Sermões

Assunto 16: O Evangelho Segundo JOÃO

[Capítulo 18-1] (João 18:1-14) Não Viva Como Judas

(João 18:1-14)
“Tendo Jesus dito isso, saiu com os seus discípulos para além do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto, no qual ele entrou com os seus discípulos. E Judas, que o traía, também conhecia aquele lugar, porque Jesus muitas vezes se ajuntava ali com os seus discípulos. Tendo, pois, Judas recebido a coorte e oficiais dos principais sacerdotes e fariseus, veio para ali com lanternas, e archotes, e armas. Sabendo, pois, Jesus todas as coisas que sobre ele haviam de vir, adiantou-se e disse-lhes: A quem buscais? Responderam-lhe: A Jesus, o Nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, estava também com eles. Quando, pois, lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra. Tornou-lhes, pois, a perguntar: A quem buscais? E eles disseram: A Jesus, o Nazareno. Jesus respondeu: Já vos disse que sou eu; se, pois me buscais a mim, deixai ir estes, para se cumprir a palavra que tinha dito: Dos que me deste nenhum deles perdi. Então, Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco. Mas Jesus disse a Pedro: Mete a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu? Então, a coorte, e o tribuno, e os servos dos judeus prenderam a Jesus, e o manietaram, e conduziram-no primeiramente a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano. Ora, Caifás era quem tinha aconselhado aos judeus que convinha que um homem morresse pelo povo”.
 
 
Essa manhã eu cheguei de uma viagem que fiz ao nosso Centro de Treinamento de Discipulado em Inje para cuidar de alguns assuntos. Foi bom ter ido a Inje porque o clima lá estava muito agradável devido a um forte calor.
A Páscoa está chegando. E apesar de não guardarmos à risca os feriados cristãos, pois os consideramos hipócritas, os cristãos nominais os guardam rigorosa e religiosamente. Já que essa é a semana santa, a última semana da quaresma, segundo o calendário católico, eu quero meditar no texto de João 18:1-14 e falar sobre Judas Iscariotes.
 
 
Judas Foi Enganado por Satanás ao Trair Jesus?
 
Quando Jesus passou o ribeiro de Cedrom e foi ao jardim do Getsemâne com seus discípulos, ele já sabia que havia chegado a hora de morrer na cruz e voltar para o Pai. E como ele estava acostumado a ir sempre neste jardim com seus discípulos, Judas Iscariotes conhecia muito bem o lugar.
Judas era um dos doze discípulos de Jesus e responsável pela bolsa. Num termo atual, ele era o tesoureiro. No entanto, fazendo jus ao ditado que diz que a ocasião fazer o ladrão, Judas roubava dinheiro do caixa para gastar consigo mesmo. Judas era muito ganancioso, e quando soube que os principais sacerdotes, os líderes religiosos do judaísmo, queriam matar Jesus, ele os levou onde Jesus estava em troca de trinta moedas de prata. Judas traiu Jesus.
Sendo guiados por Judas, os servos dos principais sacerdotes e fariseus entraram no jardim onde Jesus estava e levaram com eles uma tropa de soldados armados com tochas, lanternas e lanças. Mas Jesus não tentou escapar deles, pois já sabia que era tempo de voltar para o Pai. Ao invés de fugir, Jesus disse a eles: “Sou eu quem vocês procuram!” Para ele, foi algo natural agir assim, já que eles não o reconheciam como Filho de Deus e só queriam matá-lo, embora ele tenha vindo a este mundo para salvá-lo. E Jesus estava determinado em seu coração e pronto para enfrentar todo o sofrimento que o aguardava. Então, quando ele disse claramente: “Sou eu quem vocês procuram!”, todos que foram prendê-lo caíram no chão, pois não puderam ficar de pé.
Embora a Bíblia não fale muito sobre este acontecimento, com toda certeza Jesus não ficou satisfeito quando foram prendê-lo. E embora já soubesse que isso iria acontecer, ele deve ter sentido uma certa raiva dos que foram prendê-lo quando disse: “Sou eu quem vocês procuram!" E se ele se sentiu assim realmente, isso foi algo muito natural, já que aqueles homens não o reconheciam como Filho de Deus e sua única intenção era matá-lo, embora ela tenha vindo para salvar o mundo. Mas, ao mesmo tempo, seu coração estava determinado e pronto para enfrentar todo o sofrimento que viria. Por isso, quando Jesus disse com veemência: "Sou eu quem vocês procuram”, aqueles foram entusiasmados prendê-lo caíram todos por terra de pavor.
Já que Jesus era o próprio Deus, ele poderia facilmente derrotar todos que foram prendê-lo, por mais que eles usassem suas espadas contra ele. Mas embora Jesus fosse mais do que capaz de fazer isso, pois era o Deus Todo-Poderoso, ele não fez uso do seu poder porque tinha vindo a este mundo para salvar o homem. Se ele usasse seu poder para tirar a vida daqueles que foram prendê-lo, ele não seria preso. Embora Jesus tenha sido atacado brutalmente pelas tropas do Império Romano, ele poderia ter derrotado todos eles facilmente.
Quando lemos Lucas 4:28-30, vemos que algumas pessoas tentaram matar Jesus depois que ele pregou a Palavra de Deus numa sinagoga. Cheios de ira, o povo o levou para fora da cidade, e quando chegaram à beira de um precipício, tentaram jogá-lo dali. Mas Jesus passou no meio deles sem que nenhum deles tivesse coragem de tocá-lo.
Por que então Jesus não escapou dos soldados que foram prendê-lo, já que ele tinha escapado dos que tentaram jogá-lo do precipício? Porque ele sabia que havia chegado a hora de voltar para o Pai. Embora Jesus tenha vivido nessa terra num corpo carnal por algum tempo, ele não era uma criatura como nós. Ele era o próprio Deus. Mas ao invés de reclamar seu direito como tal, pois ele era divino como o Pai, ele humilhou a si mesmo e assumiu a forma de servo. Para nos salvar do pecado, ele abriu mão da sua majestade, da sua glória e do seu trono para se tornar um humilde servo por algum tempo.
Quando os servos e os soldados romanos caíram no chão, Jesus perguntou novamente: “Quem vocês estão procurando?” e disse a eles que era Jesus de Nazaré. Ele então disse a eles para não ferir os discípulos que estavam com ele. Ele disse isso para não perder nenhum dos seus amados discípulos, como havia orado antes ao Pai: “Dos que me deste nenhum deles perdi” (João 18:9). Este foi o cumprimento da oração que ele havia feito pelos seus discípulos algumas horas antes: “Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse” (João 17:12). Embora Jesus soubesse que Judas o havia traído e levado os soldados para prendê-lo, e embora ele também soubesse que Pedro o trairia três vezes, ele amou seus discípulos até o fim.
Jesus não foi crucificado porque as pessoas naqueles dias tinham muito poder. Ao contrário, foi ele quem permitiu que isso acontecesse. Quando Jesus foi levado a Pilatos, ele não pôde encontrar culpa alguma nele. Pilatos tentou libertá-lo então, dizendo: “Eu tenho poder para te libertar. Então, me responda; se tu apelares a mim, eu posso muito bem te libertar”. Mas Jesus não disse nada. Pilatos tinha mesmo poder para libertar Jesus? Se Jesus não permitisse, Pilatos não poderia nem prendê-lo, quanto mais libertá-lo. Nosso Senhor só ficou calado porque tinha vindo a essa terra para fazer a obra de salvar o homem do pecado. Ele não foi condenado à morte porque não tinha poder algum. Jesus só pôde morrer na cruz porque antes havia aceitado todos os pecados do mundo ao ser batizado. E ele se tornou nosso verdadeiro Salvador quando ressuscitou dos mortos e destruiu o poder de Satanás ao cumprir toda a obra da salvação com perfeição. Foi por isso que Jesus ficou em silêncio diante de Pilatos.
Mas quando os servos dos principais sacerdotes tentaram prender Jesus, Pedro cortou a orelha de um deles chamado Malco. Do ponto de vista humano, o ato de Pedro foi algo bem compreensível. Já que seu coração era totalmente dedicado ao seu Mestre Jesus, nada mais justo do que ele tentar impedir que ele fosse preso. No entanto, Pedro agiu segundo a sua própria vontade, pois ainda não havia entendido o verdadeiro propósito de Jesus ter vindo a este mundo.
Jesus veio a este mundo para resolver o problema do pecado do homem com o evangelho da água e do Espírito. Foi por isso que ele recebeu todos os pecados do mundo quando foi batizado por João Batista. Como Pedro estava sempre ao lado de Jesus, ele ouviu várias vezes que ele morreria e ressuscitaria dos mortos. Só que ele não entendeu realmente o que isso queria dizer. Ao invés de dar lugar a um acesso de ira e tentar impedir que Jesus fosse preso, Pedro tinha que entender que havia chegado a hora do Senhor. Por essa razão, ao invés de elogiar Pedro pela sua atitude, Jesus o repreendeu dizendo: “Mete a tua espada na bainha”. Ele disse isso porque o Pai havia lhe confiado a obra da salvação, pela qual ele tiraria todos os pecados do mundo de uma vez por todas ao ser batizado por João e morrendo na cruz por eles. É por isso que Jesus tinha que beber este cálice de sofrimento.
Não podemos confundir Judas Iscariotes com o outro Judas, discípulo de Jesus que escreveu o livro de Judas. Embora Judas Iscariotes também fosse discípulo de Jesus, ele o traiu e o entregou aos principais sacerdotes. Mas isso aconteceu porque Jesus já tinha recebido todos os pecados do mundo por meio de João Batista. Foi por isso que ele morreu crucificado.
Por que então coube a Judas trair Jesus? Será que há uma razão especial para Judas ter sido usado como um instrumento tão maligno? Como é que ele pôde, sendo discípulo de Jesus, tê-lo entregado a morte certa? De todos neste mundo, por que foi justamente Judas quem fez isso? Porque ele não cria em Jesus como Filho de Deus e Salvador da humanidade, embora tenha andado ao seu lado.
Veja bem o que Judas fez. Ele levou os servos dos fariseus e principais sacerdotes para prender Jesus e entregá-lo a Pilatos. Embora Judas tivesse seguido Jesus por três anos, ele não creu que ele era o próprio Deus, nem uma vez sequer. Ele só estava interessado em chamar a atenção das pessoas com os milagres que Jesus fazia, além de estar totalmente cego pela ganância, pois era o tesoureiro.
Naqueles dias, os principais sacerdotes tinham parte com o Império Romano. Para ser bem sincero, eles eram ladrões e traidores. Isso significa que Judas se aliou aos líderes religiosos de Israel que não somente traíram seu próprio povo, mas também o extorquia junto com o Império Romano. E ele fez isso por apenas trinta moedas de prata.
Mesmo sem Judas, Jesus teria feito a mesma coisa. E já que ele tinha levado todos os pecados do mundo quando foi batizado por João Batista, ele teve que morrer crucificado. Por essa razão, mesmo que Judas não tivesse traído Jesus, havia muita gente que poderia muito bem fazer isso.
Mas por que esse papel coube a Judas, discípulo de Jesus? Eu não estou perguntando isso porque Judas era discípulo de Jesus e eu estou com pena dele, mas para explicar para todo mundo por que esse papel coube a ele. Por que foi justamente Judas quem traiu Jesus? É verdade que outros também foram culpados pela morte de Jesus, desde os principais sacerdotes aos fariseus e soldados romanos, mas coube a Judas o papel principal. Todos deveriam ser usados para um bom propósito; mas por que coube a Judas, que era justamente um discípulo de Jesus, infligir tamanho sofrimento ao Senhor para ele cumprir a obra da salvação? Vamos meditar um pouco mais sobre isso agora.
Sempre há um vilão nos filmes e séries da televisão. Mas os atores que fazem esse papel geralmente sofrem por causa do seu personagem. Houve uma época na Coreia em que os filmes anticomunistas estavam na moda, e um ator chamado Gosung Dok, já falecido, fazia o papel de um vilão, que era um soldado norte-coreano, em muitos filmes. Era um tempo em que muitos sul-coreanos ainda guardavam muito ressentimento do regime norte-coreano. As pessoas então odiavam Dok porque ele fazia o papel de um soldado norte-coreano mal, que matava civis inocentes. E como as pessoas não sabiam separar o ator do papel que era fazia, elas pensavam que Dok era um homem mal, enquanto que todos que matassem um soldado norte-coreano eram considerados heróis. É por isso que muitos atores são odiados pelas pessoas quando fazem papeis de vilão.
Por que Judas, um discípulo de Jesus, dentre todas as pessoas, teve que fazer o papel de vilão? Embora ele tenha seguido Jesus por mais de três anos, ele não entendeu que ele era o próprio Deus. Mas será que Judas não entendeu quem era Jesus porque ele era humilde e fisicamente não tinha nada demais? É pouco provável que tenha sido essa a razão, pois Judas viu o que o Senhor fez, e, portanto, tinha que reconhecer que ele era o Filho de Deus. Ele viu até Jesus ressuscitar os mortos. Existe alguém neste mundo que pode ressuscitar os mortos? Não, claro que não. Só Jesus pode ressuscitar os mortos e dar vista aos cegos.
Há um filme coreano chamado Aleluia, que é uma sátira ao cristianismo coreano. Neste filme, um charlatão finge ser um pastor e contrata mendigos para fingir que são coxos e cegos, a fim que ele possa realizar falsos milagres.
Só que os milagres que Jesus realizou, ao contrário, não foram uma farsa, mas algo real. Jesus salvou muitas almas e curou muitas pessoas enquanto estava nessa terra. Sua Palavra era a verdade. Não havia nada falso nele. Por que então Judas o traiu e ficou do lado de líderes religiosos malignos como os principais sacerdotes e filisteus? Porque ele não tinha fé que Jesus era o próprio Deus. Foi por isso que sua alma foi seduzida por Satanás e ele acabou desempenhando o pior papel do mundo.
Vamos pensar em nós agora. Vamos examinar a nós mesmos para vermos se há alguém entre nós que está sendo usado com algum propósito maligno. Para que estamos sendo usados? Já que somos seres humanos, o destino de todos nós é marcar a história de certa forma antes de partirmos, embora isso seja uma gota no oceano comparado a tudo que acontece neste mundo. Para que propósito nossa vida tem servido então? Será que estamos sendo usados para propósito malignos? Ou estamos sendo usados para uma causa justa?
Judas traiu Jesus porque não cria que ele era o Filho de Deus e seu Salvador. Ele não teria feito isso se cresse de fato no Senhor. Veja a diferença entre Pedro e Judas. Quando Jesus foi preso, Pedro puxou sua espada e cortou a orelha de Malco, um dos que tinham ido prendê-lo. E se o Senhor não tivesse impedido Pedro, ele o teria matado com toda certeza. Deste modo, Pedro arriscou sua vida para defender Jesus. Sua fé era totalmente diferente da fé de Judas, pois a fé deste era falha.
Mas e você e eu? Será que vamos trair Jesus e perseguir seus justos obreiros? Vamos pensar nisso por um momento. Se não crermos no evangelho da água e do Espírito nem em Jesus, que é o Filho de Deus e o nosso Salvador, seremos como Judas então. Se não crermos que Jesus, o Pastor da humanidade, é o nosso Salvador, não teremos outra escolha senão sermos como Judas. Em outras palavras, se não crermos de coração no evangelho da água e do Espírito e ficarmos do lado dos ímpios, acabaremos sendo usados pelo diabo.
O homem não é nada. Sua vida depende daquilo que ele crê e confia. Se você crer no que é realmente verdadeiro – isto é, no evangelho da água e do Espírito, servir a essa causa justa e segui-la até o fim, apesar das suas falhas, você será um justo então. Mas se, por outro lado, você ficar do lado dos malignos, suas obras acabarão sendo malignas também, mesmo que você não queira isso. Que tipo de gente seremos então? Que tipo de gente estamos nos tornando agora?
Vamos fazer uma análise geral da nossa vida agora? Para isso, temos que considerar quantos anos de vida nos restam; mas não é preciso calcular muito para isso. Vamos dizer que nossa expectativa de vida é de 80 anos. Pode até parecer muito tempo, mas se analisarmos bem, veremos que não é. Os anos passam tão rápido que logo que acabamos de estudar arrumamos um emprego, temos filhos e constituímos família, e logo ficamos velhos e chegamos ao fim da nossa vida. Isso é algo que ninguém pode evitar; ninguém pode parar o relógio, e todos nós um dia acabamos morrendo. A vida não é grande coisa. Já que nascemos, é inevitável envelhecermos, ficarmos doentes e morrermos. É assim que a vida de todo mundo segue seu curso natural. A vida é mesmo insignificante. Eu tenho certeza que você sabe disso, por mais que seja jovem ainda.
Eu já contei a vocês várias vezes que quando eu era jovem e acabei meus estudos, eu me questionava muito sobre como minha vida acabaria. Naquela época, eu não tinha encontrado o evangelho da água e do Espírito ainda. Por isso, a conclusão que eu cheguei é que eu já estava morto, como todos que já estavam no túmulo.
Nossa vida é insignificante, mas existe outra vida que é extraordinária e que todos nós podemos ter. Como podemos ter essa vida então? Nossa vida sem sentido se torna algo de valor inestimável quando somos salvos crendo em Jesus como nosso Salvador e no evangelho da água e do Espírito que ele nos deu. E as consequências de não crermos em Jesus como nosso Salvador são muito claras. Só que não temos que chegar ao fim da vida para descobrirmos quais são elas; ao contrário, temos que descobri-las enquanto estamos vivos, agora. Vocês podem até achar maravilhosa a vida sem Jesus, mas isso é óbvio, algo que todos podem ver.
O que acontecia comigo se eu não cresse em Jesus como meu Salvador? Eu provavelmente creria em outra religião. E eu agiria segundo a minha fé nela. O que acontecia então? Satanás seria meu guia e eu o seguiria, teria pensamentos maus e faria coisas más também. Eu com certeza teria uma vida ímpia. Todo mundo sabe disso.
Mas Judas não sabia o que estava fazendo. E na última ceia, Jesus revelou que ele seria o traidor, dizendo: “O que põe comigo a mão no prato, esse me há de trair” (Mateus 26:23). Nos dias de Jesus, as pessoas costumavam molhar o pão no vinagre antes de comê-lo. E na última ceia, Judas e Jesus fizeram isso ao mesmo tempo. Embora os doze discípulos estivessem reunidos à mesa, somente Judas molhou o pão no vinagre junto com Jesus. Foi por isso que ele disse que o que colocava a mão no prato com ele era o traidor.
É bem provável que Judas tenha tirado sua mão do prato na hora e fingido que nada tinha acontecido. Os outros discípulos não entenderam o que Jesus disse e lhe perguntaram: “Sou eu o traidor, Senhor?” Mas Judas saiba o que Jesus estava falando. O Senhor então disse para ele fazer rápido o que tinha em mente. Naquela hora, o diabo possuiu Judas totalmente e ele foi correndo aos principais sacerdotes e fariseus trair Jesus. Os principais sacerdotes lhe deram então trinta moedas de prata, e ele levou seus servos ao jardim do Getsemâne, onde Jesus estava. Ele entregou Jesus aos principais sacerdotes e ele acabou morrendo crucificado. Só depois disso Judas entendeu o que havia feito.
Vocês precisam examinar a si mesmos para ver se têm Jesus no coração. E dependendo da conclusão a que cheguem, vocês saberão de fato em quem realmente creem, se creem em Jesus como seu Salvador ou em outra coisa qualquer. Vocês saberão disso melhor do que ninguém. Ninguém pode enganar a si mesmo, pois todos sabem muito bem quem são. Todo mundo sabe no que crê e como crê, e o que fará no futuro.
 
 
Vamos Meditar na Nossa Situação Espiritual Atual
 
Já que estamos na semana santa, eu quero pedir a vocês que pensem mais na sua situação espiritual do que na paixão de Cristo. Perguntem a si mesmos se vocês não são como Judas. Há muitos que são como Judas até mesmo entre os cristãos que professam crer em Jesus. E eles sabem muito bem quem são. Então, eles precisam parar de enganar a si mesmos, voltar para ele e se entregar a ele o mais rápido possível, e com ações de graças crer que Jesus é o próprio Deus. Eles também precisam receber todas as bênçãos que Deus tem para eles. Se alguém aqui é um cristão nominal, eu o aconselho a deixar este mau caminho o mais rápido possível. Ou você gostaria de ser usado para ao mal como Judas? Eu oro para que você se arrependa e volte para os braços do Senhor.
Dependendo de quem seguimos, podemos ser usados para o bem ou para o mal. É como acontece na escola: se alguém andar com quem não presta, ele vai acabar fazendo o que não deve; mas se ele escolher bem seus amigos, ele vai se tornar uma boa pessoa. Do mesmo modo, se andarmos com pessoas boas, também seremos gente de bem, mas se andarmos com quem não presta, também não valeremos nada.
Acima de tudo, não devemos permitir que sejamos usados para intentos malignos e amaldiçoados e destruídos no fim como Judas, apesar de crermos em Jesus. Podemos impedir que isso aconteça conosco; é só não enganarmos a nós mesmos. Se você perceber que está se desviando, tudo que você tem a fazer é reconhecer isso, deixar o mau caminho e voltar para o caminho correto. Você só tem que tomar a direção certa, crer no que é certo e fazer o que é certo. Assim, você poderá se tornar uma pessoa perfeita.
Aquele que segue seus instintos não difere em nada de um animal. O livro de Judas diz que os que seguem seus próprios instintos e confiam neles são como animais irracionais (Judas 1:10). Se por acaso houver alguém como Judas entre nossos pastores, obreiros e santos aqui na Igreja, eu oro para que todos vocês se arrependam, voltem atrás, sigam Jesus e creiam nele como o Filho de Deus e seu Salvador.
De certa forma, Judas Iscariotes é digno de pena. Mateus 27:3-5 explica muito bem o que aconteceu com ele depois que ele foi usado pelo diabo: “Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo. E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar”.
Só depois que Judas traiu Jesus foi que ele percebeu que havia sido usado pelo diabo. Ele então devolveu aos principais sacerdotes as trinta moedas de prata, e eles lhe disseram que ele teria que viver com o peso da sua traição. E ao perceber que era tarde demais para mudar o que havia feito, Judas se sentiu tão culpado que acabou se suicidando.
Cometer suicídio é um grande pecado contra Deus. É por isso que o Antigo Testamento diz: “Não comereis nenhum animal morto” (Deuteronômio 14:21). Quando Judas percebeu seu erro, ele deveria ter voltado atrás e se arrependido, só que, ao invés disso, ele tentou desfazer seu erro do seu próprio jeito.
 
 
Creia em Jesus como Seu Salvador
 
Se você ainda não crê em Jesus como seu Salvador, que veio pelo evangelho da água e do Espírito, creia nele agora segundo este verdadeiro evangelho. Medite no batismo de Jesus e na sua cruz. O batismo de Jesus foi o meio pelo qual ele levou os pecados do mundo, e a cruz foi o lugar onde ele foi amaldiçoado por nós. Isso não é verdade? Por que então Jesus foi batizado e derramou seu sangue na cruz? Ao invés de pensar no sofrimento de Jesus na cruz, medite no motivo pelo qual ele teve que ser batizado e crucificado.
Jesus teve que receber todos os nossos pecados ao ser batizado por João Batista e derramar seu sangue na cruz para pegar o salário por estes pecados, salvando assim todos nós que cremos nisso. Jesus foi batizado e morreu crucificado pelos seus e os meus pecados. Já que não tínhamos como resolver o problema dos nossos pecados por nós mesmos, Jesus, que não tinha pecado, teve que se tornar nossa propiciação, ser batizado e crucificado em nosso lugar.
Se analisarmos muito bem nosso futuro, veremos que, ao longo da nossa vida, não temos como evitar o pecado. Nosso destino nada mais é do que pecarmos a vida inteira e depois sermos lançados no inferno. Mas Jesus amou muito pessoas como nós. Ele não permitiu que fôssemos lançados no inferno e nos tornou alvo do seu amor. Foi por isso que Jesus veio a essa terra num corpo carnal, levou todos os pecados do mundo ao ser batizado por João Batista e morreu na cruz por nós.
Você entende agora porque o batismo de Jesus tem tudo a ver com a cruz? Se olharmos mais a fundo para a obra da salvação que o Senhor realizou ao invés de prestarmos atenção apenas no resultado final da cruz, entenderemos que Jesus só foi crucificado porque havia levado todos os nossos pecados de uma vez por todas quando foi batizado por João Batista. Enfim, Jesus só foi batizado e morreu crucificado em nosso lugar por causa dos nossos pecados. E ao ressuscitar dos mortos, ele testificou que a nossa salvação foi realizada de modo perfeito. É assim que devemos crer no evangelho da água e do Espírito. Não devemos dar pouca importância ao batismo de Jesus, ao seu sangue na cruz e a sua ressurreição. O batismo de Jesus, seu sangue e sua ressurreição compõem uma só verdade. E essa verdade se encontra no evangelho da água e do Espírito. Sendo assim, temos que considerar bem o que essa verdade tem a ver comigo e com você.
Você tem que entender o que o batismo de Jesus, seu sangue na cruz e sua ressurreição têm a ver com você. Quando você fizer isso, você verá que todos eles são importantes para você. Você e eu também somos importantes um para o outro. Através do evangelho da água e do Espírito, todos nós nos tornamos filhos de Deus, e, por essa razão, temos que fazer sua obra juntos. Se cada um de nós fosse viver para si e não vivêssemos em comunhão depois de crermos no evangelho da água e do Espírito, seria impossível fazermos a obra de Deus e recebermos suas bênçãos. É por isso que devemos estar sempre juntos para adorarmos a Deus. Aqui, na Igreja de Deus, há os que pregam a Palavra de Deus e os que a ouvem. Mas todos nós nos reunimos para ouvir o evangelho da água e do Espírito e servir a este evangelho. Tudo neste mundo é importante. E todas as coisas estão relacionadas entre si.
Até Judas é importante para nós. Pense nisso. O exemplo de Judas nos leva a entender e aprender uma coisa – ou seja, que não devemos ser como ele. Mas se você já estiver agindo como Judas, dê um jeito então de se consertar. Sendo assim, quando você ouvir a Palavra de Deus, procure empregá-la a si mesmo, e nunca pense que ela não tem nada a ver com você. Ao contrário, aplique cada palavra à sua própria vida.
Deus é muito importante para nós. Então, vamos continuar dizendo: “Eu não tenho nada a ver com Deus”? Como Deus pode não ser importante para nós? Não foi por causa dele que nascemos nessa terra? E não foi ele também que nos salvou do pecado com o evangelho da água e do Espírito quando éramos escravos dele por termos sido enganados por Satanás?
Nós só nascermos por causa de Deus; foi por causa dele que recebemos a remissão de pecados; e foi por causa dele que também fomos livres de várias maldições. É por causa de Deus que não seremos mais lançados no inferno. Então, como pode não haver nenhuma relação entre nós e Deus? Como é que poderíamos passar o resto da nossa vida como se não houvesse nenhuma relação entre nós e Deus, quando, na verdade, o laço que temos com ele é muito importante? Nós estamos muito ligados a Deus. Todos nós temos que entender e crer nisso.
O próprio fato de Deus ter nos salvado dos pecados do mundo com o evangelho da água e do Espírito já mostra que temos uma íntima relação com ele. O próprio Deus veio a essa terra e nos salvou dos pecados do mundo, tirou todos eles ao ser batizado por João Batista, e pagou o preço por eles na cruz com sua própria vida. E quando ressuscitou dos mortos, ele completou nossa salvação. Jesus nasceu nessa terra, tirou todos os nossos pecados ao ser batizado e levou todos os pecados do mundo à cruz – tudo isso é impostíssimo para nós. Tudo isso foi feito para acabar com nossos pecados.
A traição de Judas e a prisão de Jesus, sobre os quais lemos no texto bíblico deste capítulo, são muito importantes para nós. Jesus só foi levado ao Gólgota porque recebeu todos os nossos pecados quando foi batizado por João Batista. Não há outra razão para isso. Jesus foi crucificado para apagar todos os nossos pecados e ser condenado em nosso lugar. Portanto, tudo que Jesus fez nessa terra está intimamente ligado a mim e a você.
A obra da salvação do Senhor é muito importante para todos nós que cremos, assim como para todos neste mundo. Todos precisam ouvir o evangelho da água e do Espírito através de Jesus Cristo. Eles podem até achar que o evangelho da água e do Espírito não tem importância para eles, mas no fundo ele é muito importante. Através da Palavra do evangelho da água e do Espírito, eles têm que renovar sua relação com o Senhor como seus verdadeiros discípulos e servos, não como Judas.
Se você achar que não tem nada a ver com Jesus, não ter fé nele como seu Senhor e Salvador, e acabar entregando-o à morte como Judas, você será destruído então. No fim, muitas pessoas serão lançadas no inferno. Se você agora é como Judas, eu peço a você para crer no evangelho da água e do Espírito o quanto antes para escapar das maldições de Satanás. Eu aconselho todos vocês de coração a se libertar da uma vida amaldiçoada como a de Judas. A escolha é só sua.

Aleluia!