布道

Assunto 25: CANTARES DE SALOMÃO

[25-3] O que os crentes no evangelho da água e do Espírito significam para Deus? (Cantares de Salomão 2:1-17)

O que os crentes no evangelho da água e do Espírito significam para Deus?(Cantares de Salomão 2:1-17)
“Eu sou a rosa de Sarom,
O lírio dos vales.
Qual o lírio entre os espinhos,
Tal é meu amor entre as filhas.
Qual a macieira entre as árvores do bosque,
Tal é o meu amado entre os filhos;
Desejo muito a sua sombra, e debaixo dela me assento;
E o seu fruto é doce ao meu paladar.
Levou-me à casa do banquete,
E o seu estandarte sobre mim era o amor.
Sustentai-me com passas,
Confortai-me com maçãs,
Porque desfaleço de amor.
A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça,
E a sua mão direita me abrace.
Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém,
Pelas gazelas e cervas do campo,
Que não acordeis nem desperteis o meu amor,
Até que queira.
Esta é a voz do meu amado;
Ei-lo aí,
Que já vem saltando sobre os montes,
Pulando sobre os outeiros.
O meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do
veado;
Eis que está detrás da nossa parede,
Olhando pelas janelas,
Espreitando pelas grades.
O meu amado fala e me diz:
Levanta-te, meu amor, formosa minha,
E vem.
Porque eis que passou o inverno;
A chuva cessou, e se foi;
Aparecem as flores na terra,
O tempo de cantar chega,
E a voz da rola
Ouve-se em nossa terra.
A figueira já deu os seus figos verdes,
E as vides em flor exalam o seu aroma;
Levanta-te, meu amor, formosa minha,
E vem.
Pomba minha, que andas pelas fendas das penhas,
No oculto das ladeiras,
Mostra-me a tua face,
Faze-me ouvir a tua voz,
Porque a tua voz é doce,
E a tua face graciosa.
Apanhai-nos as raposas,
As raposinhas, que fazem mal às vinhas,
Porque as nossas vinhas estão em flor.
O meu amado é meu, e eu sou dele;
Ele apascenta o seu rebanho entre os lírios.
Até que refresque o dia,
E fujam as sombras,
Volta, amado meu;
Faze-te semelhante ao gamo
Ou ao filho dos veados sobre os montes de Beter”.
 
 

É o amor que nos une ao Senhor, pois ele é o nosso Noivo e nós, sua Noiva

 
Cantares de Salomão é um cântico de amor que declara o amor de Deus por nós. Este livro descreve a relação entre o Senhor e seus obreiros. Vemos aqui como a Sulamita era unida ao Senhor. E esta união explica muito bem como é a relação entre nós que cremos no evangelho da água e do Espírito e o Senhor. Os que fazem parte deste relacionamento declaram seu amor através de uma canção, e Cantares de Salomão é a bela forma poética que expressa este amor.
Está escrito: “Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales” (Cantares de Salomão 2:1). O que a Sulamita significa para o Senhor? Ela é o seu amor. Ela é a rosa de Sarom. E nós? O que significamos para o Senhor? Somos preciosos para ele, cheios do seu amor. A Sulamita representa cada um de nós, os justos obreiros de Deus. Ela simboliza todos os crentes no evangelho da água e do Espírito que estão fazendo a obra do Senhor. O que nós, que somos obreiros de Deus, significamos para ele? Para Deus, somos como a rosa de Sarom e o lírio dos vales.
Por fazer a obra do Senhor, a Sulamita foi muito amada por ele. E este livro é uma expressão poética que descreve a relação que temos com o Senhor. Todos nós aqui cremos no evangelho da água e do Espírito. Mas que obra estamos fazendo perante o Senhor? Estamos fazendo a obra de Deus. Jamais devemos esquecer como somos valiosos para Deus. Embora este mundo em que vivemos seja deprimente e sombrio, ainda assim podemos ter uma vida confortável, pois o Senhor está conosco.
Como está acontecendo na Europa agora, nossa economia também está à beira de um colapso. Os economistas no mundo inteiro estão temerosos que aconteça um colapso, mas Deus não permitirá que isso aconteça. A situação econômica e ambiental está muito difícil hoje em dia, mas quando a própria vida estiver em risco, as pessoas recorrerão a todos os meios para enfrentar a crise. O mundo fará tudo para resolver o problema, mas isso só vai acontecer quando o Senhor voltar. Sendo assim, por mais que este mundo esteja passando por uma crise, se estivermos servindo à justiça de Deus, não temos com o que nos preocupar.
O Senhor nos abençoará ainda mais. Mas às vezes esquecemos quem somos e quantas bênçãos temos recebido de Deus. Ficamos tão ocupados com as coisas deste mundo que não atentamos para o fato de que somos preciosos para Deus por crermos no evangelho da água e do Espírito e servirmos à sua justiça. Todos nós que somos justos somos como a rosa de Sarom e o lírio dos vales. O problema, contudo, é que os irmãos e obreiros de Deus às vezes caem em depressão apesar das maravilhosas bênçãos que recebem advindas da justiça do Senhor.
Às vezes pensamos assim: “Será que devo continuar apenas pregando a justiça do Senhor? Eu sei que todos que fazem parte da Igreja de Deus servem à sua justiça, mas será que tenho que fazer isso também? Eu não sou apenas mais uma ferramenta usada para pregar a justiça de Deus?” Mas embora pensamentos assim venham à nossa mente de vez em quando, meditamos bastante sobre isso e acabamos sendo gratos a Deus por sua justiça. Já que todos nós ainda vivemos num corpo de carne e osso, às vezes passamos por momentos de prostração espiritual. Mas o que significamos para o Senhor?
Para Deus, somos “a rosa de Sarom” e “o lírio dos vales”. Em outras palavras, não há como descrever o quanto o Deus justo nos ama. E nós, da nossa parte, também amamos a Deus e servimos à sua justiça. A fé que temos nos leva a ter um relacionamento de amor com Deus. Somos o povo especial que recebeu o amor especial de Deus. Então, sempre que nos sentirmos deprimidos, devemos reafirmar o orgulho que temos de sermos o povo amado de Deus e permanecermos firmes na nossa fé. Se nós que somos justos não tivermos um orgulho espiritual pela fé que possuímos, não conseguiremos seguir o Senhor para sempre. É pela fé que confessamos nosso amor ao Senhor, como fez a Sulamita. Portanto, no que diz respeito à nossa fé, é imprescindível sabermos quem realmente somos para Deus.
O Senhor nos ama muito. Somos o alvo especial do seu amor. E apenas quando entendemos isso é que podemos segui-lo, pois é assim que compreendemos nosso valor e a razão da nossa existência. Agora, se não conhecemos nosso valor, nossa vida de fé será vazia e chata, sem falar que não teremos fé em Jesus. Nós vivemos pela fé porque cremos no amor e na justiça do Senhor, mas se não entendermos o quanto ele nos ama, não conseguiremos manter nossa relação com ele.
É preciso haver um elo de amor na nossa relação com o Senhor, pois somente quando conhecermos este amor é que poderemos manter nossa relação com ele. Você não concorda? Um cordão de amor deve nos unir a Deus. Só assim nosso amor não cessará. O texto bíblico deste capítulo expressa bem a relação de amor que há entre nós e o Senhor. Vamos ler juntos agora Cantares de Salomão 2:2, 3: “Qual o lírio entre os espinhos, tal é meu amor entre as filhas. Qual a macieira entre as árvores do bosque, tal é o meu amado entre os filhos; desejo muito a sua sombra, e debaixo dela me assento; e o seu fruto é doce ao meu paladar”. A Sulamita era como um lírio para o Senhor, e para ela ele era como uma macieira entre as árvores do bosque.
Imagine que agradável surpresa seria se encontrássemos um pé cheio de maçãs enquanto passeássemos por um bosque. Seria delicioso fazer um lanchinho para renovar nossas forças. Talvez você não entenda isso bem, mas quem faz caminhada sabe como é bom encontrar frutas ao longo do caminho. Eu costumava andar pelos montes e caminhar na praia quando era criança. Eu subia num rochedo e dali mergulhava no mar. Mas quando penso nisso agora, vejo como eu era ousado na minha juventude, pois podia até ter morrido.
Quando a Sulamita olhou para o Senhor, ele era como uma macieira para ela. Aos seus olhos, ele era como uma macieira entre as árvores do bosque. E encontrar uma macieira no bosque é uma delícia e algo abençoador. Jesus era como uma macieira para a Sulamita. O Senhor é maravilhoso para nós como uma macieira, pois somos maravilhosos para ele como um lírio. O texto bíblico nos mostra como estamos intimamente ligados ao Senhor. Por isso que a Sulamita se deleitava sob a sombra da macieira.
 
 

O Senhor declara seu amor a Sulamita em forma de canção

 
Está escrito em Cantares de Salomão 2:4: “Levou-me à casa do banquete, e o seu estandarte sobre mim era o amor”. O relacionamento entre a Sulamita e o rei Salomão representa a relação que há entre nós que cremos no evangelho da água e do Espírito e o Senhor. A Sulamita diz aqui que Deus a levou à sala do banquete. Isso quer dizer que ele dá aos seus obreiros um sentido de posse. Mas onde é a casa do banquete para onde o Senhor levou a Sulamita? No Reino de Deus. Mas também podemos ter este banquete na Igreja de Deus.
Nós recebemos o infinito amor de Deus todos os dias em nossa vida, e é graças ao seu amor que também recebemos todas as suas bênçãos. Para nós, o Senhor é o Rei do amor. Por isso que ele construiu um reino de amor no coração de todos nós que cremos no evangelho da água e do Espírito para ali habitar conosco. É por isso que são abençoados em todas as áreas da sua vida no amor de Deus. É por causa do amor do Senhor que nos apegamos a ele. E ninguém melhor do que nós para entender do que é ser amado por Deus. O amor de Senhor por nós de fato é imenso e profundo.
Sempre que fico desanimado, eu leio Cantares de Salomão para lembrar o quanto Deus me ama. Aí então eu sou renovado espiritualmente. Assim como a Sulamita era um obreira da casa de Deus, eu e você também somos seus obreiros. E é assim que podemos ver o quanto o Senhor nos ama. O Rei do texto bíblico deste capítulo é o Senhor, e nós somos seus obreiros. Por conseguinte, somos amados pelo Rei. Através de uma relação de amor, hoje temos feito a obra junto com o Senhor e podemos ver todos os dias como somos amados por ele.
Cantares de Salomão renova as forças do nosso coração. E é por fazermos sua obra que mantemos nossa relação de amor com ele. É através da obra de Deus que seus obreiros são amados por ele, e eles, por sua vez, o amam também. O Senhor é o nosso Deus, e temos uma relação de amor com ele porque ele também é o nosso Rei. Só podemos ter um relacionamento com Deus porque ele é o nosso Rei. Portanto, Deus, que é o nosso Rei, nos ama como o rei Salomão amou a Sulamita. E ele também nos mostra como somos importantes na sua obra, como Salomão engrandeceu a Sulamita.
O relacionamento entre Salomão e a Sulamita representa a relação que nós que cremos no evangelho da água e do Espírito temos com o Senhor. O Senhor é o Pastor da Igreja de Deus, e a relação entre ele e seus obreiros nasce do amor. Cantares de Salomão também é conhecido como Cânticos de Salomão porque declara em canção o grande amor de Deus por nós.
 
 

O amor não é grosseiro

 
O Senhor jamais é grosseiro conosco. Está escrito em Cantares de Salomão 2:7: “Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, pelas gazelas e cervas do campo, que não acordeis nem desperteis o meu amor, até que queira”. O Senhor nunca nos trata com grosseria ao lidar conosco e demonstrar seu amor. Ele simplesmente diz que nos ama, e quando aceitamos seu amor, nos tornamos um só com ele. Por isso que hoje vivemos em união com o Senhor, pois o amamos.
Dizem que os homens da província de Gyungsang na Coreia são grosseiros e rudes na forma de se expressar. Aí dizem brincando que quando um homem desta região pede uma mulher em casamento ele diz: “Quer criar meus filhos?” Não há nada romântico pedir alguém em casamento assim. Na verdade, é uma forma muito tola de expressar seu amor a alguém; apesar de que, para o homem, ele apenas está sendo bem direto. O Senhor, por sua vez, jamais é grosseiro conosco. E como o amamos também, jamais somos grosseiros com ele. O verdadeiro amor é altruísta. E dizemos que nosso amor não é correspondido quando amamos alguém mas esta pessoa não nos ama. O amor não correspondido é algo trágico, pois aquele que ama não recebe amor.
O verdadeiro amor deve ser baseado na reciprocidade. E é aí que ele começa a crescer. Como é sua relação com o Senhor então? Você o ama e sabe que ele o ama também? Graças ao evangelho da água e do Espírito, temos cada vez mais a certeza de que o Senhor realmente nos ama, pois ele é o nosso Pastor. Os obreiros de Deus sabem como Deus os ama. Todos nós de alguma forma sabemos como o Senhor nos ama, mas quem não tem sensibilidade espiritual pode achar que ele o ama menos do que os outros. Alguém assim raramente entende o quanto o Senhor o ama. Por mais que ame ao Senhor, se você for assim, isso pode ser um grande problema em sua vida.
Por isso que o Senhor disse: “Não acordeis nem desperteis o meu amor, até que queira”. Uma relação de amor só pode dar certo se ambos amaremos de fato um ao outro. E o amor só cresce e é fortalecido quando ambos conhecem o coração um do outro. Enfim, se não conhecermos o amor do Senhor por nós, como poderemos amá-lo? Por isso que não havia grosseria alguma na relação de amor entre a Sulamita e o nosso Senhor.
 
 

A canção de amor e devoção do Senhor

 
Os que amam o Senhor fazem parte da Igreja de Deus e estão na sua ceara. E queremos justamente trabalhar na sua ceara porque o amamos. Nada mais natural do que os obreiros de Deus fazerem a vontade do Senhor. Se eu fosse dar um título para o capítulo 2 de Cantares de Salomão, eu chamaria de “a canção de amor e devoção do Senhor”.
Vamos ler os versículos 8 a 17 agora: “Esta é a voz do meu amado; ei-lo aí, que já vem saltando sobre os montes, pulando sobre os outeiros. O meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do veado; eis que está detrás da nossa parede, olhando pelas janelas, espreitando pelas grades. O meu amado fala e me diz: Levanta-te, meu amor, formosa minha, e vem. Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem as flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira já deu os seus figos verdes, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, meu amor, formosa minha, E vem. Pomba minha, que andas pelas fendas das penhas, no oculto das ladeiras, mostra-me a tua face, faze-me ouvir a tua voz, porque a tua voz é doce, e a tua face graciosa. Apanhai-nos as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas, porque as nossas vinhas estão em flor. O meu amado é meu, e eu sou dele; ele apascenta o seu rebanho entre os lírios. Até que refresque o dia, e fujam as sombras, volta, amado meu; faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes de Beter”.
O texto acima diz novamente que o Senhor foi ao encontro da Sulamita enquanto ela trabalhava na sua vinha. Isso quer dizer que o Senhor protegia seu ministério. E como ele é rico, ele emprega a Sulamita e permite que ela trabalhe em sua vinha. O Senhor, por amar muito a Sulamita, chega até ela e diz: “Levante-se e venha comigo. Agora que o inverno passou e não está mais frio, é hora de irmos trabalhar na vinha.” A função da Sulamita era cuidar da vinha. Há uma canção na Coreia que diz: “Linda dama da vinha, dê-me sua mão e vamos passear”.
A Sulamita trabalhava na vinha, como a mulher desta canção. E o Senhor lhe disse: “O inverno já passou, o gelo derreteu e as rolinhas já começaram a cantar. É tempo da vinha florescer e dar seu fruto. Levante-se e venha comigo à vinha. Vamos juntos. Eu a ajudarei no que for preciso. Não deixe de regar a vinha e usar bastante fertilizante. E quando os ramos começarem a crescer, não deixe de apará-los com cuidado.” Eu não sei muito sobre viticultura, mas sei que é muito importante aparar a árvore para que dê bons frutos. Fazer tudo isso é importante para o crescimento da vinha, mas o Senhor nos disse que também devemos capturar as raposas que fazem mal a ela.
É importante fazer isso para garantir que as raposas não estraguem a vinha. Raposas são carnívoras, e há muitas delas hoje na Palestina. A maior delas é a raposa amarela. As raposas estragam a vinha porque cavam buracos tão fundos que acabam danificando sua raiz. Elas também são muito astutas. As raposas aqui representam aqueles que se escondem na Igreja de Deus e fingem crer no evangelho da água e do Espírito quando, na verdade, são contra ele e ainda blasfemam contra ele.
Há muita gente assim escondida na Igreja de Deus fingindo ser quem não é. E eles só têm um propósito: enfraquecer a autoridade espiritual dos líderes da igreja. Essas pessoas são como raposas e usam todos os meios para denegrir a igreja. Primeiro, elas tentam levar os irmãos a fazer um mau julgamento dos líderes da igreja. Também procuram expor suas fraquezas para fazer com que eles percam a posição que ocupam. E o pior de tudo, eles tentam impedir que o evangelho da água e do Espírito seja pregado em todo o mundo.
Recentemente eu percebi que uma pessoa que era responsável pela distribuição dos nossos livros no amazon.com na verdade estava atrapalhando o ministério do evangelho. Mas suas tentativas astutas e vis de fazer isso foram totalmente expostas. Mas essa pessoa ainda faz parte da Igreja de Deus. E o meu mais sincero desejo é que ele reconheça seu pecado e se arrependa perante Deus.
O Senhor disse que devemos capturar as raposas que fazem mal à vinha. E também disse: “Porque as nossas vinhas estão em flor. O meu amado é meu, e eu sou dele”, porque os membros da Igreja de Deus são um só com ele. E já que o coração dos obreiros de Deus está unido ao do Senhor, eles estão edificando o reino de Deus. Por isso que quando os obreiros de Deus têm comunhão com ele, na verdade eles estão trocando palavras secretas de amor. Está escrito no texto bíblico deste capítulo: “Ele apascenta o seu rebanho entre os lírios. Até que refresque o dia, e fujam as sombras, volta, amado meu; faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes de Beter”. Como está escrito aqui, não há como descrever o amor do Senhor pelos seus obreiros. E ele dá valor a cada um deles. É assim o relacionamento que o Senhor tem com seus servos.
Temos que fazer a obra do Senhor ainda mais agora que o tempo está esquentando. Todos nós temos a obrigação de fazer o que Deus nos mandou em sua igreja. Se nos submetermos à vontade de Deus, certamente abençoaremos muito mais pessoas que levaremos a receber a remissão de pecados.
Todos que receberam a remissão de pecados têm que reconhecer a Igreja de Deus. A Sulamita do texto bíblico deste capítulo se refere aos obreiros de Deus. Só que esta mulher representa não somente os irmãos que receberam a remissão de pecados, mas também os obreiros de Deus que fazem sua obra junto com o Senhor. Por isso que ele diz a respeito dos seus obreiros: “O meu amado é meu, e eu sou dele”. Todo aquele que uniu seu coração ao do Senhor é alguém que compartilha seu amor não apenas com ele, mas com todos ao seu redor. E Deus disse que foram estes que ele escolheu como obreiros em sua Igreja.
O Senhor fez de nós seus discípulos por seguirmos seus passos e nos leva a fazer a obra de Deus. Cantares de Salomão é um cântico sobre a Sulamita, mas ele na verdade fala dos crentes no evangelho da água e do Espírito que estão fazendo a obra de Deus. Hoje você e eu somos a Sulamita. O problema, contudo, é que há muitos de nós que estão felizes apenas por ter o amor do Senhor e sua salvação, quando na verdade deveriam estar fazendo sua obra. Os obreiros do Deus, por sua vez, trabalham para o seu reino não apenas porque são amados pelo Senhor, mas porque amam fazer sua obra.
Deus mandou que todos os obreiros da sua igreja pregassem o evangelho da água e do Espírito, e é por isso que estamos fazendo tudo que está ao nosso alcance para fazermos o que ele nos confiou. Foi Jesus Cristo mesmo que nos levou a crer no evangelho da água e do Espírito e nos tornou obreiros de Deus. E o Senhor valoriza a todos nós que fazemos a obra em sua igreja, cuida de nós com carinho e nos diz que devemos pregar sobre seu amor. Ele sussurra palavras de amor para nós. Por isso que a Sulamita era tão amável aos olhos do Senhor.
Então, é importantíssimo todos nós crermos que somos os obreiros amados do Senhor. E já que cremos no evangelho da água e do Espírito, já recebemos do Senhor a verdadeira remissão de pecados em nosso coração. Além disso, todos nós que estamos no Senhor levamos uma vida abençoada e linda porque confiamos no seu amor. Aprendemos no capítulo 2 de Cantares de Salomão que temos muito valor para o Senhor. E ele se alegra de nos usar para fazer sua obra. E o Senhor não apenas trabalha através de nós, mas também está conosco ao longo do caminho, nos ajuda e nos protege pessoalmente. Precisamos entender bem isso.
Temos que entender no texto bíblico deste capítulo o quanto Deus nos ama. Seu amor por nós é infinito e indescritivelmente lindo. E assim como a Sulamita recebeu o amor do Senhor, nós também o recebemos. Se somos de fato sermos de Deus perante o Senhor, deve haver em todos nós então o desejo de pregar o evangelho de Deus no mundo todo. O Senhor disse que veio a esta terra justamente para fazer esta obra, pregar o evangelho da água e do Espírito. E antes de ser batizado por João Batista, ele disse: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça” (Mateus 3:15). Em outras palavras, o Senhor teve que ser batizado para levar todos os pecados do homem e salvar-nos morrendo com todos eles sobre si na cruz.
O Senhor disse que edificaria seu reino nesta terra. Seu desejo é construir um reino de amor aqui, ser seu Rei, e para sempre abençoar seu povo que nele vive – em suma, ele quer ser seu eterno Pastor. Todos nós devemos nos submeter ao desejo do Senhor nosso Rei a fim de que possamos ser usados como instrumentos seus para cumprir sua vontade. O que acontece quando unimos nosso coração ao do Senhor? Podemos ter uma relação de amor com ele como teve a Sulamita. A vontade do Senhor se cumprirá nesta terra.
Apesar de ainda vivermos nesta terra, todos nós somos a Noiva do Senhor. Eu nunca imaginei que fosse Noiva do Senhor até encontrá-lo. Só depois que encontrei Jesus foi que entendi o que significa ser sua Noiva. Quando eu cri no Senhor e soube que ele apagou todos os meus pecados com o evangelho da água e do Espírito, eu me tornei dele, e hoje não tenho vergonha alguma de dizer que sou Noiva de Cristo. Não há nada constrangedor em ser Noiva do Senhor.
Agora estou determinado a fazer a obra de Deus e sempre digo a mim mesmo: “Eu farei tudo que o Senhor quiser e abominar tudo que ele abomina. Eu farei tudo que agrada ao Senhor.” Mas por que tomei esta decisão? Porque eu amo o Senhor e ele me ama. Nada mais justo então do que eu fazer sua obra. E esta é a fé que todos os obreiros de Deus devem ter, pois são a estes que ele demonstra seu amor.
Nós estamos mesmo levando uma vida abençoada porque somos justos. E se os obreiros de Deus unirem seu coração ao Senhor para fazer sua obra, eles com certeza serão amados por ele. Se fizermos a obra do Senhor e agradarmos a ele dando apoio ao ministério do evangelho, ele com certeza nos amará. E o Senhor volta sua atenção para a Igreja de Deus onde congregamos justamente quando fazemos isso. Hoje podemos ver com nossos próprios olhos como o Senhor nos abençoa abundantemente em tudo que fazemos. Ele cumpre todos os nossos planos e abre as portas em todos os lugares onde queremos pregar o evangelho. Sempre que pensamos em fazer algo na obra de Deus, o Senhor faz com que isso se torne uma realidade. Não estamos fazendo a obra de Deus por causa da nossa força ou sabedoria, mas porque ele nos abençoou. O que mais isso poderia demonstrar senão o amor de Deus!
Todo aquele que faz a obra de Deus é seu obreiro. O Senhor disse que as vinhas estão brotando e que as uvas já estão maduras na videira. “Levante-se e venha comigo.” O Senhor está trabalhando na sua videira. E esta videira é sua ceara, onde temos que trabalhar também. Assim como a Sulamita, também somos obreiros do reino de Deus. E a igreja é o nosso local de trabalho. Deus usa seus obreiros fiéis para fazer sua obra. E a única maneira pela qual ele cumpre sua vontade é usando seus servos que uniram seu coração ao dele, que amam o Senhor e são amados por ele, que compartilham palavras de amor com ele.
É isso que aprendemos no texto bíblico deste capítulo: que Deus usa seus servos para fazer sua obra, abençoa todos eles e edifica seu reino de amor por meio deles. Por isso que é muito importante entendermos ao longo da nossa vida de fé o que significamos para o Senhor e o quanto ele nos ama. Também temos que ver se cremos no Senhor realmente, no quanto ele nos ama, se confiamos nele e temos sido obedientes a ele.
Eu tenho plena convicção que nossas forças serão renovadas se entendermos bem que a relação que temos com o Senhor é uma relação de amor. Quanto mais conhecer o amor do Senhor e crermos nele em nossa vida, menos nossa fé ficará prostrada ou decepcionada. Então eu peço a todos vocês que tenham fé no amor de Deus e invistam no seu relacionamento com o Senhor para que se torne mais lindo e firme, pois assim vocês serão amados por ele como a Sulamita do texto bíblico deste capítulo.