Sermons

Assunto 18: GÊNESIS

[Capítulo 4-12] A Remissão de Pecados Só Pode Ser Alcançada pela Palavra de Deus (Gênesis 4:4)

A Remissão de Pecados Só Pode Ser Alcançada pela Palavra de Deus(Gênesis 4:4)
“E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta”.
 
 
Hoje eu quero pregar a Palavra de Deus para vocês e fazer a seguinte pergunta: “Que tipo de sacrifício devemos oferecer a Deus?”
O texto bíblico deste capítulo nos diz que quando Abel ofereceu dos primogênitos das suas ovelhas e sua gordura ao Senhor Deus, ele recebeu sua oferta. Que tipo de oferta devemos dar a Deus então? Toda oferta que damos a Deus deve ser com gratidão pela graça que ele nos concedeu, para exaltá-lo e adorá-lo de todo o nosso coração. Devemos ofertar nosso amor a Deus, declarar sua glória e honrá-lo como gratidão por ele ter nos salvado e nos feito seus filhos – esta foi a oferta que Abel ofereceu a Deus.
Abel ofereceu dos primogênitos das suas ovelhas e sua gordura como sacrifício a Deus. Deus então aceitou sua oferta. Em outras palavras, a oferta de fé de Abel agradou a Deus. Mas o que Deus teria feito se Abel ofertasse dos primogênitos das suas ovelhas mas sem sua gordura? Ele provavelmente não a aceitaria. No entanto, a Bíblia é bem clara ao dizer que Abel ofertou dos primogênitos das suas ovelhas e sua gordura.
“O primogênito das suas ovelhas e sua gordura” contém os elementos perfeitos da fé que são indispensáveis para nos achegarmos a Deus. Melhor dizendo, temos que confiar na justiça de Deus e declarar sua glória para nos achegarmos a ele. Quando buscarmos a Deus, temos que fazer isso reconhecendo o que ele por sua glória, por sua verdade e por nós. Só então ele será glorificado e aceitará nossa oferta, derramará sobre nós o Espírito Santo e nos dará a bênção da vida eterna. Jamais podemos esquecer de levar a gordura quando dermos nossa oferta ao Senhor. A Bíblia diz inúmeras vezes que algo totalmente indispensável para os verdadeiros adoradores é levar a gordura.
Mas por que devemos levar a gordura quando estivermos na presença de Deus? A gordura, ou o óleo na Bíblia se refere ao Espírito Santo. E o Espírito Santo é o próprio Deus. Se nos aproximarmos de Deus de uma forma cerimonial quando oferecermos a ele sacrifício, ele não receberá nossa oferta. Temos que ofertar a ele o sacrifício correto e ter a verdadeira fé que ele determinou para nós.
Deus exigia um animal sem defeito para o sacrifício no Antigo Testamento. E esta oferta de sacrifício sem defeito é o próprio Jesus Cristo, que veio a essa terra como o Cordeiro de Deus e se tornou a propiciação por toda a humanidade. Isso significa que Jesus Cristo é o próprio Deus que veio a nós ao ser concebido no ventre de uma virgem pelo Espírito Santo, como foi profetizado pelo profeta Isaías (Isaías 7:14). Em outras palavras, o próprio Deus, que é o Espírito divino, veio a essa terra num corpo humano como o menino Jesus. O Deus perfeito foi concebido pelo Espírito Santo, veio a este mundo e habitou entre nós. Por isso que Jesus é chamado de Emanuel, que significa “Deus conosco” (Mateus 1:23).
Jesus veio a essa terra num corpo carnal e ofereceu seu corpo a Deus como oferta pacífica para apagar todos os pecados do homem. A oferta pacífica era um sacrifício que restaurava uma relação que havia sido rompida com Deus. E para que um pecador se achegasse a ele, primeiro era preciso oferecer um sacrifício para remir seus pecados. Em outras palavras, para jogar por terra a barreira do pecado que o impedia de ter comunhão com Deus, ele tinha que oferecer um cordeiro ou bode sem defeito a Deus como oferta de sacrifício, impor as mãos sobre sua cabeça, derramar seu sangue e oferecê-lo a Deus – só assim ele se reconciliava com Deus. O homem pode estar perto de Deus por causa dos seus pecados. Mas se ele buscar a Deus com um sacrifício, sua paz com ele será restaurada. Então, quando um pecador passa seus pecados para sacrifício impondo as mãos sobre sua cabeça, imola este animal, o corta em pedaços, tira a gordura de suas entranhas e oferece sua carne e sua gordura a Deus queimando-as no altar de ofertas queimadas, Deus aceita este sacrifício com alegria. Portanto, a gordura é um elemento indispensável para se oferecer um sacrifício correto.
O homem pode ter comunhão com Deus e receber seu amor oferecendo um sacrifício pacífico. E este sacrifício pacífico é o próprio Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador. Ao aceitar todas as falhas e pecados sobre seu corpo, ao receber a imposição de mãos de João Batista e morrer por nós, Jesus nos reconciliou com Deus. Hoje, todos que creem em Jesus se tornaram a perfeita oferta pacífica e podem ter comunhão com Deus, além de ter seu cuidado, sua ajuda, seu amor e suas bênçãos em sua vida.
Está escrito em Levítico 4:31: “E tirará toda a gordura, como se tira a gordura do sacrifício pacífico; e o sacerdote a queimará sobre o altar por cheiro suave ao SENHOR; e o sacerdote fará propiciação por ela, e lhe será perdoado o pecado”. Era assim que o povo de Israel oferecia sacrifício a Deus no Antigo Testamento. Em outras palavras, sempre que eles ofereciam uma oferta pelo pecado ou uma oferta pacífica, ele cortavam o abdômen do cordeiro ou do bode, tiravam a gordura ao redor dos seus rins, as suas entranhas, o seu fígado, colocavam a gordura no altar de ofertas queimadas com os pedaços da carne e ofereciam-nos a Deus queimando-os. Deus lhes disse para oferecer não somente a carne do cordeiro ou do bode, mas sua gordura também.
 
 
Jesus Cristo se tornou a Oferta Pacífica que Apagou todos os Pecados do Mundo
 
Jesus Cristo, que veio como a verdadeira substância do sacrifício do Antigo Testamento, se tornou sumo sacerdote de toda a humanidade ao levar sobre seu corpo nossos pecados e oferecê-los a Deus como oferta pacífica. Assim, ele preparou tudo para que pudéssemos estar na presença de Deus. E este Jesus que apagou nossos pecados por nós é a própria oferta pacífica. Ele é a oferta pacífica que restaurou nossa relação com Deus.
Jesus Cristo é o próprio Deus. A segunda Pessoa de Deus, o Filho, que é o Espírito divino, veio a essa terra encarnado como homem e ofereceu seu corpo a Deus como oferta pacífica por toda a humanidade. E como ele ofereceu tanto a carne como a gordura a Deus – ou seja, já que ele, o próprio Deus, foi batizado e condenado na cruz – quando morreu, nossos pecados puderam ser todos apagados. Agora, quando levamos uma oferta de fé para Deus em Jesus Cristo, nós podemos ter comunhão com Deus sem nada para nos impedir.
O apóstolo João testificou que Jesus é o verdadeiro Deus que veio pela água e pelo sangue. E ele também disse que a água, o sangue e o Espírito testificam que Jesus veio como oferta pacífica (1 João 5:6-8). Um animal não podia ter defeito para ser uma oferta pacífica aceitável. Segundo, ele tinha que receber a imposição de mãos e ter seu sangue derramado. Terceiro, sua carne e sua gordura tinham que ser queimadas no altar de ofertas queimadas. E só era possível receber a remissão de pecados e se reconciliar com Deus quando estas exigências eram totalmente cumpridas.
Do que a água testifica então? A água testifica do batismo que Jesus recebeu. Em outras palavras, significa que Jesus recebeu todos os pecados do homem ao ser batizado na forma de imposição de mãos por João Batista, o representante da humanidade.
Do que a sangue testifica então? Ela testifica do Senhor, que levou sobre si nossos pecados, derramou seu sangue na cruz, e assim acabou com toda a punição do pecado. Por fim, do que o Espírito testifica? Ele testifica que Jesus é o próprio Deus. E ele dá testemunho disso porque Deus veio a essa terra num corpo carnal e se tornou nossa propiciação sem defeito e perfeita. Portanto, o fato de Abel ter sacrificado a Deus dos primogênitos das suas ovelhas e sua gordura significa que ele tinha a mesma fé que o apóstolo João, que cria no testemunho da água, do sangue e do Espírito.
Muitos hoje dizem que todos que creem em Jesus serão salvos. Só que a maioria dos cristãos só aspergem o sangue do Cordeiro, ao invés de oferecer sua carne e sua gordura. É por isso que eles não foram reconciliados com Deus, embora creiam em Jesus. Podemos ver então sua triste realidade, impossibilitados de se achegarem a Deus por medo dos seus pecados. Mas por que eles ainda têm pecado no coração? Porque não oferecem a carne e a gordura ao Senhor Jesus e não o conhecem corretamente, embora creiam nele. Mesmo que alguém oferecesse mil cordeiros ao Senhor, ele os aceitaria? Tudo no universo pertence ao Senhor.
Muitos cristãos não oferecem a gordura do Cordeiro e sua carne. E embora saibam muito bem que Jesus carregou a cruz e sobre ela morreu, e por acreditar nisso também, eles foram mesmo remidos dos seus pecados? Melhor dizendo, Apesar de reconhecerem o sofrimento de Jesus ao levar a cruz e dizerem: “Como Jesus deve ter sofrido naquela cruz! Como deve ter sido doloroso e vergonhoso tudo aquilo!”, eles podem ser salvos crendo apenas no sangue da cruz.
Nós só podemos ser salvos quando cremos na justiça de Jesus Cristo. E já que a Bíblia diz que “Jesus levou sobre si todos os nossos pecados de uma vez por todas e se tornou nossa oferta de sacrifício, e que Deus o enviou como oferta pacífica para apagar todos os nossos pecados”, temos que crer nisso então. Nós somos salvos crendo na verdade de que Jesus Cristo levou sobre si todas as nossas maldições e pecados humilhantes pegando o preço por todos eles ao morrer na cruz. Mas se alguém pensar nisso apenas pelo lado humano e disser: “Como isso deve ter sido doloroso para ele!”, ele estará oferecendo um sacrifício a Deus somente pela emoção – ou seja, ele estará sacrificando com sua própria carne.
Quando Abel ofereceu dos primogênitos das suas ovelhas e sua gordura, Deus aceitou sua oferta com alegria, embora tenha rejeitado a oferta de Caim. Não havia sangue nem gordura na oferta de Caim. Embora uma planta também tenha vida, ela não tem sangue, e é o sangue que redime o pecado das pessoas. E é quando oferecemos em sacrifício a carne de um animal sem defeito com sua gordura que somos libertos do pecado. Jesus só pode ser nossa oferta pacífica se ele apagar todos os nossos pecados. Se dermos uma oferta com defeito, ela não será aceita.
Você tem ideia de quantas falhas e pecados o homem possui? É por isso que Deus não aceita nada que vem dele. E foi por esta razão também que ele enviou seu Filho sem pecado como propiciação para jogar por terra a barreira que nos separava de Deus. E ao passar todos os nossos pecados para o seu Filho pela imposição de mãos de João Batista e oferecê-lo como nossa oferta pacífica, Deus apagou todos eles. Como a segunda Pessoa da Trindade, o Filho veio a essa terra, levou sobre si nossos pecados ao ser batizado e foi condenado à cruz por nós. É por isso que agora fomos totalmente reconciliados com Deus.
Vamos voltar nossa atenção agora para o Antigo e o Novo Testamento e analisar a perfeita oferta pacífica oferecida a Deus.
 
 

O Sistema Sacrificial do Antigo Testamento

 
Vamos ler Levítico 4:27-31: “E, se qualquer outra pessoa do povo da terra pecar por erro, fazendo contra algum dos mandamentos do SENHOR aquilo que se não deve fazer e assim for culpada; ou se o seu pecado, no qual pecou, lhe for notificado, então, trará por sua oferta uma cabra fêmea sem mancha, pelo seu pecado que pecou. E porá a sua mão sobre a cabeça da oferta pela expiação do pecado e a degolará no lugar do holocausto. Depois, o sacerdote com o seu dedo tomará do seu sangue e o porá sobre as pontas do altar do holocausto; e todo o resto do seu sangue derramará à base do altar. E tirará toda a gordura, como se tira a gordura do sacrifício pacífico; e o sacerdote a queimará sobre o altar por cheiro suave ao SENHOR; e o sacerdote fará propiciação por ela, e lhe será perdoado o pecado”.
Quando o povo de Israel sabia que havia pecado, eles ofereciam um sacrifício de expiação; e este sacrifício era oferecido diariamente. Embora houvesse vários tipos de ofertas no sistema sacrificial, podemos saber tudo sobre ele apenas vendo os sacrifícios que as pessoas comuns ofereciam.
Antes de construir o Tabernáculo, Deus deu a lei ao povo de Israel. E ao levá-los a ter conhecimento do seu pecado através da lei, ele fez com que eles recebessem a remissão de pecados oferecendo sacrifício no altar de ofertas queimadas que ficava no Tabernáculo, segundo seus estatutos. Em outras palavras, Deus nos deu a lei não para que a guardemos, mas para que através dela tivéssemos conhecimento do nosso pecado (Romanos 3:20). Ao nos dar a lei, nós que somos descendentes de Adão que nascemos com uma natureza pecaminosa e não temos como evitar o pecado ao longo da nossa vida, Deus fez com que entendêssemos o quanto somos pecadores corrompidos.
Depois de fazer entender os nossos pecados através da lei então, Deus nos deu o Tabernáculo. Ele deu o sistema sacrificial para que todos recebessem a remissão de pecados e fossem abençoados oferecendo sacrifício no Tabernáculo. E a lei ainda está viva. Até hoje ela continua apontando o pecado das pessoas.
A lei é a coleção dos estatutos de Deus que especifica o que devemos ou não fazer. Há 613 estatutos na lei de Deus. E todos estes estatutos são santos, justos e bons (Romanos 7:12). Mas como somos maus, acabamos violando a lei mesmo sem querer ao longo de nossa vida, pecando ainda mais assim. É claro que às vezes pecamos porque queremos, mas geralmente pecados sem querer.
Deus diz em Levítico capítulo quatro que se alguém pecasse sem querer, mas reconhecesse que cometeu um pecado, ele tinha que levar um novilho sem mancha como oferta, impor as mãos sobre a cabeça desta oferta pelo pecado, e derramar seu sangue imolando-a onde se oferecia as ofertas queimadas. Aí ele o entregava ao sacerdote. O sacerdote então passava seu sangue nas pontas do altar de ofertas queimadas, derramava o resto do sangue no chão, e oferecia toda a sua gordura a Deus queimando-a no altar. Assim o pecador recebia a remissão de pecados de Deus. Esta é a graça de Deus.
O animal do sacrifício morria pelo pecador. Ele recebia as iniquidades do pecador pela imposição de mãos sobre sua cabeça e morria pelos seus pecados. Imposição de mãos quer dizer: “passar ou transferir”. Portanto, o pecado era transferido quando havia a imposição de mãos sobre o animal do sacrifício.
Por outro lado, se um endemoninhado impor as mãos sobre você, o demônio que está nele passará para você. Entre os avivalistas da Coreia, há um pastor chamado Choseok Lee. Outro dia eu vi um vídeo de um culto de avivamento em que ele falava uma língua impura enquanto impunha as mãos sobre a cabeça das pessoas. Então as pessoas que recebiam a imposição de mãos de Choseok falavam a mesma língua que ele. Quando um endemoninhado impõe as mãos sobre alguém falando em línguas, este também fala em línguas. Isso significa que o que estava com demônio antes o passa para o outro. Há muitos endemoninhados hoje que falam em línguas. Eles falam em línguas sem saber o que estão falando. Então, se você ouvir atentamente o que eles estão realmente falando, você verá que eles na verdade estão blasfemando de Deus. É algo nojento de se ver.
Ontem eu conversei com uma irmã que está fazendo um treinamento numa escola de missões de uma denominação. E quando eu perguntei a ela: “Por que Jesus foi batizado?”, ela respondeu: “Ele foi batizado para dar um exemplo de humildade”. Então eu perguntei a ela: “Onde é que isso está escrito na Bíblia?” E ela me disse que embora não soubesse exatamente onde a Bíblia diz isso, e como ela aprendeu com muitos pastores que Jesus foi batizado por causa da sua humildade, era assim que ela cria. E ela insistiu nisso até o fim, até cada um de nós seguir seu caminho. Amados irmãos, embora ela tenha insistido naquilo que cria, está nitidamente escrito na Bíblia que Jesus foi batizado para cumprir “toda a justiça” (Mateus 3:15).
Levítico 1:1-4 diz assim: “E chamou o SENHOR a Moisés e falou com ele da tenda da congregação, dizendo: Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando algum de vós oferecer oferta ao SENHOR, oferecereis as vossas ofertas de gado, de vacas e de ovelhas. Se a sua oferta for holocausto de gado, oferecerá macho sem mancha; à porta da tenda da congregação a oferecerá, de sua própria vontade, perante o SENHOR. E porá a sua mão sobre a cabeça do holocausto, para que seja aceito por ele, para a sua expiação’”. Amados irmãos, Deus está dizendo que não há como buscá-lo para oferecer sacrifício sem a “imposição de mãos”. E esta “imposição de mãos” do Antigo Testamento foi uma figura do batismo que Jesus recebeu de João Batista.
Entre todos os filhos de Jacó, um se chamava Levi. O nome Levi significa “unir”. No livro de Levítico encontramos os estatutos do sistema sacrificial, onde os sacerdotes da tribo de Levi levavam o povo de Israel a ter comunhão com Deus novamente oferecendo por eles sacrifícios de expiação. Melhor dizendo, ele ensina de modo bem claro e direto como era possível voltar a ter comunhão com Deus oferecendo sacrifício.
Mas havia algumas exigências de Deus para se oferecer estes sacrifícios. Em primeiro lugar, para que um sacrifício fosse aceito por Deus, o animal não podia ter defeito, e, segundo, o pecador tinha que passar seus pecados para ele impondo as mãos sobre sua cabeça. Só assim Deus o aceitava com alegria. Em outras palavras, Deus só aceitava a oferta dos israelitas quando eles passavam seus pecados para o animal do sacrifício impondo as mãos sobre ele, degolando-o e oferecendo sua carne e sua gordura a Deus; se não fosse assim, Deus não aceitaria sua oferta.
Quando o povo de Israel oferecia sacrifício no Antigo Testamento diariamente para receber a remissão de pecados, eles não podiam deixar de impor as mãos sobre a cabeça do animal do sacrifício para passar seus pecados para ele. Quando então seus pecados eram passados para ele, eles o degolavam e derramavam seu sangue. Você pode imaginar quanto sangue havia, já que o sangue de todos os animais tinha que ser derramado. E depois que todo o sangue era derramado, o sacerdote molhava seu dedo nele e o passava nas pontas do altar de ofertas queimadas, e então derramava o resto na base de altar (Levítico 4:30). O solo, ou a terra, se refere ao coração do homem. Na parábola do semeador, Jesus compara o coração do homem a terra.
O sangue do animal sacrificial era colocado nas pontas do altar de ofertas queimadas para indicar que as iniquidades do pecador eram expiadas quando ele fazia isso. Jeremias 17:1 (ARA) diz:
“O pecado de Judá está escrito com um ponteiro de ferro
E com diamante pontiagudo,
Gravado na tábua do seu coração
E nas pontas dos seus altares”. As pontas do altar de ofertas queimadas se referem ao Livro do Juízo, onde estão gravados os pecados que todos cometem contra Deus. Quando alguém peca, seu pecado fica gravado na sua consciência e também no Livro do Juízo de Deus. E como estes pecados são escritos com ponteira de ferro e diamante pontiagudo, todos eles são descritos em detalhes e, por mais que o homem queira, ele não consegue apagá-los. O pecado não pode ser expiado com a vida. Melhor dizendo, o salário do pecado é a morte (Romanos 6:23).
Por isso que Deus criou a lei da salvação pela expiação. Em outras palavras, o pecador tinha que morrer e ser condenado, mas Deus preparou a oferta de sacrifício para receber seus pecados e morrer em seu lugar. Isso significa que o sangue, o preço pela vida, era oferecido a Deus. Já que o salário do pecado é a morte, ele só podia ser expiado com sangue – ou seja, com a vida. Então, quando Deus via o sangue nas pontas do altar de ofertas queimadas e ele sendo derramado na sua base, ele o aceitava: “O salário do seu pecado já foi totalmente pago”. Assim era o sacrifício diário do povo de Israel.
Quando alguém pecava, seu pecado ficava gravado em seu coração. Até se alguém pecasse sem querer, ainda assim Deus o gravava na tábua do seu coração. E mesmo que ele se esquecesse deste pecado, ele ficava gravado no seu coração e não podia ser apagado. Por isso que sempre que um pecador orava, ele acabava confessando: “Senhor, perdoe meus pecados”. Se houver pecado no nosso coração, nossa consciência só será purificada quando o salário por ele for pago. E se não pagarmos o salário, não conseguiremos suportar a dor gerada pela nossa consciência. Deste modo, o sangue do animal do sacrifício derramado no solo no sistema sacrificial do Antigo Testamento significa que a consciência foi purificada, e entendemos que “embora nossos pecados estivessem gravados na tábua do nosso coração, minha oferta de sacrifício morreu em meu lugar e pagou o salário pelos meus pecados”.
O animal sacrificial não tinha pecado. Por isso que ele podia levar sobre si os pecados do homem. Animais não têm pecado. E como também não estão sob a lei, nenhum pecado podia ser imputado a eles. Só o homem conhece o pecado. Então, quando ele olhava para o sangue derramado do animal do sacrifício, ele pensava: “Era eu que tinha que morrer, mas este animal está morrendo em meu lugar”. Assim, os que passavam seus pecados para o animal do sacrifício impondo as mãos sobre sua cabeça voltavam para casa com o coração purificado dos seus pecados.
Depois disso, o sacerdote cortava o animal em pedaços, colocava os pedaços de carne e a gordura no altar de ofertas queimadas, e as queimava como oferta a Deus. E Deus então aceitava este sacrifício. Condenar o animal no lugar do pecador e queimar suas partes era um aroma suave para Deus. Todos que cometessem pecado naturalmente tinham que morrer, mas como Deus ama o homem, ele permitia que os pecadores do Antigo Testamento sacrificassem um animal e recebessem a remissão de pecados através do sistema sacrificial, e assim os reconciliava consigo e os permitia entrar no reino dos céus. Era assim que as pessoas do Antigo Testamento tinham acesso a Deus.
Era assim que o povo de Israel nos dias do Antigo Testamento recebia a remissão de pecados. Só que todo mundo peca até hoje. Quando alguém nos magoa, ficamos irados com esta pessoa e a amaldiçoamos na mesma hora. E os israelitas do Antigo Testamento não eram diferentes; eles recebiam a remissão de pecados num dia, mas no outro voltavam a pecar novamente. Então, eles tinham que oferecer outro animal para o sacrifício e impor as mãos sobre sua cabeça. O sacerdote então degolava o animal, passava seu sangue nas pontas do altar de ofertas queimadas, derrama o resto do sangue no chão, cortava-o em pedaços, jogava fora os restos, tirava a gordura e a queimava no altar de ofertas queimadas.
Estes sacrifícios tinham que ser oferecidos várias vezes todos os dias. Você pode imaginar então como isso era cansativo. Eram necessários inúmeros bezerros, ovelhas e bodes para estes sacrifícios. Isso significa então que o povo de Israel criava seus rebanhos não somente para comer, mas para oferecer sacrifício a fim de receber a remissão de pecados. Por isso que Deus inseriu o Dia da Expiação no sistema sacrificial para os israelitas, no qual eles passavam seus pecados anuais de uma vez, ao invés de fazer isso todos os dias, pois era muito cansativo oferecer sacrifícios diariamente e eles poderiam desistir de receber a remissão de pecados e acabar no inferno.
 
 

A Salvação Eterna Profetizada pelo Sacrifício do Dia da Expiação

 
Vamos ler Levítico 16:29-30: “E isto vos será por estatuto perpétuo: no sétimo mês, aos dez do mês, afligireis a vossa alma e nenhuma obra fareis, nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós. Porque, naquele dia, se fará expiação por vós, para purificar-vos; e sereis purificados de todos os vossos pecados, perante o SENHOR.”
Deus estipulou o décimo dia do sétimo mês como o Dia da Expiação para que o povo de Israel oferecesse sacrifício a ele, a fim de que ele remisse todos os pecados que eles haviam cometido em um ano. O povo de Israel pecava todos os dias e Deus preparou outra forma de reconciliá-los com ele e permitir que eles entrassem no seu reino, para que eles não ficassem cansados de oferecer sacrifício todos os dias e acabassem perdendo a esperança. Quando os israelitas ofereciam sacrifício no Dia da Expiação pela fé, todos os pecados que eles haviam cometido no ano anterior eram expiados de uma vez por todas.
Vamos ler Levítico 16:6-10 todos juntos agora: “Depois, Arão oferecerá o novilho da oferta pela expiação, que será para ele; e fará expiação por si e pela sua casa. Também tomará ambos os bodes e os porá perante o SENHOR à porta da tenda da congregação. E Arão lançará sortes sobre os dois bodes: uma sorte pelo SENHOR e a outra sorte pelo bode emissário. Então, Arão fará chegar o bode sobre o qual cair a sorte pelo SENHOR e o oferecerá para expiação do pecado. Mas o bode sobre que cair a sorte para ser bode emissário apresentar-se-á vivo perante o SENHOR, para fazer expiação com ele, para enviá-lo ao deserto como bode emissário”.
Arão era o chefe dos sacerdotes – ou seja, ele era o sumo sacerdote. E após preparar dois bodes, ele os sacrificava pelo povo de Israel no décimo dia do sétimo mês, o Dia da Expiação. Mas para oferecer sacrifício de expiação pelo povo, ele primeiro tinha que ser remido dos seus pecados. Então, ele sacrificava um novilho por si mesmo e pela sua casa. Depois pegava o primeiro bode, passava os pecados do povo de Israel impondo as mãos sobre sua cabeça, o degolava, derramava seu sangue e o levava ao Santo dos Santos. Dentro do Santos do Santos ficava a arca da aliança. Esta arca que era coberta com uma tampa de ouro onde havia dois querubins, e sobre ela Deus concedia sua misericórdia e remia os pecados, era chamada de propiciatório. Arão aspergia o sangue do novilho com o dedo sobre a frente do propiciatório, e depois o aspergia sete vezes diante dele (Levítico 16:11-16). E como havia campainhas de ouro atadas à orla das suas vestes, sempre que ele aspergia o sangue, o som era ouvido por todos fora do Tabernáculo (Êxodo 28:33-34).
Sangue é vida. E a vida do corpo está no sangue. Sem ele, o homem não pode viver. Os cientistas dizem que todos os órgãos e tecidos que formam o corpo humano são um mistério, mas nada é tão incrível e misterioso como o sangue; por isso que Deus disse que sem sangue o corpo não tem vida. E por mais que a ciência e a medicina modernas tenham avançado, elas dizem que não podem produzir sangue artificial. Arão aspergia o sangue do animal sacrificial como o salário pelo pecado do povo de Israel. Já que Deus disse que “a alma da carne está no sangue, pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação pela alma” (Levítico 17:11), o povo de Israel era perdoado quando o sangue do animal sacrificial era oferecido pelo sumo sacerdote através da imposição de mãos para pagar o salário pelos seus pecados.
 
 

O Significado do Sangue do Sacrifício Aspergido por Sete Vezes

 
O número sete é o número de Deus e representa a perfeição. Após criar os céus e a terra, e tudo que neles há em seis dias, Deus descansou no sétimo dia. E ele abençoou o sétimo dia e o santificou (Gênesis 2:2-3). Por isso que o sangue aspergido sete vezes sobre o propiciatório nos mostra que o povo de Israel era totalmente remido dos pecados que haviam cometido durante o ano, segunda a justa lei da expiação criada por Deus. Então, quando o povo reunido fora do Tabernáculo ouvia a campainha de ouro tocar pela sétima vez, eles ficavam em paz e pensavam: “Ufa! Todos os pecados que eu cometi no ano passado foram remidos por Deus”.
Quando Arão acabava de fazer expiação no Santo dos Santos, na Tenda da Congregação e no altar, ele levava o outro bode diante do povo de Israel, impunha as mãos sobre a cabeça desta oferta de sacrifício por eles e confessava seus pecados. “Senhor, nós pecamos contra ti, e por isso tínhamos que morrer. Mas eu agora passo todos os pecados que seu povo cometeu este ano para este bode sacrificial. Receba esta oferta e tire todos os nossos pecados”.
“Imposição de mãos” significa “passar o pecado para algo”. Para onde iam então os pecados dos israelitas quando Arão impunha as mãos sobre a cabeça do sacrifício? Eles eram passados para o bode. E isso significa que a partir dali todos os pecados do povo estavam sobre o bode. Arão então entregava o bode que levava os pecados do povo a um homem designado para soltá-lo no deserto (Levítico 16:20-22). Então o bode, levando os pecados anuais do povo de Israel, vagava no ermo do deserto até morrer. Deste modo, os israelitas recebiam a remissão de pecados a custo da vida do bode emissário. Este era o sacrifício do Dia da Expiação.
Este era o sacrifício anual oferecido pelo povo de Israel. Os israelitas eram perdoados dos seus pecados anuais uma vez por ano. No entanto, este sacrifício não oferecia a derradeira remissão de pecados. Como os israelitas, ao irem para casa após o Dia da Expiação, pecavam de novo, eles não tinham como deixar de ser pecadores. Portanto, o sacrifício do Dia da Expiação em si não podia salvá-los de um modo perfeito, pois era apenas um estatuto profético de que Deus salvaria toda a humanidade do pecado através do seu Filho unigênito Jesus Cristo.
Levítico 16:29 diz assim: “E isto vos será por estatuto perpétuo”. Em outras palavras, o ato de passar todos os pecados do povo de Israel de uma vez só para a oferta de sacrifício quando Arão impunha as mãos sobre sua cabeça era uma figura da redenção eterna. E a oferta que recebia os pecados dos israelitas e morria em seu lugar era uma figura de Jesus, que levou sobre si nossos pecados. Afinal de contas, como poderia um simples animal apagar os pecados do homem de um modo perfeito? (Hebreus 10:4). Por isso que Jesus Cristo é chamado de o Cordeiro de Deus. Isso quer dizer que apesar de Deus não ter pecado, ele levou sobre si todos os nossos pecados. Por isso que Jesus Cristo, o próprio Deus que veio a essa terra num corpo carnal, levou nossos pecados sobre seu corpo sem pecado através da imposição de mãos, morreu na cruz em nosso lugar, ressuscitou dos mortos, e tornou possível a todos receber a remissão de pecados conhecendo-o e crendo nele. Este foi o motivo de Jesus Cristo ter vindo a essa terra.
 
 

Jesus Cristo veio para nos Salvar dos Pecados do Mundo

 
Está escrito em Mateus 1:18: “Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo”. Após Maria ser desposada por José, e antes de eles viverem como marido e mulher, Jesus foi concebido em seu corpo pelo Espírito Santo, embora ela ainda fosse virgem. Quando soube que sua noiva estava grávida, José tentou romper seu compromisso com ela sem que ninguém soubesse. E ele fez isso porque se alguém soubesse que sua noiva tinha engravidado antes de se casar com ele, ela teria que morrer apedrejada. Mas como José era um homem justo, ele quis ser misericordioso e tentou romper seu compromisso sem alarde.
No entanto, um anjo apareceu a José em sonho e lhe disse: “José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo. E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de JESUS, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Mateus 1:20-21). Isso quer dizer que Jesus nasceu do corpo da virgem Maria a fim de que ele, o próprio Deus, encarnasse como um homem para salvar seu povo. Mas por que Jesus veio como homem? Ele veio em carne para salvar seu povo dos seus pecados (Mateus 1:21). Quando veio a essa terra, Jesus ajudou sua família em Nazaré, uma pequena cidade da Galileia, até que fez trinta anos e chegou a hora de salvar a humanidade.
Ao completar trinta anos, ele começou seu ministério para apagar os pecados de todo o mundo. Vamos ler Mateus 3:13-17: “Então, veio Jesus da Galiléia ter com João junto do Jordão,para ser batizado por ele. Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim? Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o permitiu. E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo’”. “Então” aqui significa quando Jesus fez trinta anos. Nesta ocasião, ele foi até João Batista, que batizava o povo no rio Jordão. Jesus pediu a João Batista que o batizasse dizendo: “Todas as pessoas neste mundo estão indo direto para o inferno por causa do pecado; elas estão sofrendo por causa dele. Eu tenho que apagar os pecados do todo mundo. Mas para isso você precisa me batizar”.
Quem é João Batista? Ele é descendente de Arão e o representante da humanidade (Lucas 1:5-13; Mateus 11:11). No sacrifício do Dia da Expiação, Arão, como representante do povo de Israel, passava todos os seus pecados anuais para o bode emissário de uma vez por todas impondo as mãos sobre sua cabeça. Do mesmo modo, João Batista, o maior de todos entre os nascidos de mulher – ou seja, como representante da humanidade – batizou Jesus na forma de imposição de mãos, e assim passou todos os pecados do homem para ele de uma vez por todas.
Jesus disse a João Batista: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça”, mas para onde foram os pecados de todo deste mundo? Eles foram passados para o corpo de Jesus. Como Jesus “então” levou sobre si nossos pecados e pagou o preço por eles, ele teve que ser condenado por causa deles na cruz.
Nossos pecados também foram passados para a cabeça de Jesus Cristo. Está escrito:
“Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões
E moído pelas nossas iniquidades;
O castigo que nos traz a paz estava sobre ele,
E, pelas suas pisaduras, fomos sarados.
Todos nós andamos desgarrados como ovelhas;
Cada um se desviava pelo seu caminho,
Mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos” (Isaías 53:5-6). Jesus foi ferido e moído porque recebeu nossos pecados. Portanto, Jesus teria morrido em vão na cruz se antes não tivesse sido batizado. Ele primeiro teve que receber nossos pecados e só depois morrer na cruz para nos dar a remissão de pecados.
Jesus Cristo é o Filho de Deus. E ele não tem nenhum pecado. Mas embora não tivesse pecado, ele levou sobre si os pecados do homem e ofereceu a si mesmo a Deus como nossa propiciação. E foi assim que ele nos salvou. Por esta razão, qualquer um só pode receber a remissão de pecados se crer em Jesus, que veio pela água e pelo Espírito. Não há nada mais fácil do que crer em Jesus.
 
 

Jesus Levou sobre Si os Pecados do Mundo ao ser Batizado e os Levou até a Cruz

 
Vamos ler João 1:29: “No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo’”. Isso aconteceu um dia após João Batista ter batizado Jesus. João Batista sabia que tinha passado todos os pecados do mundo para Jesus e que ele recebeu todos eles como o Cordeiro de Deus. Por isso que João Batista disse isso.
O batismo é feito na forma de imposição de mãos. E seu significado é o mesmo da imposição de mãos. Melhor dizendo, batismo significa “passar, transferir, purificar ou enterrar”. Isso significa então que, como todos os pecados foram passados para Jesus quando ele foi batizado, ele teve que morrer e ser enterrado”. Nossos pecados foram purificados porque foram passados para Jesus. “Imposição de mãos “também significa “passar ou transferir”. Eles têm o mesmo sentido. Está bem claro agora então para todo mundo que todos os pecados do homem nessa terra foram passados para a cabeça de Jesus quando ele foi batizado por João Batista, o representante de toda a humanidade.
Os pecados dos seus pais também foram passados para Jesus. Mas e os pecados que cometemos quando éramos bebê? Eles também foram passados para Jesus ou não? Sim, todos eles foram passados para Jesus. E todos os pecados que cometemos até os vinte anos de idade também foram passados para ele. Todos os pecados que cometemos até os trinta, sessenta anos, e para o resto da vida foram passados para Jesus quando ele foi batizado. Em outras palavras, Jesus tirou todos os pecados da geração atual quando veio a essa terra. Ele cumpriu a obra da justiça e apagou completamente os pecados de todo mundo.
Após receber sobre si todos os pecados do mundo, onde Jesus foi para levá-los? Ele foi à cruz. Ele esperou três anos para ir à cruz e disse que devíamos crer nele, pois ele é o Salvador que nos salvou do pecado. É isso que Jesus Cristo é. Ele tirou todos os nossos pecados. Ao ser batizado, Jesus tirou os pecados de todos neste mundo de uma vez por todas.
Você ainda tem pecados ou não? Embora andemos por caminhos errados e cometamos erros e pecados, nós não temos mais pecado. Por quê? Porque Jesus já levou sobre si todos os nossos pecados consigo para o céu; por isso que não temos mais pecado. Você não pode entrar no céu crendo de qualquer jeito, sem crer no batismo. Só quando você crer de todo o seu coração em Jesus Cristo, que veio pela água e pelo Espírito, é que você pode entrar no céu. Não podemos ir para o céu por causa das nossas obras, mas só se crermos de todo o coração na verdade de que todos os nossos pecados foram passados para Jesus quando ele foi batizado.
Algum tempo atrás, eu preguei o evangelho da água e do Espírito para uma senhora que teve um infarto. Esta senhora vivia sozinha e me disse: “Por toda a minha vida eu cri no budismo e não sabia que Jesus tinha tirado meus pecados ao ser batizado. Mas agora eu sei, muito obrigada”. Ela então creu em Jesus. Ela estava muito ansiosa e preocupada, pensando em quem cuidaria do seu funeral quando sua hora chegasse. Mas seu rosto mudou depois que ela recebeu a remissão de pecados. E ela disse: “Agora eu vou para o céu; eu não tenho mais medo da morte”. Duas vezes por semana separamos um tempo para visitá-la e fazer um culto com ela, e toda vez que vamos vê-la, ela esperava por nós fora de casa. Apesar de não nunca ter lido a Bíblia ao longo de toda a sua vida nem conhecido a Deus, aquela senhora creu que Jesus Cristo a amou e levou seu pecado dois mil anos atrás ao ser batizado. Assim ela foi salva pela fé, apesar de não ter feito mais nada além de crer.
Meus amados irmãos, Jesus Cristo é o Cordeiro de Deus que tirou o pecado do mundo. Ainda resta algum pecado neste mundo? Não, nenhum. Até os pecados que o homem cometerá no futuro já foram tirados por Jesus. Por ter nos amado, Jesus levou sobre si nossos pecados; e ele já levou até os pecados que cometeremos no futuro. Hitler tinha pecado? Não, não tinha. Só que por não saber que Jesus Cristo havia tirado todos os seus pecados ao ser batizado, ele foi para o inferno. As pessoas vão para o inferno porque não sabem disso.
Para ser bem sincero, a maioria das pessoas não crê em Jesus simplesmente porque não o conhecem. Alguns não creem até quando são ensinados, e por isso acabam indo para o inferno. Nós, por outro lado, iremos para o céu, pois cremos em Jesus como nosso verdadeiro Salvador. Então, são os que creem que Jesus que Deus reputa por justiça. E seu coração não tem pecado porque eles creem em Cristo. É por isso que eles são chamados de justos. Por não terem pecado, eles são chamados de justos; e por não terem pecado, eles são puros. Deus não os considera justos porque eles não pecam, mas eles são justos porque ele já tirou todos os seus pecados.
Vamos ler João 19:30: “E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito”. Após levar sobre si todos os pecados do mundo, Jesus Cristo derramou seu sangue ao ser crucificado. Sangue é vida. Éramos nós que tínhamos que derramar nosso sangue e morrer, mas já que Jesus levou sobre si nossos pecados, ele foi crucificado em nosso lugar para derramar seu sangue e entregar sua vida por nós. E antes de morrer, ele disse: “Está consumado!” Em outras palavras, Jesus completou a obra de apagar os pecados de todo mundo. Você crê que já foi remido de todos os seus pecados? Jesus livrou os que nele creem das mãos do diabo e permitiu que eles vivessem para sempre no reino de Deus.
Vamos ler juntos Hebreus 10:10: “Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez”. Se crermos na obra da justiça que o Senhor realizou, seremos santificados de uma vez por todas. Nós não somos santificados todos os dias. Não somos santificados nos arrependendo diariamente nem clamando ou sofrendo, mas crendo. A verdade absoluta é que Jesus tirou todos os nossos pecados ao ser batizado. Seu batismo é a certeza de que todos os nossos pecados foram passados para ele. É nisso que temos que crer. Você crê que todos os seus pecados foram passados para Jesus quando João Batista o batizou?
Você tem que confessar com seus lábios o que crê com o coração. Romanos 10:10 diz: “Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação”. Se você crê no evangelho da água e do Espírito, você é filho de Deus e entrará no céu. Amados irmãos, vocês têm pecado ou não? Vocês não têm pecado. Apesar de sermos tão fracos que ainda pecaremos no futuro, Jesus já levou até estes pecados.
Isso significa então que estamos livres para pecar como quisermos? Não, nós pecamos só porque somos fracos demais, embora lutamos para não fazer isso; quem dentre nós, afinal de contas, peca por querer? Quem, usando roupas limpas, ia querer pular num brejo sujo? Alguém em farrapos poderia até dormir num depósito de lixo, mas ninguém usando roupas em sã consciência ia querer dormir em meio ao lixo. Em outras palavras, os justos não devem cometer atos impuros sem pensar. Aqueles que não nasceram de novo podem até fazer isso, e até mesmo os que receberam a remissão de pecados podem ser tentados, mas o Espírito Santo guia nosso coração para não vivermos dissolutamente.
A Bíblia diz: “Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez”. É crendo no batismo de Jesus e passando os pecados da nossa vida inteira para ele de uma vez por todas que recebemos a remissão dos nossos pecados. Vamos ler agora Hebreus 10:11-14: “Todo sacerdote judeu cumpre todos os dias os seus deveres religiosos e oferece muitas vezes os mesmos sacrifícios, mas estes nunca poderão tirar pecados. Porém Jesus Cristo ofereceu só um sacrifício para tirar pecados, uma oferta que vale para sempre, e depois sentou-se do lado direito de Deus. Ali Jesus está esperando até que Deus ponha os seus inimigos como estrado debaixo dos pés dele. Assim, com um sacrifício só, ele aperfeiçoou para sempre os que são purificados do pecado”. Esse texto descreve o sacrifício que Jesus ofereceu com seu próprio corpo como “uma oferta que vale para sempre”.
Não sabemos quantos anos ainda temos pela frente, mas sabemos que o fim deste mundo logo vai chegar. Deus prometeu que faria novos céus e nova terra, e nos levaria para viver lá. Ele acabou com todos os pecados do universo, foi condenado por eles ao morrer na cruz, ressuscitou dos mortos, e agora está assentado à destra do trono do Pai até o dia em que julgará seus inimigos. E seus inimigos não são outros senão os que não creem nele e que Jesus tirou todos os seus pecados. Todos que não creem em Jesus Cristo e dizem que ele não tirou todos os seus pecados são inimigos de Deus. São estes que rejeitam o amor de Deus. E o Senhor certamente esmagará todas estas pessoas.
Mas, por outro lado, Deus aprova os que creem que o Senhor apagou todos os pecados do mundo com seu batismo e seu sangue e lhes diz: “Vocês creem que eu os salvei com a obra que fiz. Vocês são preciosos para mim”. No entanto, Deus fará de estrado para seus pés os que dizem que ele só apagou o pecado original, e não nossos pecados pessoais. O que Deus fará a estas pessoas ingratas que merecem ser destruídas? Ele pisará para sempre nelas, dia após dia. Já que Jesus tirou todas as nossas ofensas ao ser batizado por João Batista, se não crermos no que Deus fez por nós seremos seus inimigos.
A Bíblia diz que Jesus é o Cordeiro de Deus que tirou o pecado do mundo. Deus não é tão mal e tolo para apagar alguns pecados aqui e ali quando alguém faz orações de arrependimento, mas apagou todos os pecados do mundo de uma vez por todas. Vocês creem nisso, amados irmãos? Este é o nosso Deus. Ele é o Deus de amor.
Hebreus 10:14 diz: “Porque, com uma só oblação, aperfeiçoou para sempre os que são santificados”. O texto diz aqui que Jesus nos aperfeiçoaria? Ou diz que ele nos aperfeiçoou? Diz que ele nos aperfeiçoou. Diz que Jesus aperfeiçoou para sempre os que creem que ele já apagou todos os seus pecados e já receberam a remissão de pecados de uma vez por todas, inclusive os que cometeremos no futuro. Ele aperfeiçoou os que creem nele para toda a eternidade.
Vamos continuar e ler agora Hebreus 10:15-18: “E também o Espírito Santo no-lo testifica, porque, depois de haver dito: Este é o concerto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos, acrescenta: E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades. Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado”.
Na frase, “onde há remissão destes”, “destes” se refere ao “pecado”. Em outras palavras, significa que Deus remiu todos os nossos pecados. Significa que Jesus reuniu todos os pecados que já cometemos no passado, os que cometemos agora e os que cometeremos no futuro; que ele levou sobre si todos estes pecados; e que ele foi condenado por todos eles. Vocês creem nisso? Se creem, isso quer dizer então que ainda há uma oferta pelo pecado ou não há mais nenhum oferta pelo pecado? Deus disse: “Não há mais oblação pelo pecado”.
Devido à abundante graça de Deus, devemos sempre nos regozijar e ser gratos a ele. Nosso Deus fez com que fôssemos sempre gratos a ele e o louvássemos assim: “Obrigado, Senhor, por teres tirado todos os meus pecados, por mais que eu seja um homem miserável”. Este é Jesus Cristo.
Alguém pode fazer orações de arrependimento para apagar suas falhas? Não, isso é impossível. Alguém pode fazer orações de arrependimento por cada pecado que comete, já que não consegue lembrar de todos eles com o passar do tempo? Só que Jesus apagou todos os nossos pecados de uma vez por todas com seu batismo e seu próprio sangue. É por isso que Hebreus 9:12 diz que “nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção”. É assim que podemos entrar no reino de Deus com ele. Jesus Cristo apagou todos os nossos pecados.
 
 

Deus nos deu a Perfeita Remissão de Pecados para que Não Tivéssemos Mais Nenhum Pecado

 
Hebreus 10:16 diz: “Este é o concerto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos”. Vamos ver se a lei de Deus está escrita em nosso coração ou em nossa mente. A lei de Deus é a lei do amor. E é a lei do amor de Deus que nos leva a entender nossos pecados através dela mesma e a receber a vida eterna crendo em Jesus Cristo. Você crê que Jesus tirou todos os nossos pecados? Nosso coração está livre do pecado agora? Se está, a lei do amor de Deus está escrita em nosso coração. E quando nós que cremos no evangelho da água é do Espírito pensamos nisso de modo racional, temos a prova de que não há mais pecado no mundo e que todos eles sumiram. Isso porque a lei do amor de Deus está escrita em nosso coração. E nós podemos entender isso porque o Espírito Santo habita em nosso coração.
Nós agora somos justos ou ainda somos pecadores? Nós somos justos. Noé plantou um vinha, ficou bêbado e depois adormeceu nu. Isso quer dizer que até Noé tinha falhas. Mas apesar disso, Deus disse que Noé era justo (Gênesis 6:9). Até os justos cometem erros, mas já que Jesus tirou até estes pecados e os expiou também, ainda assim somos justos. Nós não somos justos por causa das nossas boas obras, mas por causa da nossa fé. E só os justos podem entrar no céu; os pecadores não podem ir para lá.
Hebreus 10:18 diz: “Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado”. Como esse texto traz um refrigério maravilhoso ao nosso coração! Isso significa que os que receberam a remissão de pecados não precisam mais implorar a Deus em lágrimas: “Me perdoe pelos meus pecados, por favor”. Nós recebemos a remissão de pecados pela fé. Nós somos os justos que não têm mais nenhum pecado sequer em nosso coração. Nós somos os santos de Deus.
Quando recebemos a remissão de pecados em nosso coração, o Espírito Santo vem sobre nós como um dom de Deus. Não há uma fórmula especial para se receber o Espírito Santo. Está escrito em Atos 2:38: “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo’”. Você acha que o verbo “se arrepender” aqui significa que você deve fazer orações de arrependimento? Não. O verdadeiro arrependimento é deixar os falsos ensinamentos que há hoje em dia, e tomar a decisão de crer em Jesus Cristo, que veio pela água e pelo sangue, e dizer: “Jesus Cristo recebeu todos os meus pecados ao ser batizado e foi condenado na cruz em meu lugar. É por isso que eu não tenho mais pecado”. O verdadeiro arrependimento é compreender e crer nisso.
É por isso que Atos 3:19 diz: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor”. Se você crê que todos os seus pecados foram passados para Jesus quando ele foi batizado, que todo o salário por eles foi pago quando ele derramou seu sangue e morreu na cruz, você com toda a certeza já recebeu a remissão dos seus pecados. E você também já recebeu o dom do Espírito Santo. Todos que foram remidos dos seus pecados e agora são justos recebem o Espírito Santo como um dom em seu coração.
O Espírito Santo é, assim como o nome diz, Santo. Então, ele só entra no coração de quem não tem pecado. Seu coração está sem pecado? Se está, o Espírito Santo já entrou nele. É assim que o Espírito Santo vem sobre nós. Ele não entra no nosso coração só porque fazemos de tudo para recebê-lo. O Espírito Santo vem sobre nós só porque o invocamos, como se chamássemos o nome de alguém? Não, claro que não. Quando cremos na obra que Jesus Cristo realizou é que o Espírito Santo entra no nosso coração e nos aprova dizendo: “Sua fé está correta. Eu estarei com você até o fim dos tempos”.
O Senhor é o nosso Salvador. Ele nos salvou a todos. E eu sou muito grato a ele por isso. Aleluia.