.
Mateus 21:32 diz: “Pois João veio a vós a fim de vos mostrar o caminho da justiça, e não crestes nele, mas os cobradores de impostos e as meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto não vos arrependestes para crerdes nele”. O Cristianismo atual só fica se gabando da sua longa história. Mas já que os líderes cristãos de hoje de fato não conhecem o ministério de João Batista nem o ministério de Jesus, mesmo que eles se esforcem para evangelizar, aqueles que forem evangelizados por eles não poderão produzir frutos para a verdadeira salvação. É de entristecer o coração ver que a maioria dos cristãos não tem a mínima idéia de como os seus pecados foram todos apagados, como está escrito:
“O meu povo é destruído porque lhe falta o conhecimento. Porque tu rejeitaste o conhecimento,
Também eu te rejeitarei como meu sacerdócio;
Visto que te esqueceste da lei do teu Deus,
Também eu me esquecerei de teus filhos” (Oséias 4:6).
Deixe-me te contar uma história agora. Há muito tempo atrás, num vilarejo distante, havia dois irmãos que eram totalmente analfabetos. O irmão mais velho deixou sua casa no vilarejo para procurar emprego mas voltou no feriado. Na véspera do dia de Acão de Graças, ele foi passear em uma colina próxima com seu irmão mais novo. Como era outono, havia muitas placas alertando sobre o perigo com o fogo na floresta. Os irmãos então passaram por uma placa com o fundo branco e letras vermelhas bem grandes, que estava pendurada no meio de dois postes de luz e dizia: “Cuidado com o fogo”. O irmão mais novo viu que o irmão mais velho tinha voltado para casa totalmente mudado após aquele tempo todo fora, bem vestido e muito elegante, e por isso pensou que ele sabia o que estava escrito na placa.
E esperando que seu irmão soubesse isso, ele perguntou a ele: “O que diz aquela placa?” Seu irmão não tinha a menor idéia do que dizia a placa, mas já que seu irmão mais novo estava perguntando, ele achou que tinha que lhe responder para não ficar mal. Ele então olhou em volta e, como a placa estava pendurada no meio de dois postes de luz, disse ao seu irmão: “A placa diz: ‘poste de luz’”. Impressionado, o irmão mais novo bateu nas suas costas e disse: “Puxa, você é tão inteligente!”
Mas um pouco mais tarde eles viram outra placa. Dessa vez a placa dizia: “Cuidado com o fogo na floresta”. O irmão mais novo, é claro, não tinha a menor idéia do que estava escrito nela, porque era totalmente analfabeto. Ele perguntou a seu irmão novamente então: “O que está escrito nessa placa?” Ele inventou algumas palavras, mas seu irmão lhe perguntou de novo. Ele pensou no que iria dizer e, como viu que esta placa tinha uma palavra a mais do que a primeira, ele disse: “A placa diz: ‘outro poste de luz’”. E mais uma vez o seu irmão ficou impressionado.
Conforme caminhavam, eles conversaram sobre o que havia acontecido em suas vidas enquanto estavam longe um do outro, falando dos momentos de tristeza e alegria. Mas então eles viram uma outra placa. Dessa vez dizia: “Tome cuidado com o fogo na floresta”. Seu irmão então perguntou a ele mais uma vez: “O que está escrito naquela placa”. Ele então pensou na resposta e disse: “Está escrito: ‘mais um poste de luz’”.
Eles continuaram passeando. No entanto, mais à frente eles encontraram uma outra placa que dizia: “Tenha muito cuidado com o fogo na floresta”. E seu irmão lhe perguntou mais uma vez: “O que está escrito nessa placa?” Está escrito: “muitos outros postes de luz”. E mais uma vez seu irmão ficou tão impressionado com ele e disse: “Você é tão culto! Eu quero ir com você quando você partir de novo!”.
Voltando a caminhar, eles encontram outra placa, só que dessa vez com muito mais palavras do que antes. Ela dizia: “Vejam o incêndio que vocês acabaram de escapar”. Seu irmão perguntou a ele mais uma vez: “O que está escrito na placa dessa vez?” Já que todas as suas respostas anteriores tinham a ver com postes de luz, imagina o que ele disse então? Ele disse: “Está escrito: ‘este é um outro poste de luz’. Deste modo, o irmão mais velho conseguiu impressionar seu irmão mais novo.
Entre aqueles que pregam o evangelho atualmente, também há muitos que são como o irmão mais velho dessa história. Mesmo não sabendo exatamente como Jesus levou sobre Si os seus pecados, ainda assim eles insistem cegamente que, já que Ele os ama e se sacrificou por eles, eles foram salvos só porque crêem na Cruz de Jesus. Mas isso está totalmente errado. Você só pode saber o que está escrito numa placa se souber ler. Nós só poderemos entender corretamente o evangelho da água e do Espírito se também tivermos um entendimento correto de João Batista. É por meio de João Batista que hoje nós podemos crer em Jesus, baseados em tudo aquilo que a Palavra de Deus diz sobre ele. João Batista testificou quem Jesus era, que pecados Ele levou, como Ele os levou, porque Ele era filho de Deus e como Ele levou todos os nossos pecados. O apóstolo João e João Batista não são a mesma pessoa. O apóstolo João era um discípulo de Jesus e João Batista era um mensageiro de Deus, o representante da humanidade, descendente de Arão, o último profeta da raça humana e seu último sumo sacerdote.
 
 
João Batista Foi um Servo de Deus Enviado pelo Pai
 
Está escrito em João 1:6-7: “Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. Este veio como testemunha para testificar a respeito da luz, a fim de que todos cressem por meio dele”. O apóstolo João testifica aqui que havia um homem enviado por Deus que se chamava João, e que é através do seu testemunho que nós cremos em Jesus Cristo. Se não fosse o testemunho de João Batista descrito em João 1:7, como é que você e eu poderíamos crer em Jesus corretamente? Pelo fato de nunca termos visto Jesus, e por todos nós termos raízes culturais e religiosas diferentes, como nós poderíamos crer em Jesus como nosso Salvador sem conhecermos o ministério que foi cumprido por João Batista? Se nós não soubéssemos como nossos pecados foram exatamente passados a Jesus, se João Batista não tivesse testificado que ele passou todos os pecados do mundo assim como nossos próprios pecados a Jesus, como é que nós poderíamos crer em Jesus como nosso Salvador? Não é somente quando analisamos o âmago do plano de salvação de Deus que podemos descobrir se Jesus é de fato nosso Salvador ou não? Não é somente quando sabemos de fato quando, como e através de quem os seus e os meus pecados foram passados a Jesus que podemos crer Nele realmente? Só isso já não seria suficientemente convincente para nós?
Amados irmãos, os cristãos que crêem em Jesus também têm que entender o ministério de João Batista. Para que alguém seja prefeito de uma cidade, ele precisa ser letrado. Mas se este líder for analfabeto, isso só trará confusão. E não somente ele estará em confusão, mas todos na cidade vão sofrer por causa disso.
Amados irmãos, vocês só poderão ser salvos do pecado realmente quando entenderem o ministério de João Batista, que foi enviado por Deus. Vocês têm que entender que quando vocês crêem em Jesus, quando vocês reconhecem que Ele se tornou nosso Salvador, vocês podem ser salvos e sua salvação jamais se torna obsoleta. É quando temos uma fé assim que nós podemos testificar com nossos próprios lábios que Jesus nos salvou realmente de todos os nossos pecados por ter amado a todos nós. Vocês não concordam?
Já que o conhecimento é essencial para fazermos qualquer coisa, vocês têm que entender que João Batista veio através do caminho da justiça e que Jesus levou nossos pecados de uma vez por todas por meio do batismo que recebeu dele. Não é verdade que somente assim nós podemos crer em Jesus como nosso Salvador? João Batista é o servo de Deus que passou os pecados do mundo para Jesus e o último sumo sacerdote do Antigo Testamento.
Todos nós temos que meditar sobre o ministério de João Batista junto com o ministério de Jesus, entender a relação que há entre eles e tomar a decisão de crer Nele.