Perguntas Frequentes sobre a Fé Cristã

Assunto 1: Nascendo de Novo da água e do Espírito

1-24. O que era o batismo para o arrependimento ministrado por João?

João Batista foi um servo de Deus que nasceu seis meses antes de Jesus, cuja vinda foi profetizada em Malaquias e que foi o último profeta do Antigo Testamento: 
“Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, a qual lhe mandei em Horebe para todo o Israel, os estatutos e os juízos. Vede, eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor. Ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos aos pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição”. (Malaquias 4:4-6).
Quando Jesus nasceu, o povo de Israel havia abandonado a promessa de Deus e adorava deuses estranhos. Eles ofereciam animais cegos e defeituosos como sacrifício, e fizeram do Templo de Deus um local de comércio. 
Jesus Cristo é profetizado na Lei de Moisés e nos Profetas. A Lei fez com que o homem conhecesse o pecado, mostrando-lhe o quanto ele era pecador. (Romanos 3:20). Não cumprir um simples mandamento da Lei de Deus é pecado.
No Antigo Testamento, um pecador que desobedecesse a qualquer estatuto da Lei trazia uma oferta pelo pecado diante do Tabernáculo, colocava as mãos sobre a sua cabeça para passar o seu pecado para ela, e a imolava para ser perdoado do seu pecado e ter comunhão com Deus. Depois, o sacerdote tomava o sangue, colocava-o nas pontas do altar de ofertas queimadas e derramava o restante ao redor do altar. 
Todavia, o povo de Israel não podia ser liberto de todos os seus pecados, apesar das suas inúmeras ofertas diárias. Foi por isso que Deus estabeleceu um estatuto perpétuo para eles, o Dia da Expiação. Era quando Deus perdoava os seus pecados anuais no décimo dia do sétimo mês. Neste dia, Arão, o Sumo Sacerdote, tomava dois bodes e lançava sorte sobre eles, uma para o Senhor e o outro como bode emissário. Ele impunha as mãos sobre a cabeça do bode escolhido para o Senhor então, a fim de lhe transferir todos os pecados anuais do povo de Israel. Arão o imolava então, pegava o seu sangue e o aspergia sete vezes no propiciatório. Quando ele acabava a expiação no Santo Lugar, ele oferecia o outro animal. Ele impunha as suas mãos sobre a cabeça desse bode que restava e confessava todos os pecados anuais de Israel, passando-os assim ao bode, e o enviava ao deserto pela mão de um homem designado para isso. Era assim que os israelitas eram redimidos de seus pecados anuais.
Entretanto, o sacrifício oferecido segundo a Lei do Antigo Testamento não podia tornar perfeito aqueles que o ofereciam ano após ano. Isso era meramente uma sombra dos bens futuros (as obras de justiça do Messias – Hebreus 10:1). O povo de Israel não esperou por Jesus Cristo, o Salvador. Ao invés disso, eles adoraram os deuses estranhos deste mundo pecaminoso, rejeitando assim as palavras dos profetas do Antigo Testamento. 
Então, Deus disse que enviaria João Batista para restaurar o coração dos israelitas, para que eles voltassem para Ele, e para preparar os seus corações para se voltarem para Jesus Cristo. Antes de João Batista batizar Jesus, ele ministrou sobre o povo de Israel o batismo para o arrependimento no deserto da Judeia. 
Seu objetivo era batizá-los com água para que eles viessem a esperar por Jesus e crer Nele. Ele ensinou que o Salvador seria batizado por ele pela imposição de mãos para tirar os pecados do mundo, e depois seria crucificado para salvá-los de todos os seus pecados. Ele disse que Jesus viria, tiraria os sacrifícios imperfeitos do passado e ofereceria um sacrifício eterno com o Seu corpo; que Ele tiraria todos os nossos pecados com o Seu batismo, assim como o povo de Israel era remido ao levar a sua oferta sem mancha, ao impor as suas mãos sobre ela e sacrificá-la segundo o sistema sacrificial do Antigo Testamento. 
Muitos israelitas confessaram os seus pecados, arrependeram-se e foram batizados por João. O ‘arrependimento’ significa ‘voltar o seu coração para o Senhor’. Eles foram a João Batista e, lembrando-se da Lei do Antigo Testamento, confessaram que eram pecadores sem esperança e que estavam fadados a pecar até morrerem. Eles também confessaram que, segundo a Lei, não poderiam entrar no Reino dos Céus com as suas boas obras e voltaram o seu coração para Jesus Cristo, que tirou todos os seus pecados de uma vez por todas e lhes abriu a porta do Reino dos Céus. 
O batismo que João Batista ministrou ao povo de Israel era o seguinte: ele deixava que eles confessassem o quanto eram pecadores, se arrependessem e buscassem a Jesus Cristo, que seria batizado por João Batista, que era o Sumo Sacerdote e o representante da humanidade, e seria crucificado para salvá-los de todos os seus pecados. Este é o verdadeiro arrependimento bíblico. 
Foi por isso que João declarou ao povo: “Eu vos batizo com água, para arrependimento. Mas após mim vem aquele que é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”. (Mateus 3:11). 
João Batista fez com que o povo voltasse o seu coração para Jesus, testificou que Ele tirou todos os pecados do mundo (João 1:29) e morreu como mártir. Foi por isso que o próprio Jesus deu testemunho que João viria para mostrar o caminho da justiça. (Mateus 21:32).