Sermões

Assunto 22: O Evangelho segundo LUCAS

[Capítulo 10] (Lucas 10:25-37) Nós Só Podemos Ser Salvos em Jesus

(Lucas 10:25-37)
“E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o e dizendo: ‘Mestre, que farei para herdar a vida eterna?’ E ele lhe disse: ‘Que está escrito na lei? Como lês?’ E, respondendo ele, disse: ‘‘Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento’ e ‘ao teu próximo como a ti mesmo.’’ E disse-lhe: ‘Respondeste bem; faze isso e viverás.’ Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: ‘E quem é o meu próximo?’ E, respondendo Jesus, disse: ‘Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão. E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. E, partindo ao outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: ‘Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar.’ Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?’ E ele disse: ‘O que usou de misericórdia para com ele.’ Disse, pois, Jesus: ‘Vai e faze da mesma maneira’”.
 
 
Na passagem bíblica que lemos hoje, vimos uma conversa entre Jesus e um doutor da lei. Jesus está falando por parábola com ele. Enquanto conversava, Jesus perguntou ao doutor da lei qual era o próximo daquele homem que foi ferido. Ele lhe perguntou: “Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?” O doutor da lei respondeu: “O que usou de misericórdia para com ele.” Através deste texto, Jesus está nos ensinando quem é realmente nosso próximo.
 
 
Quem Encontra a Graça de Deus?
 
Do ponto de vista físico e espiritual, aqueles que são dignos de pena são os que encontram a graça de Deus. Eles são tão miseráveis que é impossível Deus não lhes conceder seu amor. É sobre estes que Deus derrama sua misericórdia. Deus dá seu amor e misericórdia aos que são totalmente miseráveis. Deus concede seu amor liberalmente aos miseráveis que merecem sua misericórdia. Através do evangelho da água e do Espírito é que a verdadeira benevolência de Deus é mostrada aos miseráveis pecadores. Vamos aproveitar esta oportunidade para aprender mais sobre quem o Senhor realmente demonstra sua misericórdia.
No texto bíblico deste capítulo, Jesus conta uma parábola a um certo doutor da lei: “Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão. E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele.”
Primeiro o doutor da lei se aproximou de Jesus e perguntou: “Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” Jesus então respondeu: “Que está escrito na lei? Como lês?” E o doutor da lei respondeu: “Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: “Respondeste bem; faze isso e viverás,” mas o doutor da lei, querendo justificar a si mesmo, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Ele perguntou isso para justificar a si mesmo e desafiar Jesus.
Jesus então falou figurativamente sobre um homem que caiu nas mãos de salteadores enquanto ia de Jerusalém a Samaria, e de como este homem foi ajudado por um bom samaritano. Nós já lemos tanto este texto que achamos que sabemos tudo sobre ele. Eu acho isso porque você já está tão familiarizado com ele e talvez alguns de vocês não prestem nem muita atenção. Mas ao invés de ficar falando que já sabemos tudo sobre ele, devemos recordar e meditar nas bênçãos de Deus contidas neste texto e fazer dele nosso alimento espiritual.
O doutor da lei se aproximou de Jesus e tentou mostrar seu conhecimento na lei. Cheio de autoconfiança e vaidade, ele desafiou Jesus dizendo: “Tenho seguido todos os mandamentos de Deus e amado meu próximo, mas quem é meu verdadeiro próximo? Eu o tratarei como Deus me mandar, mas quem é meu próximo? Se você me disser quem é meu próximo, eu o amarei como amo a mim mesmo”.
Todavia, este doutor da lei não era um homem justo que observava a lei de Deus, porque todos nascem com uma natureza pecaminosa e com todos os ingredientes do pecado. Mas ele, desconhecendo a verdade, julgava mal a si mesmo, pensando que era capaz de observar toda a lei de Deus. Em outras Palavras, o doutor da lei não conhecia bem a si mesmo. Ele confiava demais em si mesmo. Então ele desafiou a justiça de Jesus, dizendo: “Quem é meu próximo? Vou lhe mostrar que amo meu próximo como a mim mesmo. Ao fazer isso eu herdarei a vida eterna”. Então Jesus expôs a opinião do doutor da lei através de uma parábola, dizendo-lhe: “É impossível você conseguir observar a lei de Deus, e sempre será assim”.
A primeira cidade mencionada nesta parábola é Jerusalém. Jerusalém é a cidade da paz. É a cidade da religião. Nos dias de Jesus, Jerusalém era a capital de Israel e também a maior cidade da região. O nome “Jerusalém” significa “ensinamento de paz”. Jesus citou justamente Jerusalém em sua parábola para chamar a atenção do doutor da lei para sua verdadeira natureza.
Na parábola, um certo homem descia de Jerusalém para Jericó. Todo nome geográfico e todo nome de pessoas escritos na Bíblia tem um significado. O nome da cidade de “Jericó” significa “perfumado” – a cidade significa este mundo. Isso será esclarecido quando eu concluir meu sermão.
Na maioria das vezes que Jesus ensinava, eles falava figurativamente. O que Jesus quis dizer quando contou que um certo homem caiu nas mãos de salteadores enquanto ia para Jericó de Jerusalém? Isso mostra que o doutor da lei era de Jerusalém, e que ele era um homem religioso, um líder da religião judaica. E Jesus fez esta comparação para nos ensinar que estas pessoas religiosas estão prestes a se corromper e ir para o mundo depois de levar uma vida religiosa.
 
 
Nós Somos os que Caíram Nas Mãos dos Salteadores Enquanto Íamos para Jericó
 
Jesus disse: “Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo.” Podemos ver que este “certo sacerdote” se refere ao doutor da lei com o qual Jesus falava. Jesus estava dizendo a ele através da parábola: “Você é este sacerdote da parábola. Você vive no conforto e na opulência de Jerusalém, e de seu alto cargo você ensina a todos como viver. Embora como líder religioso você fale da lei, ensine as pessoas a observá-la e amar seu próximo como amam a si mesmas, você mesmo não obedece aos mandamentos de Deus e nem ama o seu próximo, igual ao sacerdote que passou de largo do homem da parábola. Você mesmo não guarda a lei”.
Há muitos exemplos de cristãos que acabaram voltando para o mundo depois de levar uma longa vida religiosa. E ainda há os leigos cristãos cujos líderes religiosos, seus professores, nem sequer nasceram de novo – ou seja, pastores, evangelistas, presbíteros e diáconos – são iguais os servos de Satanás que serão condenados. Nós éramos assim. Antes de encontrarmos o evangelho da água e do Espírito, nós estávamos em pecado, fracos, desesperados e presos à armadilha Satanás; e por causa disso estávamos destinados à condenação e à destruição. Já que críamos em Jesus sem conhecer sua justiça, nosso destino era o inferno.
Através desta parábola, Jesus estava dizendo ao doutor da lei: “Você, como mestre da lei, com o tempo ficará depravado e sofrerá por causa dos seus pecados. Você se exalta da sua fé em Deus e de cumprir a lei, mas trata os gentios como animais e não tem compaixão por aqueles que não guardam a lei de Deus. Você ensina no templo que a pessoa deve viver segundo a Palavra de Deus, mas você vive mesmo como a lei ensina? Você também é um pecador que não vive pela lei. Por isso você precisa de salvação”.
Em Israel, os sacerdotes vinham dos levitas. Os sumos sacerdotes em especial eram descendentes de Arão, tirados dos levitas. Entre os descendentes de Arão, o homem que estiveste com trinta anos podia ser sumo sacerdote. Deus tirou os sacerdotes dos descendentes de Levi dentre as doze tribos de Israel. Os sacerdotes eram os líderes de Israel encarregados de oferecer sacrifícios pelo povo no tabernáculo. Mas um dos sacerdotes, igual ao doutor da lei que ensinava o povo de Israel a viver pela lei, passou de largo quando viu o viajante morrendo na estrada.
Sacerdotes e doutores conheciam a lei e ensinavam as pessoas a guardá-la, mas qual era a verdade? Embora eles ensinassem os israelitas a se arrepender e viver pela lei de Deus, eles mesmos não a observavam. E quanto a nós? Será que guardamos a lei? Não, não guardamos. Será que conseguimos guardar toda a lei? Não, de modo algum. Seria maravilhoso se pudéssemos guardar toda a lei de Deus, mas você e eu somos incapazes de viver pela lei. Não há uma única pessoa na terra que consegue guardar toda a lei.
Mas há muitos neste mundo que não conhecem a si mesmos e se vangloriam de ter sido salvos de seus pecados por guardar toda a lei de Deus. Mas até onde eles se afastaram de Deus? Alguns ensinam o povo a observar toda a lei de Deus, enquanto outros julgam a todos com sua própria justiça, dizendo: “Por que você não consegue guardar a lei de Deus?” Estes são os próprios líderes religiosos do cristianismo. Ou seja, eles agem como líderes religiosos embora não tenham nem nascido de novo. Eles são os líderes religiosos hipócritas. Eles dizem às pessoas na igreja: “Esta é a lei de Deus e devemos viver por ela”. Contudo, eles apenas falam superficialmente sem conhecer a fundo o significado da lei de Deus.
Por que Deus nos deu a lei? Deus nos deu sua lei para nos ensinar quem realmente somos e dizer a nós: “Todos vocês cometem pecado assim”. Deus não nos deu a lei para que fôssemos salvos por guardá-la. Pelo contrário, ele nos deu sua lei para nos fazer conhecer os nossos pecados, como está escrito: “Por isso, nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Romanos 3:20). Mas ao contrário da intenção de Deus, há muitos que interpretam mal a lei e o desafiam dizendo: “Quem é meu próximo? Eu o amarei como a mim mesmo”.
Só porque ainda não conheceram o evangelho da água e do Espírito, estes cristãos são os que descem a Jericó – ou seja, vão para o mundo – embora creiam por muito tempo em Jesus e sua posição na igreja seja alta. Eles acabam se corrompendo mais ainda depois de crer em Jesus. Embora queiram viver segundo a vontade de Deus, eles não conseguem. Quando aceitaram a Jesus eles ficaram apaixonados e sua fé se acendeu. Mas ao longo do tempo, sua fé esfriou e eles se corromperam mais ainda devido aos seus pecados, apesar de sua posição ter subido de diácono a presbítero, de pastor-auxiliar a pastor titular. O que o Senhor realmente quis dizer ao doutor da lei foi: “Você que não fez nada para ajudar aquele que caiu nas mãos dos salteadores. E você é o primeiro a ir para o inferno. Você é aquele que mais precisa da ajuda do seu próximo, e seu próximo sou eu mesmo”. Em outras Palavras, o próprio Jesus é o verdadeiro próximo de todos nós.
Os cristãos lutam para guardar a lei, mas é muito difícil fazer isso devido à fraqueza humana. Eles são simplesmente incapazes de guardar a lei. Mas a maioria dos líderes motiva sua igreja a viver pela lei. Então por que Deus nos deu sua lei? Para conhecermos nossos pecados. Então não é certo ensinar aqueles que ainda não nasceram de novo a observar a lei de Deus. Este tipo de ensinamento passa longe da vontade de Deus e do propósito da lei. Os que são iguais ao doutor da lei do texto deste capítulo que lemos hoje são bons em ensinar os outros, embora eles mesmos não tenham nascido de novo ainda. O que estas pessoas fazem quando encontram com outros que estão com problemas? Mesmo quando seu próximo é vítima dos salteadores e está morrendo, eles simplesmente olham para ele sem nada fazer, como se isso não fosse da sua conta. Eles não sabem o que fazer.
Aqueles que dizem crer em Jesus sem conhecer a justiça de Deus são aqueles que não nasceram de novo. Estas pessoas dizem que creem em Jesus como seu Salvador mas conhecem a justiça de Deus; e até parece que eles conseguem alcançar um alto nível espiritual. Certamente eles se exaltam de ser bons cristãos. Mas conforme o tempo passa, eles se corrompem e acabam indo para o mundo, assim como o sacerdote da passagem bíblica deste capítulo que foi para Jericó vindo de Jerusalém. Jerusalém fica no alto, enquanto Jericó fica pelo menos a 270 metros abaixo do nível do mar. Embora muitos cristãos mal informados busquem uma vida santa através de uma religião chamada Cristianismo, eles estão na verdade indo para os deleites deste mundo e para sua destruição.
Nenhum dos que ainda não conhecem a justiça de Deus consegue observar toda a sua lei. Mas este doutor da lei ousou dizer: “Quem é meu próximo? Eu cuidarei dele. Eu amarei a Deus com toda minha força até o dia de morrer. E amarei o meu próximo como a mim mesmo. Eu sou perfeito em servir a Deus. E agora darei meu amor ao meu próximo”. Você acha que consegue cumprir toda sua obrigação com seu semelhante? Ninguém consegue fazer isso. Mesmo se Confúcio voltasse à vida, ele não conseguiria cumprir todas as suas obrigações com seu semelhante. Foi por isso que nossos antepassados nos ensinaram as ideias de Confúcio, pois elas representavam um ideal impossível de se realizar. Como era impossível seguir os ensinamentos de Confúcio, nossos antepassados nos passaram uma pequena ideia de como viver uma vida moralmente justa, mas ninguém consegue cumprir todas estas obrigações morais para com os outros.
A lei é dividida em dois tipos de mandamentos, aqueles que devemos guardar com relação a Deus, e os que devemos guardar com relação ao nosso semelhante. Ou seja, há 613 estatutos na lei mostrando o que se pode e o que não se pode fazer no que diz respeito ao nosso relacionamento com Deus e com o homem. Mas será que alguém consegue observar todos os mandamentos de Deus? Você consegue guardar ao pé da letra todos os estatutos da lei sobre como tratar seu próximo e também a Deus? Não, não consegue. Esta incapacidade está em nossa natureza humana; não há com que possamos nos exaltar perante Deus. No entanto, o arrogante doutor da lei tinha tanta confiança em si mesmo que disse: “O que devo fazer para herdar a vida eterna?” Deus criou sua lei para que todos conhecessem seus pecados, e para que os nascidos de novo a usassem como um guia de vida. Portanto, os que não nasceram de novo precisam nascer de novo crendo em primeiro lugar no evangelho do batismo e do sangue de Jesus.
 
 
Mas Quem é o Meu Próximo?
 
Com esta parábola Jesus estava dizendo ao doutor da lei: “Um viajante caiu nas mãos dos salteadores enquanto estava indo para Jericó e ficou à beira da morte. Veio um sacerdote, mas ele passou de largo pelo viajante, embora ele tenha pedido sua ajuda. Este sacerdote é você mesmo, fugindo do próximo que precisava de você”. Jesus pensou no doutor da lei quando contou-lhe esta parábola.
Na parábola, roubaram tudo que o viajante possuía, e ele foi deixado para morrer. Então ele pediu ajuda, mas o sacerdote passou por ele e não o socorreu. O sacerdote pensou consigo mesmo: “Este homem está todo ensanguentado! Eu vou lá e o ajudo ou passo fingindo que nem o ouvi?” Premeditando isso, ele pensou: “E se ele morrer enquanto eu o ajudo? Então eu vou ter que cuidar do corpo. Ele está tão ferido. Seria terrível se eu tentasse ajudá-lo e ele morresse. Eu o ajudaria se os ferimentos não fossem tão graves, neste caso eu seria honrado por tê-lo ajudado. Mas o homem está quase morto. O que posso fazer neste caso? Nada!” Então este sacerdote decidiu passar de largo pela vítima, fingindo não ter visto nada.
O que isso nos mostra? O Senhor está dizendo que todos os líderes religiosos que ainda não nasceram de novo são iguais a este sacerdote. Ele está dizendo que nenhum pecador pode viver pela lei. A parábola do bom samaritano ensina que se alguém crê em Deus sem nascer de novo, com o tempo ele se corromperá ao invés de edificar sua fé. Enganado por Satanás, ele então cometerá mais pecados, e finalmente pagará por eles. Satanás ataca o homem o tempo todo a fim de afastá-lo de Deus. Quando alguém cai na tentação de Satanás, no fim ele acaba morrendo. Esta é uma das lições ensinadas na parábola do bom samaritano.
Há muitos tipos de pecado, mas todos levam o pecador à destruição. Você tem que admitir que é pecador, que nasceu em pecado. Saber um pouco sobre isso não é o bastante; você deve aplicar o que sabe a si mesmo. Se você ainda não nasceu de novo, primeiro você deve admitir que é pecador. Depois deve saber que está indo para o inferno por causa do seu estado pecaminoso. Se você não tem certeza se é ou não pecador, você pode até ignorar isso, mas se você realmente sabe e reconhece que é um pecador, você também sabe que o juízo de Deus é inevitável. A Bíblia diz que “o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). Você precisa entender que todo pecador está condenado a ser lançado no fogo do inferno sem dúvida alguma. Se alguém diz que é pecador mas não sabe que está indo para o inferno, esta pessoa tem um conhecimento vago e superficial. Em outras Palavras, ele é um pecador só na teoria. Ele é como um porco que não sabe que seu dia vai chegar. Se você tem algum pecado, ou seja, se você é pecador, saiba então que você está destinado a ir para o inferno. Esta é a verdade. Alguém com pecado pode ir para o céu? Não, de modo algum. Mesmo que alguém crê em Jesus piedosa e religiosamente, ele não pode ir para o céu a não ser que nasça de novo.
Nas igrejas cristãs, aqueles que a frequentam sem nascer de novo têm uma vaga ideia de que irão para o céu, mesmo tendo pecado, só porque creem em Jesus. Mas estes cristãos são apenas frequentadores de igreja. Só porque creem em Jesus eles não irão para o inferno, mesmo tendo pecado no coração? Se alguém tem pecado no coração, ele deve ir para o inferno. O Senhor disse que “o salário do pecado é a morte.” Os que têm pecado estão destinado a ir para o inferno, sem exceção. Deus disse esta verdade de forma clara. Se você crê na Palavra de Deus como sendo a verdade, você precisa conhecer a si mesmo e a sua própria natureza. Só assim você poderá ser salvo de todos os seus pecados. A primeira coisa que você precisa entender é que você irá para o inferno se tiver algum pecado.
Quando os cristãos passam a crer em Jesus, eles observam bem a lei de Deus, fazem boas coisas aos seus semelhantes, pregam o evangelho e fazem tudo muito bem. Mas assim como o viajante que caiu nas mãos dos salteadores e foi deixado para morrer, todos os cristãos do mundo estão fadados a perder tudo, desde sua própria virtude e boas obras até sua própria justiça. Por causa do pecado que continuam cometendo, com o tempo acabam perdendo até sua própria justiça. E perder tudo que possui significa perder sua própria justiça. Nós também éramos assim e depois de pecar confessávamos: “Senhor, eu sou um pecador. Eu vou morrer se tu não me salvares. Eu vou para o inferno”.
É você que caiu nas mãos dos salteadores deveria dizer: “Eu vou para o inferno. Por favor, me salve”. Todo aquele que não nasceu de novo tem pecado em seu coração. Este é o que caiu nas mãos dos salteadores, que foi despido e machucado, e que irá sangrar até morrer. Todo aquele que tiver algum pecado acabará no inferno. Todos os pecadores serão lançados no fogo ardente. Apesar disso, há muitos que ainda se exaltam por ser pecadores. Sem saber que foram enganados por Satanás e estão indo para o inferno, eles dizem que são pecadores que creem em Jesus. Estes com toda certeza irão para o inferno. Os pecadores são espiritualmente cegos, por isso eles não podem ver Deus e nem encontrar o caminho para o céu. Portanto, todos eles precisam antes encontrar o bom samaritano e pedir sua ajuda.
Com esta parábola Jesus está dizendo que alguém só pode ser salvo de seus pecados se encontrar o samaritano, ou seja, Jesus, que é o nosso benfeitor. Os mestres da lei e os sacerdotes estavam apenas exaltando as vantagens de se obedecer à lei com suas próprias palavras, mas eles mesmos não conseguiam viver pela lei. Era inevitável que estes sacerdotes e doutores da lei sucumbissem ao mundo, assim como o viajante que caiu nas mãos dos salteadores. Além disso, enquanto vão aos poucos para o mundo, eles também acabam perdendo sua própria justiça, qualidades e bens. Então eles deveriam se render ao Senhor, vir para sua presença e clamar pela sua salvação.
Está escrito: “E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo” (Lucas 10:32). Mais uma vez este texto mostra que quem leva uma vida religiosa, inclusive os líderes religiosos e os pastores de igreja, são hipócritas. Aquele que não nasceu de novo não pode viver em Jerusalém – ou seja, no reino de Deus. Eles não passam de hipócritas. Eles fingem ser santos e falam sobre santidade e devoção, mas ao olharmos dentro do seu coração, vemos que ele está cheio de pecado e sua alma destinada a ir para o inferno. Por esta razão, estes cristãos precisam crer no batismo e no sangue de Jesus para ser libertos de todos os seus pecados.
Era isso que Jesus queria ensinar através desta parábola do bom samaritano. Mas quando pregamos sobre esta passagem bíblica, aqueles que não nasceram de novo dizem: “Nós não agimos como este sacerdote. Não somo como este levita. Pelo contrário, vamos encontrar e ajudar quem caiu nas mãos dos salteadores e agir como o bom samaritano”.
Amados irmãos, com quem nós parecemos? Você faria o que o samaritano fez? Este bom samaritano é o nosso amigo Jesus. Foi este Jesus, somente ele, quem purificou todos os nossos pecados com o batismo que recebeu de João Batista e o sangue que derramou na cruz. Embora os pastores do mundo preguem coisas absurdas neste texto, ele não quer dizer o que eles dizem que ele quer dizer. Como Jesus disse na parábola, um certo samaritano, de passagem, foi até a vítima e vendo-o no chão, moveu-se de compaixão. Então foi até ele, atou suas feridas, colocou azeite e vinho sobre elas, colocou-o sobre seu próprio animal, levou-o até uma estalagem e cuidou dele.
Este samaritano não é nenhum homem do mundo bem intencionado ou um cristão benevolente; nem você ou eu. E também não é algum tipo exemplar de pastor, presbítero ou diácono. O bom samaritano aqui é o próprio Jesus Cristo que foi rejeitado pelos judeus, mas se tornou a pedra de esquina da salvação de Deus, como está escrito: “A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça de esquina.” (Salmos 118:22). Os judeus daquela época desprezavam os samaritanos porque eles eram mestiços. Os israelitas desprezavam os samaritanos e diziam que eles eram pessoas inferiores. Mas um destes samaritanos, que ia de viagem, foi até o homem que tinha sido roubado, e vendo-o, teve compaixão. Então ele atou suas feridas, colocou azeite e vinho sobre elas, colocou-o sobre seu próprio animal, levou-o até uma estalagem e cuidou dele. Partindo ele no outro dia, pegou dois denários deu-os ao hospedeiro e disse-lhe: “Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar.” Isso significa que quando caímos nas mãos dos salteadores, quando o pecado nos atribulava e estávamos destinados a ir para o inferno, Jesus veio e nos salvou. Em suma, o Senhor está nos ensinando que foi assim que ele nos salvou.
 
 
O que o Samaritano Fez ao Homem que Caiu nas Mãos dos Salteadores?
 
Quando o samaritano viu a vítima, ele teve compaixão dele. Ter compaixão de alguém é ter benevolência. No entanto, se nós tivéssemos só isso seríamos todos condenados ao inferno. Não importa o quanto tentemos viver pela vontade de Deus, nós não conseguiremos fazê-lo. Nós somos incapazes de seguir completamente a vontade de Deus. Somos pessoas fracas. Aos olhos de Deus somos seres miseráveis. É por isso que o Deus Todo-Poderoso tem compaixão de nós. O homem aponta as falhas dos outros, mas o Deus Todo-Poderoso, que é o Deus de amor, também é o Deus da verdade e o Salvador tem compaixão de nós. O bom samaritano teve compaixão daquele homem, se aproximou dele e o ungiu. Isso mostra que Jesus veio a este mundo em forma humana e salvou a todos com seu batismo e seu sangue. Ele teve compaixão do homem e o salvou.
A maioria dos judeus não respeitava Jesus. Somente uns poucos que seguiam Jesus de perto é que o reconheciam e o respeitavam. Não havia nada na aparência de Jesus para ser admirado. Ao invés de admirá-lo, os judeus na verdade o desprezavam. Nosso Senhor sempre foi desprezado porque veio a este mundo de uma família de baixo nível social. Mas embora tenha sido desprezado pelas pessoas deste mundo, foi Jesus que salvou toda a humanidade, assim como o samaritano que resgatou aquele homem. Deus se fez inferior para nos salvar. O Criador do universo veio a este mundo em forma humana, como está escrito: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1:14).
O que Jesus, nosso Deus, fez por nós quando veio a este mundo? Assim como o pecado dos israelitas eram transferidos para o cordeiro sacrificial pela imposição de mãos no Antigo Testamento, Jesus tirou todos os pecados do mundo e os apagou ao ser batizado por João Batista quando tinha 30 anos.
 
 
O Evangelho da Justiça de Deus Nos Salvou
 
Vamos ler Mateus 3:13-15: “Então, veio Jesus da Galiléia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele. Mas João opunha-se-lhe, dizendo: ‘Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?’ Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: ‘Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.’ Então, ele o permitiu.” O fato de Jesus ter sido batizado por João Batista é a mesma obra que o bom samaritano fez ao colocar azeite nas feridas daquele homem. Isso mostra que Jesus, o verdadeiro Deus, foi batizado para salvar todos os pecadores que estavam destinados a ir para o inferno. Jesus foi batizado com 30 anos. Sua vida pública começou por volta dos 30 anos. Foi aí que ele começou o ministério de salvar toda a humanidade de seus pecados. Jesus se aproximou de João Batista quando ele estava batizando o povo de Israel no rio Jordão. Quando ele procurou João Batista para ser batizado, João tentou dissuadi-lo, dizendo: “Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?” Então com toda segurança Jesus disse a João Batista: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.”
Nosso Senhor veio a este mundo para salvar os pecadores. E ele deu sua própria carne para nós pecadores quando estava com 30 anos. Antes de ser batizado, Jesus disse a João Batista: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.” Precisamos entender e crer no motivo de Jesus ter dito isso. Por que Jesus foi batizado por João Batista no rio Jordão? E por que Jesus disse: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça”?
Eis a resposta: Jesus foi batizado porque todos nós éramos todos pecadores destinados a ir para o inferno, e ele quis nos purificar de todos os nossos pecados. Quando Jesus disse: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça”, a Palavra “assim” é “οϋτως γάρ” (hoo’-tos gar) em grego, que quer dizer “desta forma”, “mais adequado” ou “não há outro modo além deste”. Esta palavra mostra que Jesus levou sobre si os pecados da humanidade de forma irreversível; e o modo mais apropriado de fazer isso foi através do batismo que recebeu de João Batista.
Nos dias do Antigo Testamento, se um pecador quisesse se livrar de seus pecados diante de Deus, ele tinha que trazer um cordeiro sem defeito, passar seus pecados para a cabeça deste animal pela imposição de mãos, cortar sua garganta para drenar seu sangue, colocar o sangue nos chifres do altar de ofertas queimadas, cortar todo animal em pedaços, colocá-lo sobre o altar, queimá-lo e oferecê-lo a Deus como oferta por seus pecados. O pecador tinha seu pecado remido diante de Deus através deste sistema sacrificial. Jesus foi batizado para apagar todos os pecados daqueles que estavam destinados ao inferno. Ele foi batizado para nos fazer justos.
“Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.” Assim como o pecado dos israelitas eram passados para o animal sem defeito, Jesus levou todos os nossos pecados sobre si através de seu batismo e foi condenado em nosso lugar como nossa propiciação. Jesus foi batizado para apagar toda iniquidade dos pecadores. Foi por isso que ele abaixou a cabeça para João Batista, e João batizou-o impondo as mãos sobre sua cabeça. Assim como os pecados do povo de Israel eram passados para o animal sacrificial pela imposição de mãos no Antigo Testamento, Jesus, o Cordeiro de Deus, foi batizado por João Batista para acabar de uma vez por todas com todos os pecados deste mundo.
 
 
João Batista é o Representante de Toda a Humanidade
 
João Batista foi o maior homem dos nascidos de mulher. Como está escrito em Mateus 11:11, o próprio Jesus testificou de João dizendo: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista.” Jesus disse isso porque João Batista passou todos os pecados do mundo para Jesus como representante da humanidade. No momento que Jesus foi batizado, ele tomou todos os pecados da humanidade sobre si e os apagou. Como Jesus começou sua vida pública com 30 anos, ele primeiro foi batizado e depois aceitou que todos os pecados do mundo fossem transferidos para sua cabeça. Ele proclamou por três anos que era a luz do mundo e o Salvador. Quando Jesus morreu na cruz, ele clamou: “Está consumado!”
Jesus Cristo purificou todo pecado deste mundo porque foi batizado por João Batista; por isso que todos estes pecados estavam sobre ele. “Assim” – ou seja, ao ser batizado, Jesus aceitou que todos os pecados deste mundo fossem passados para ele, e por nós pecadores sofreu o julgamento de sangue na cruz. Desta forma, ele libertou a todos nós de todos os nossos pecados. Este foi o propósito do batismo que Jesus recebeu. Você crê nisso? Quando Jesus disse a João Batista: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça”, ele estava dizendo: “João, me batize para passar todos os pecados do mundo para mim. Eu levarei todos os pecados do mundo sobre meu corpo”. Deste modo, Jesus acabou com todos os pecados deste mundo.
Como o cordeiro ou o bode sacrificial sem defeito do Antigo Testamento, Jesus entregou seu corpo por nós ao ser batizado e derramar seu sangue na cruz. Jesus foi batizado por todos os pecadores. Deus Pai glorificou a Jesus que o obedeceu e cumpriu com sua missão. Está escrito: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. E eis que uma voz dos céus dizia: ‘Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo’” (Mateus 3:16-17). Deus está dizendo aqui: “Com seu batismo meu filho me obedeceu e cumpriu a minha ordem de levar todos os pecados deste mundo”. O próprio Deus testificou desta verdade. É somente uma questão de crermos que o Senhor nos salvou de todos os nossos pecados. Também devemos crer que Jesus apagou todos os nossos pecados ao ser batizado quando veio a esta terra. Todos nós devemos ser libertos por esta fé.
 
 
“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!”
 
Vamos ler João 1:29: “No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!’” João Batista aqui testificou de Jesus. João Batista podia falar isso de Jesus porque ele mesmo o batizou no rio Jordão. Ele testificou de Jesus dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” Quando João Batista viu Jesus se aproximando, ele testificou dele para seus discípulos e para a multidão que estava ali.
Quando os pecados deste mundo foram transferidos para Jesus? Quando os seus e os meus pecados foram transferidos para Jesus? Quando todos os pecados de todo homem neste mundo foram transferidos para Jesus? Quando ele foi batizado. Quando Jesus veio a este mundo e foi batizado por João Batista no rio Jordão, ele apagou todos os pecados deste mundo. E um dia após seu batismo, quando João Batista viu Jesus se aproximando, ele testificou dele, dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” Com isso, João Batista estava dizendo: “Jesus é o Messias e o Salvador. Ele é o Salvador de toda a humanidade. Ele apagou todos os nossos pecados e os pecados das gerações futuras também. Ele é o cordeiro de Deus”.
Há dois mil anos João Batista passou todos os nossos pecados para Jesus ao batizá-lo, o que era igual ao ato de imposição de mãos no Antigo Testamento. E ao ver Jesus levar todos os pecados do mundo, ele testificou: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” Nós também vivemos neste mundo. Desde o momento que nascemos do ventre de nossa mãe, nós pertencemos a este mundo. Independentemente de quanto tempo estamos neste mundo, não podíamos parar de pecar perante Deus. Crendo em Deus ou não, todos nós pecamos. Mas o que acontece com os pecados que cometemos? Todos eles foram passados para Jesus. Jesus é “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Precisamos conhecer e crer neste batismo de Jesus da modo correto.
Em Lucas capítulo 10, o Senhor disse que o samaritano teve compaixão daquele homem e foi ajudá-lo, colocando azeite e vinho sobre suas feridas. Isso mostra que o Senhor tomou todos os nossos pecados e os apagou ao ser batizado. Jesus não somente levou todos os pecados do mundo, mas também derramou seu sangue na cruz para ser condenado em nosso lugar. Nós devemos crer nisso. Quando você e eu cremos no batismo de Jesus e em sua morte na cruz, nós somos libertos pelo Senhor.
Todos os pecados cometemos desde o nosso nascimento foram todos levados por Jesus quando ele foi batizado. E não importa que pecados cometeremos no futuro, eles também foram levados por Jesus. Nossa expectativa de vida gira em torno de 70 a 80 anos, e durante toda a nossa vida nós pecamos. Todos estes pecados foram passados para Jesus cerca de dois mil anos atrás quando ele foi batizado. O que achamos disso não importa, o que importa é que Jesus veio a este mundo, foi batizado, morreu na cruz e ressuscitou dos mortos. Todos os nossos pecados foram transferidos para Jesus em seu batismo? Jesus levou todos os pecados deste mundo? Este batismo de Jesus purificou todos os nossos pecados? A resposta para todas estas perguntas é sim. E o mais importante é saber de tudo isso e crer nisso.
Se você tem quarenta anos, você já teve ter cometido muitos pecados. Todos estes pecados já foram passados para Jesus? Sim, foram. Se você viver até os noventa anos, ainda lhe restam cinquenta anos de vida, e os pecados que você cometer durante estes cinquenta anos fazem parte dos pecados do mundo, os quais já foram transferidos para Jesus há dois mil anos. Todos os seus pecados pertence aos pecados do mundo, independente de quando foram cometidos. Os pecados que cometemos hoje pertencem aos pecados do mundo; os pecados que cometeremos amanhã também pertencem aos pecados do mundo; os pecados que cometemos ontem também pertencem aos pecados do mundo; os pecados que cometemos anteontem também estão incluídos nos pecados do mundo; os pecados que cometemos desde que nascemos são os pecados do mundo e os pecados herdados dos nossos pais também são os pecados do mundo. Cada pecado que cometeremos até o dia de morrermos, inclusive o pecado cometido no leito de morte, todos fazem parte dos pecados do mundo. Até mesmo o último pecado foi transferido para Jesus. A Bíblia afirma claramente que Jesus é “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. Há cerca de dois mil anos Jesus levou todos os pecados deste mundo. Portanto, você e eu não temos mais pecado algum. Ter a fé correta é enxergar isso e crer nesta verdade sem duvidar.
Mesmo sem saber quando iremos morrer, sabemos com certeza que continuaremos cometendo pecado até nosso último dia neste mundo. Mas Jesus já levou todos estes pecados com seu batismo. Nós não somos salvos por fazermos boas obras, mas por crermos que o Senhor nos salvou de todos os nossos pecados. Isso significa que não fomos salvos por observarmos a lei ou fazermos boas obras. Embora desejássemos fazer isso, não conseguimos fazê-lo por causa da nossa fraqueza. Para cada coisa que fazemos certo há cinco erradas. Não passamos de pecadores miseráveis destinados ao inferno. O Senhor nos salvou desta forma e nos fez justos. O Senhor salvou a mim, a você e a todas as pessoas deste mundo. Nós fomos libertos pela nossa fé. Todos os nossos pecados foram passados para Jesus.
O livro de Levítico descreve o sistema sacrificial. E de acordo com este sistema, um pecador tinha que pôr suas mãos sobre a cabeça de um cordeiro ou bode para passar seus pecados diários para ele e orar assim: “Senhor Deus, pequei diante de ti. Por favor, aceite este animal e me perdoe”. Este homem degolava o animal, tirava seu sangue e o entregava ao sacerdote encarregado deste oficio. O sacerdote então colocava o sangue nas pontas do altar de oferta queimada e cortava o animal em pedaços, o colocava no altar para queimar e o oferecia a Deus. Desta forma, os israelitas ofereciam as ofertas de pecado quando pecavam, mas seus pecados continuavam crescendo porque eles não podiam oferecer sacrifícios todos os dias.
Então o Senhor estabeleceu outro sacrifício para o seu povo, que foi o sacrifício do dia da expiação. Ele era feito pelo sumo sacerdote no décimo dia do sétimo mês. Neste dia, o sumo sacerdote, como representante de seu povo, oferecia sacrifícios para expiar os pecados anuais de todos os israelitas. Para oferecer sacrifício pelo povo, ele primeiro tinha que oferecer um bezerro como oferta de pecado por si mesmo e fazer expiação por si e por sua família. Então o sumo sacerdote trazia dois bodes e oferecia um deles ao Senhor dentro do tabernáculo. O sumo sacerdote impunha as mãos sobre a cabeça do primeiro bode e passava para ele todos os pecados dos israelitas, tirava seu sangue e o levava para dentro do santíssimo lugar. Então ele aspergia o sangue sete vezes sobre a tampa da arca do testemunho, o propiciatório que ficava dentro do santíssimo lugar. O número sete na Bíblia é o número de Deus, e representa a “perfeição”. E por meio deste sangue aspergido, o preço de todos os pecados anuais do povo de Israel era pago de uma vez por todas.
Havia campainhas de ouro costuradas na bainha do éfode, que era a vestimenta externa do sumo sacerdote. Então, quando ele aspergia o sangue, os sinos dourados tiniam, e os israelitas ficavam ouvindo aquele som de fora do Tabernáculo. Quando o sumo sacerdote tocava sete vezes o sino dourado, todos os israelitas ficavam aliviados em ouvir isso porque sabiam que o preço por seus pecados havia sido completamente pago.
Então o sumo sacerdote trazia o outro bode, o bode emissário, e na frente do povo que esperava fora do tabernáculo, ele impunha suas mãos sobre a cabeça do animal e orava: “Senhor Deus, este povo cometeu pecados durante este ano – pecados de maus pensamentos, adultério, fornicação, homicídio, roubo, cobiça, maldade, fraude, lascívia, inveja, blasfêmia, orgulho e loucura. Eu, como representante de seu povo, agora passo estes pecados para este bode emissário ao impor minhas mãos sobre sua cabeça. Por favor, aceite este animal como sacrifício pela vida de todo seu povo”.
Depois disso, o sumo sacerdote mandava o bode emissário embora para o deserto levado por um homem escolhido por ele. O bode levava sobre si todas as iniquidades dos israelitas até uma terra inabitável e era solto no deserto. Mas o que acontecia com o bode? Ele morria no deserto levando todos os pecados dos israelitas. Era assim que os pecados anuais dos israelitas eram expiados no dia da expiação.
O que está escrito em Hebreus 10:1? Está escrito: “Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam.” Neste texto o Senhor nos ensina sobre sua perfeita e eterna salvação ao ligar seu sacrifício com o sacrifício do dia da expiação. Jesus ofereceu o sacrifício eterno com seu corpo através de seu batismo e de seu sangue na cruz. Ou seja, ao vir a esta terra e ser batizado, o Senhor levou de uma vez por todas nossos pecados que não foram purificados pelas orações diárias de arrependimento. Jesus salvou de todo os pecados a nós que cremos em seu batismo e sangue. João Batista tirou todos os pecados deste mundo e transferiu-os para Jesus quando impôs suas mãos sobre sua cabeça, para que todo aquele que crê no batismo e no sangue de Jesus não tiveste mais pecado. Nosso Senhor aceitou todos os pecados do mundo e morreu na cruz. Enquanto no Antigo Testamento era o sumo sacerdote que oferecia sacrifício por seu povo, no Novo Testamento foi João Batista o último sumo sacerdote e descendente de Arão, o primeiro sumo sacerdote, que cumpriu a tarefa de transferir os pecados de toda a raça humana (Lucas 1:5-17, Mateus 11:11-13).
Como filho do sacerdote Zacarias, João Batista foi enviado por Deus seis meses antes de Jesus nascer. E tanto Zacarias quanto sua esposa Isabel eram descendentes de Arão, o sumo sacerdote. Ao ser batizado por João Batista, Jesus levou todos os pecados do mundo sobre si. E por levar assim todos os pecados deste mundo e ser condenado na cruz, ele salvou todos nós. Ao ser batizado por nossos pecados, ele purificou todos estes pecados do nosso coração.
O que Jesus disse em sua parábola? Ele disse que o samaritano foi até aquele homem e atou suas feridas, depois pôs azeite e vinho sobre elas. Jesus curou todos que estavam destinados ao inferno, os que eram miseráveis, atormentados pelo pecado e oprimidos pelos demônios.
O que o samaritano fez ao pôr azeite nas feridas tem a ver com o ministério de Jesus – ou seja, tem a ver com o fato de o próprio Jesus ter apagado todos os pecados em favor do homem e sido condenado por nós. Ou seja, um simbolismo do ministério da água (seu batismo) e do sangue de Jesus. Ao pôr azeite na ferida, evitamos uma infecção. Assim Jesus purificou totalmente todos os pecados do mundo – os pecados que você e eu tínhamos desde que nascemos do ventre de nossa mãe, os pecados que cometemos até hoje e até mesmo os pecados que cometeremos no futuro. Ele nos salvou completamente para que nunca mais sejamos pecadores, não importa o quanto sejamos fracos. Ao ser batizado Jesus apagou todos os nossos pecados. Ele tirou todos os pecados da raça humana. E ao morrer na cruz, ele foi condenado pelos pecados de todas as pessoas e nos salvou do juízo.
Depois de colocar azeite nas feridas, o que o samaritano fez? Depois do azeite ele colocou vinho nas feridas. O vinho que o samaritano colocou simboliza o sangue de Jesus. Vinho também significa alegria na Bíblia. Como está escrito: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós”, Jesus veio a esta terra em forma humana, e com trinta anos levou todos os nossos pecados através do batismo que recebeu no rio Jordão. Ele apagou todos os nossos pecados da melhor forma possível. Assim o Senhor deu sua alegria aos crentes. Ele acabou com todos os nossos pecados.
Então há algum pecado em nós ainda? Não, é claro que não! E quanto aos outros? As pessoas deste mundo também estão sem pecado? Sim, elas também não tem mais pecado. O problema, porém, é que há muitos que ainda não sabem e não creem no que Jesus fez por eles, na verdade de nascer de novo, de que todos os pecados deste mundo foram tirados graças à obra da justiça de Jesus. E porque eles não sabem desta obra que o Senhor fez, eles levam uma vida religiosa ainda com seus pecados, só esperando a morte. Eles são mortos por salteadores no caminho para Jericó – o mundo, ou seja, serão lançados no inferno, embora o Salvador já tenha vindo e salvado todos nós com a água e com o sangue (1 João 5:4-8).
A Bíblia diz: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus” (Romanos 10:17) E também diz: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32); “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12).
Como vemos neste texto, a verdade está na água e no sangue de Jesus Cristo. O Senhor diz que ninguém pode ser salvo só porque conhece bem a lei e a cumpre. Ao contrário, só pode ser salvo aquele que se encontrar com o bom samaritano, ou seja, Jesus Cristo. E quanto a você? Você já se encontrou com o bom samaritano? Você já encontrou o samaritano, a quem todos ridicularizam? Jesus foi humilhado por todos neste mundo. Ele ainda é ridicularizado. Mas Jesus se tornou o nosso Salvador. Jesus é o Deus de amor que nos dá a vida se crermos nele.
Nosso Deus é quem nos dá a verdadeira alegria. Quando crermos que todos os pecados do mundo, inclusive os nossos, foram passados para Jesus através de seu batismo, aí teremos a verdadeira paz, satisfação e alegria. Quando os nossos pecados foram tirados e lançados fora, ou seja, quando, pela fé, nossos pecados saíram, fomos cheios de alegria. Devemos circuncidar o prepúcio do nosso coração como está escrito: “Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração e não mais endureçais a vossa cerviz” (Deuteronômio 10:16). Ou seja, apenas quando pela fé reconhecermos que todos os nossos pecados foram passados para Jesus é que receberemos a circuncisão da remissão dos pecados em nosso coração. Deste modo, teremos alegria e paz em nosso coração.
O samaritano curou o homem que caiu nas mãos dos salteadores. Como ele curou aquele homem? Ele usou azeite e vinho para colocar nas suas feridas. Do mesmo modo, Jesus também colocou azeite e vinho sobre todas as nossas feridas dilaceradas, cortadas e doloridas causadas pelos pecados que cometemos. Ele sempre coloca azeite e vinho em cada ferida que fere nosso coração. O nosso Senhor Jesus disse: “Eu levei todos os pecados ao ser batizado por João Batista. Todos os seus pecados passaram para mim quando eu fui batizado; e eu ainda fui condenado e crucificado por vocês. Por isso vocês não têm mais pecado. Creiam nesta verdade”. Até agora nosso Senhor está nos admoestando assim.
Meus amados irmãos, será que todos os nossos pecados cometidos no passado já foram passados para Jesus? Sim, todos eles foram passados para Jesus. E ele levou todos os pecados que estamos cometendo agora. Ele levou de uma só vez todos os nossos pecados passados, presentes e até mesmo os pecados que cometeremos no futuro até o dia da nossa morte. Todos os pecados deste mundo foram levados de uma só vez quando Jesus foi batizado, e ele pagou o preço por estes pecados ao derramar seu sangue na cruz.
Hoje sabemos que para os pecadores serem salvos, para nascemos de novo, para recebemos a vida eterna e para nos tornamos justos filhos de Deus é necessário crermos de coração que Jesus foi batizado e morreu na cruz para nos salvar de todos os nossos pecados. Quando cremos nesta verdade nós seguimos o caminho da salvação de Deus e ficamos sob sua graça redentora. Jesus levou todos os meus pecados. Ele levou todos os seus pecados também. Para alcançarmos a nossa salvação é necessário crer nesta verdade.
Jesus veio a este mundo como o Salvador. E quando ele veio, teve que aceitar todos os nossos pecados pela imposição de mãos segundo a lei que Deus estabeleceu em seu sistema sacrificial. Seria impossível todas as pessoas que vivem neste mundo imporem as mãos sobre a cabeça de Jesus. Mas Jesus é um Deus sábio. O livro de Hebreus diz que ele tornou todo crente perfeito ao vir a este mundo dando a si mesmo por eles.
Vamos voltar para Hebreus 10:1-8, que diz: “Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam. Doutra maneira, teriam deixado de se oferecer, porque, purificados uma vez os ministrantes, nunca mais teriam consciência de pecado. Nestes sacrifícios, porém, cada ano, se faz comemoração dos pecados, porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire pecados. Pelo que, entrando no mundo, diz:
‘Sacrifício e oferta não quiseste,
Mas corpo me preparaste;
Holocaustos e oblações pelo pecado
Não te agradaram.
Então, disse: ‘Eis aqui venho
(No princípio do livro está escrito de mim),
Para fazer, ó Deus,
A tua vontade.
Como acima diz: ‘Sacrifício, e oferta, e holocaustos, e oblações pelo pecado não quiseste, nem te agradaram (os quais se oferecem segundo a lei)’” (Hebreus 10:1-8).
O texto acima declara: “Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam.” Hoje em dia ninguém pode ser perfeito apenas pela lei do Antigo Testamento. A lei de Deus nos dá sabedoria e nos ensina todos os dias sobre o pecado. E Deus deu também aos israelitas o sistema sacrificial para que eles fizessem expiação por seus pecados. Mas embora a lei e o sistema sacrificial nos ensinem como expiar nossos pecados, nenhum deles pode nos salvar dos nossos pecados.
Deus estabeleceu dois tipos de sacrifício para os israelitas: um para seus pecados diários e outro para os pecados anuais do povo. Quando um deles pecava, ele mesmo tinha que oferecer um animal para sacrificar. Mas uma vez ao ano, no décimo dia do sétimo mês, o sumo sacerdote oferecia o sacrifício no dia da expiação para apagar os pecados anuais de todos os israelitas.
O povo de Israel tinha que viver por estes estatutos da lei. Aquele que infringisse algum estatuto da lei tinha que oferecer um sacrifício para expiar este pecado. Mas porque ninguém é perfeito, os israelitas não conseguiam guardar todos os estatutos da lei e nem oferecer sacrifício pelos vários pecados que cometiam todos os dias. Mesmo quando ofereciam um sacrifício por algum pecado particular, não demorava muito para logo voltarem a ser pecadores novamente, já que ninguém consegue parar de pecar; então eles voltavam a oferecer outro sacrifício para fazer expiação. Por razões óbvias, isso era simplesmente insustentável.
Sabendo muito bem desta limitação, Deus criou o dia da expiação, em que ele libertava os israelitas de seus pecados anuais através do sacrifício oferecido pelo sumo sacerdote. Mas mesmo o sacrifício feito no dia da expiação era algo limitado, já que tinha que ser feito todos os anos. Como seres humanos limitados, nós nunca poderíamos alcançar a perfeita remissão de pecados através do sistema sacrificial determinado pela lei do Antigo Testamento. A lei e o sistema sacrificial do Antigo Testamento não podem mesmo nos tornar sem pecado totalmente.
É por isso que o Salvador, Jesus Cristo, veio no tempo do Novo Testamento e apagou nossos pecados de uma vez por todas ao ser batizado. Deste modo, e também por ter sido condenado na cruz, ele nos tornou sem pecado e nos salvou do juízo. Foi assim que o Senhor nos salvou. Nós só poderemos ser salvos dos nossos pecados quando crermos nesta redenção. A própria lei não pode nos salvar e nem nossas justas ações podem nos salvar.
 
 
No que Precisamos Crer Para Sermos Libertos de Todos os Nossos Pecados Então?
 
Está escrito em Hebreus 10:9-10: “Então, disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo. Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez”. Como diz o texto, nós fomos santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo feita uma vez. Este Jesus ofereceu a si mesmo por todos e isso quer dizer que ele levou de uma vez todos os nossos pecados ao ser batizado no rio Jordão. E ao ser crucificado, ele foi condenado por nossos pecados. Como diz a Bíblia: “O salário do pecado é a morte”. Os pecadores têm que morrer. Se tivermos pecado, devemos morrer, mas Jesus nos libertou de todos os nossos pecados de uma vez por todas. Jesus não nos salvou morrendo a cada dia, ressuscitando a cada dia e repetindo isso vez após outra para aceitar nossos pecados diários. Pelo contrário, Jesus, o verdadeiro Deus, libertou o homem dos seus pecados de uma vez por todas ao vir só uma vez a este mundo, aceitando de uma só vez todos os pecados do mundo através de seu batismo e sendo crucificado apenas uma vez. Esta foi a vontade do pai. E Jesus cumpriu esta vontade totalmente.
“Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez. E assim todo sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados; mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, está assentado para sempre à destra de Deus, daqui em diante esperando até que os seus inimigos sejam postos por escabelo de seus pés. Porque, com uma só oblação, aperfeiçoou para sempre os que são santificados” (Hebreus 10:10-14).
O que Deus quis dizer neste texto? Esta frase: “Mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados”, significa que todos os pecados deste mundo foram passados para Jesus de uma só vez quando ele foi batizado. Cristo remiu todos os nossos pecados, quer cometidos em pensamento ou atos, consciente ou inconscientemente. Foi para isso que Jesus veio a esta terra: para nos libertar de todos os nossos pecados. Ele veio para nos salvar de todos os nossos pecados. De uma só vez nosso Senhor levou os pecados de todos nós e nos remiu para sempre, ou seja, ele ofereceu um sacrifício eterno.
Nosso Senhor purificou de uma só vez todos os pecados que cometemos e que ainda cometeremos, desde a fundação do mundo até o fim dos tempos. Não sabemos quanto tempo ainda resta para este mundo, mas cerca de dois mil anos atrás Jesus levou sobre si todos os pecados do homem ao ser batizado por João Batista no rio Jordão. Então, tanto os seus quanto os meus pecados foram passados para Jesus. Todo pecado deste mundo já foi transferido para Jesus. Ele ofereceu um único sacrifício eterno ao levar todos os nossos pecados de uma vez, quando derramou seu sangue na cruz ao ser condenado, ressuscitou dos mortos ao terceiro dia e se tornou o Salvador de todo aquele que nele crê. Hoje nós cremos em Jesus, mas ele já levou todos os nossos pecados há dois mil anos atrás. Então tudo que temos que fazer é crer nesta verdade e confessar: “O Senhor aceitou todos os meus pecados através de seu batismo e foi condenado na cruz por mim. Ele padeceu grande dor e sofrimento. Ele morreu para me salvar, mas ressuscitou dos mortos e agora está assentado à destra de Deus. E até hoje ele está vivo e nos fazendo crentes perfeitos.”
O Senhor ofereceu um único sacrifício eterno e agora está assentado à direita de Deus. Hoje Deus não trabalha mais para a nossa salvação, pois já completou a obra e acabou com todo pecado do homem. É por causa desta verdade que somos salvos. Não há outra justiça de Deus além desta.
Em Romanos 1:17 está escrito: “Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: ‘Mas o justo viverá da fé’”. Há algo interessante na escrita chinesa com relação a esta Palavra “justiça”. Justiça em letra chinesa é “Yi” (義), e esta letra é composta de outras duas letras: “Yang” (羊), que significa “ovelha”, e “Wo” (我), que significa “eu”. Em outras Palavras, ela significa: “Eu me tornei um justo por causa de uma ovelha – ou seja, eu me tornei sem pecado graças ao amor sacrificial do Cordeiro”.
A justiça de Deus foi o que nos fez sem pecado através de seu Cordeiro, e através dele nos salvou totalmente de todos os nossos pecados. Por outro lado, a justiça humana é como trapo de imundícia. O ser humano é sujo como um trapo imundo. Nossa justiça própria não é nada. Nós estávamos destinados a ir para o inferno depois de viver uma vida inútil, fútil, sem sentido algum, como está escrito: “O coração dos filhos dos homens está cheio de maldade; que há desvarios no seu coração, na sua vida, e que depois se vão aos mortos” (Eclesiastes 9:3). Então Deus teve compaixão de nós e se tornou nosso Salvador. Ele levou todos os nossos pecados de uma só vez e agora está assentado à direita de Deus. Jesus já resolveu nosso problema com o pecado e agora está assentado à direita de Deus. Portanto, é de imprescindível entendermos que Jesus foi batizado para tirar todos os nossos pecados do mesmo modo que os animais eram sacrificados no Antigo Testamento para apagar os pecados dos israelitas pela imposição de mãos.
Assim como o pecado dos israelitas eram passados para o animal do sacrifício quando eles impunham as mãos sobre ele nos dias do Antigo Testamento, no Novo Testamento Jesus levou todos os pecados do mundo sobre seu corpo santo e sem pecado ao ser batizado, ou seja, seu corpo levou nossos pecados. Embora seu coração não tivesse pecado, seu corpo passou a ter pecado. Assim Jesus recebeu todos os nossos pecados através de seu batismo e por isso morreu por nós. Era assim que o animal sacrificado levava os pecados dos israelitas e morria no lugar deles pelo sistema sacrificial do Antigo Testamento. Desta forma os nossos pecados foram totalmente purificados. Foi o batismo de Jesus que purificou todos os nossos pecados. Ele aceitou os nossos pecados sobre si através de seu batismo. Foi exatamente por isso que, quando foi ser batizado, Jesus disse a João Batista: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.” Jesus não foi batizado porque era humilde, porque não tinha poder ou porque respeitava João Batista. Ele foi batizado por um propósito apenas: nos salvar.
Somente através de sua Palavra é que podemos ser salvos. Só podemos ser salvos se entendermos e crermos corretamente na Palavra de Deus. É por isso que a fé é tão indispensável para a nossa salvação.
Vamos voltar a ler Hebreus 10:14-18: “Porque, com uma só oblação, aperfeiçoou para sempre os que são santificados. E também o Espírito Santo no-lo testifica, porque, depois de haver dito: Este é o concerto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos, acrescenta: E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades. Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado” (Hebreus 10:14-18).
Assim está escrito: “Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado”. Embora não haja mais oferta pelo pecado, muitos cristãos continuam orando assim: “Senhor, por favor, me perdoe por ter pecado. Eu pequei novamente hoje. Por favor, perdoe este pecador. Jesus, por favor, volte a este mundo e morra novamente na cruz por mim”. Mas você não precisa mais orar assim. Você não precisa mais fazer isso.
Jesus se tornou nosso próprio bom samaritano e pôs azeite e vinho em nossas feridas. Ele colocou azeite e vinho nas feridas que o pecado nos fez. Em Isaías capítulo 53 está escrito:
“Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades
E as nossas dores levou sobre si;
E nós o reputamos por aflito,
Ferido de Deus e oprimido.
Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões
E moído pelas nossas iniqüidades;
O castigo que nos traz a paz estava sobre ele,
E, pelas suas pisaduras, fomos sarados” (Isaías 53:4-5).
Isaías era um servo de Deus que exerceu seu ministério diante dos israelitas cerca de 700 anos antes de Jesus Cristo vir a este mundo. Como Isaías profetizou aqui, Jesus foi mesmo ferido e moído por nossas iniquidades e pecados. Mas ele não precisava ser desprezado. Não era necessário ele ter sido despido de suas vestes. Mas mesmo assim, ele foi despido de suas vestes, foi cuspido e esbofeteado. Ele foi envergonhado assim porque levou todos os nossos pecados sobre si ao ser batizado no rio Jordão. Todos nós devemos ser gratos por isso. Jesus verdadeiramente levou todos os nossos pecados ao ser batizado no rio Jordão, e por isso ele foi condenado na cruz em nosso lugar.
“E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades. Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.” A Bíblia deixa claro aqui que não há mais pecado. Nós agora somos justos e sem pecado porque Jesus levou todos os nossos pecados e foi à cruz para apagá-los. O Senhor aceitou todos os nossos pecados que foram passados para ele por João Batista e foi condenado na cruz por nós, ressuscitou dos mortos ao terceiro dia e agora está assentado à destra de Deus, aguardando o dia em que voltará para nos levar com ele.
Todos vocês devem crer nesta verdade. Vocês devem crer que seus pecados passados, presentes e futuros já foram transferidos para Jesus Cristo. O Senhor sabe muito bem que somos seres vulneráveis com a tendência de pecar novamente. Ele nos conhece bem. Foi por isso que ele mesmo tirou todos os nossos pecados e nos fez seu povo. Foi por isso que ele nos fez seus filhos. Ele nos salvou para que não fôssemos lançados no inferno e nos abençoou para nos fazer seu povo e seus filhos. Já que a Bíblia diz que “a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no seu nome”, nós nos tornamos justos pela fé, recebemos a vida eterna pela fé, e também nos tornamos filhos de Deus pela fé. Vocês creem nisso, amados irmãos? Vocês realmente creem que não tem mais pecado?
O bom samaritano colocou azeite e vinho nas feridas do viajante que caiu nas mãos dos salteadores e atou suas feridas. Então pôs o homem sobre seu animal, levou-o a uma estalagem e cuidou dele.
O que é uma estalagem? É um lugar onde os viajantes param para comer e descansar um pouco de sua viagem. Esta estalagem é a Igreja de Deus. O viajante que caiu nas mãos dos salteadores foi salvo naquele lugar, mas suas feridas eram tão graves que ele teve que ser cuidado dentro daquela estalagem. Isso mostra que você deve ficar na Igreja e continuar ouvindo a Palavra de Deus para ser totalmente curado de todas as feridas de seu corpo e alma. Foi por isso que o bom samaritano levou o viajante para a estalagem, para mostrar que os santos devem ficar na Igreja.
Então o bom samaritano deu ao hospedeiro dois denários, dizendo: “Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar” Qual o significado dos dois denários? Significa que Deus deu a Igreja o Novo e o Antigo Testamento. Ou seja, Deus confiou sua Palavra à sua igreja até a sua volta, para que todos os que caírem nas mãos dos salteadores, ou seja, os pecadores, sejam salvos de seus pecados.
Amados irmãos, nosso Senhor já nos salvou mais que suficiente. O apóstolo Paulo disse: “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8:1). Hoje não há condenação para os que estão em Cristo. Condenação significa o juízo do culpado. Deus não nos imputa mais pecado algum. Foi por isso que ele levou todos os nossos pecados. Jesus é Deus. Ele tirou todos os nossos pecados pela água e pelo sangue. Nosso Senhor purificou todos os nossos pecados com seu batismo e com o sangue da cruz. Por isso ele disse: “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.”
Paulo continua dizendo: “Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte” (Romanos 8:2). Deus se tornou homem, veio a esta terra, nos salvou dos nossos pecados e se tornou o nosso Salvador. Deste modo Deus nos fez seus filhos. E para curar as feridas dos nossos pecados, ele nos levou a uma estalagem para cuidar de nós, ou seja, nos levou para sua Igreja. O Senhor da Igreja onde os nascidos de novo estão é o próprio Deus; e o hospedeiro é o servo de Deus. Então quem são os convidados? São os santos que caíram nas mãos dos salteadores enquanto estavam mergulhados no pecado, mas foram salvos por darem ouvidos ao evangelho da água e do Espírito. Estes santos estão agora descansando e se alegrando na Igreja de Deus.
Este mundo é cheio de pecado, e, por causa disso, nós os santos também temos feridas em nosso coração. Porque somos humanos, às vezes brigamos, pecamos, erramos, e nosso coração é ferido na caminhada. Por isso é tão importante virmos à Igreja de Deus e ouvirmos a Palavra proclamando que o nosso Senhor purificou todos os nossos pecados e todos os pecados do mundo também. Assim nossas feridas são curadas e nossa alma descansa; e quando nossa saúde espiritual for restaurada, e até o Senhor voltar, cuidaremos daqueles que virão depois de nós; aí entraremos no reino eterno de Deus e desfrutaremos da paz e da glória como seu povo e também seus filhos.
Esta é a redenção de Deus e o verdadeiro significado da parábola que nosso Senhor contou ao doutor da lei. Jesus estava falando: “Nem mesmo você que é um doutor da lei pode viver pela lei. Você é aquele que caiu nas mãos dos salteadores. Então quem é o seu Salvador? Eu sou seu Salvador”. Disse Jesus: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). E também disse: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Devemos sempre lembrar que é graças ao nosso Senhor que fomos salvos.
Voltemos agora para 1 João 5:4-12: “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? Este é aquele que veio por água e sangue, ou seja, Jesus Cristo; não só por água, mas por água e por sangue. E o Espírito é o que testifica, porque o Espírito é a verdade. Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra: o Espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam num. Se recebemos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior; porque o testemunho de Deus é este, que de seu Filho testificou. Quem crê no Filho de Deus em si mesmo tem o testemunho; quem em Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu. E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1 João 5:4-12).
Nosso Senhor veio a este mundo pela água, pelo sangue e pelo Espírito. O próprio Deus se tornou homem, e para ser nosso Salvador, Jesus foi batizado e derramou seu sangue na cruz. Estes três: a água, o sangue e o Espírito são as evidências de que Deus nos salvou. Não foi apenas pelo sangue, nem só pela água e nem apenas pelo Espírito que Deus nos salvou. O Senhor nos salvou por estes três – a água, o sangue e o Espírito.
Foi por isso que o Senhor disse a Nicodemos em João capitulo 3: “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus” (João 3:5). Este texto significa: “Se você não crer no batismo de Jesus e em seu sangue na cruz, você não pode entrar no reino de Deus”. Foi através do batismo de Jesus Cristo que os nossos pecados passaram para ele e, portanto, este batismo é fundamental para nossa salvação.
Vamos agora ler 1 Pedro 3:21: “Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo.”
O batismo, ou seja, a água é uma verdadeira figura que nos salva através da ressurreição de Jesus Cristo. Tendo vindo a este mundo como homem e ter sido batizado, Jesus levou sobre si todos os nossos pecados. Ele nos fez sem pecado. Ele ressuscitou dos mortos ao terceiro dia. Onde está a prova de que Jesus purificou todos os nossos pecados? No batismo que ele recebeu. O próprio João Batista testificou esta verdade depois de batizar Jesus. Ao ser batizado por João Batista, Jesus purificou todos os nossos pecados e nos salvou, como diz a Bíblia: “Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, batismo” E Pedro disse: “Não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus.” Este texto mostra que embora tenhamos sido salvos por crermos no batismo de Jesus e em seu sangue na cruz, isso não significa que não pecaremos mais. Nós ainda pecaremos, mas todos os nossos pecados foram tirados por Jesus e, portanto, podemos buscar a Deus com boa consciência.
Deus nos salvou apenas ao passar nossos pecados para Jesus. Então podemos nos achegar a este Deus com confiança, pois cremos em seu filho Jesus Cristo. Foi para nos fazer chegar até a presença de Deus que o Senhor purificou todos os nossos pecados com seu batismo e seu sangue, nos dando a perfeita salvação. O batismo de Jesus nos salvou, e este batismo que Jesus recebeu para purificar os nossos pecados é uma verdadeira figura da salvação.
Se Jesus perguntasse a você: “Quem é o seu próximo? Quem teve misericórdia de você?” Você responderia: “És tu, Senhor. Tu és o meu bom samaritano. Tu és o próximo que teve misericórdia de mim”. Quem teve compaixão de nós? Foi Jesus. Jesus teve compaixão de você e de mim. Jesus é o Deus que nos salvou.
Os legalistas jamais poderiam nos salvar. Pelo contrário, eles nos machucam. Eles são hipócritas que ensinam outros a não pecar, mas eles mesmos cometem pecado. Eles geralmente bombardeiam a mente dos crentes, enchendo-os de culpa, dizendo: “Isso aconteceu porque você pecou. Isso aconteceu porque você fez algo errado”. Se isso fosse verdade, você e eu deveríamos morrer uma centena de vezes. Mas não morremos, ao contrário, fomos salvos! Ao contrário de nós, estes doutores da lei, ou seja, os legalistas, não podem ser salvos. No texto deste capítulo o Senhor está nos dizendo que aqueles que crerem na verdade da água, do sangue e do santo Espírito de Jesus Cristo podem ser salvos.
Você crê nesta Palavra de todo o coração? Esta é a redenção de Deus. Você crê que todos os pecados deste mundo foram transferidos para Jesus? Quando Jesus foi batizado ele levou todos os nossos pecados. Você é do mundo, eu sou do mundo e todas as demais pessoas também são do mundo. Ao levar todos os pecados deste mundo em seu batismo, Jesus salvou todas estas pessoas.
Infelizmente, muitos ainda não foram salvos e têm um coração endurecido, tudo porque não conhecem esta verdade e, portanto, não creem nela. Mas devemos todos lembrar que somente pela fé é que todos podem ser salvos.