Kazania

Assunto 22: O Evangelho segundo LUCAS

[Capítulo 15-3] Somos Como o Filho Pródigo (Lucas 15:11-24)

Somos Como o Filho Pródigo(Lucas 15:11-24)
“E disse: ‘Um certo homem tinha dois filhos. E o mais moço deles disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da fazenda que me pertence.’ E ele repartiu por eles a fazenda. E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua e ali desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente. E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus trabalhadores. E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão, e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço, e o beijou. E o filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e perante ti e já não sou digno de ser chamado teu filho.’ Mas o pai disse aos seus servos: ‘Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão e sandálias nos pés, e trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos e alegremo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado.’ E começaram a alegrar-se.’”
 
 

Espiritualmente, Quem São os Filhos Pródigos?

 
Eu tenho certeza que todos na Igreja de Deus conhecem bem esse texto sobre o filho pródigo e já o ouviram pelo menos uma ou duas vezes. Mas embora todos nós conheçamos muito bem esse texto, hoje quero meditar com vocês no que Deus está dizendo em sua Palavra e que tipo de graça ele tem nos dado.
Vamos ler juntos Lucas 15:11-12: “E disse: Um certo homem tinha dois filhos. E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte da fazenda que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.”
O filho mais novo pede ao seu pai aqui que lhe dê sua parte na herança. Pense nisso por um momento. Quais são as coisas que todo ser humano deseja e que ele acha que é seu por direito?
Podemos dizer que a primeira coisa são os bens materiais. Todos querem ter bens materiais. Segundo, as pessoas querem fama e glória. É isso que achamos que todo ser humano deve ter. Em outras palavras, todos acham que coisas como riqueza, fama e glória são indispensáveis para eles. É claro que existem muitas outras coisas que as pessoas precisam, mas para a maioria a primeira delas é a riqueza. Além disso, quando elas ficam ricas, seu próximo desejo é ter fama. Todos querem ter fama em alguma área. Todos querem ter tudo que adoram e desejam. E tais desejos são comuns a todo ser humano. Não há exceção. Todos são iguais neste ponto.
O filho mais novo do texto bíblico também tinha esse desejo. E com seu coração naquilo que todos neste mundo desejam ter, ele disse ao seu pai: “Dá-me a parte da herança que cabe a mim. Eu vou pegá-la e viver minha vida como eu quiser daqui para frente. Dá-me minha parte na herança.” Seu pai fez como ele desejava então, lhe deu sua parte na herança.
Mas o que aconteceu depois que ele foi embora com sua herança? Vamos ler Lucas 15:13: “E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua e ali desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente.” Como diz o texto, o filho mais novo levou tudo que era seu para uma terra distante e desperdiçou tudo.
O pai do texto bíblico aqui é uma figura de Deus Pai. E como você já deve saber, o filho mais novo representa cada um de nós. Mas o que esse texto quer dizer?
O homem antes vivia num paraíso chamado Éden. Só que quando Deus criou o homem, ele lhe deu o livre arbítrio. E por causa deste livre arbítrio, o homem escolheu deixar a Deus e viver por conta própria. Satanás veio então e tentou dizendo:
“Se você comer da árvore do bem e do mal, você também será como Deus.” Como Adão decidiu deixar a Deus e viver por conta própria, o que você acha que ele pensou então? Ele pensou: “Sim, eu posso ser igual a Deus. Eu também posso ser como o Pai. Isso vai acontecer se eu comer o fruto que a serpente está me dando.”
Melhor dizendo, Adão se encheu de soberba. Fazendo uso do livre arbítrio então, ele decidiu se afastar de Deus; e ao ser tentado por Satanás, ele fez o que desejou. Foi assim que o homem passou para o lado de Satanás. Mas por ter crido na falsa promessa do diabo, o homem acabou se separando totalmente de Deus. E qual foi o resultado disso? Ao invés de ser feliz vivendo por conta própria longe de Deus, o homem passou a ter uma vida trágica e miserável.
Esta é a lição que Deus nos ensina no texto bíblico deste capítulo. Ele nos ensina que aqueles que se afastam da justiça de Deus, que seguem seu próprio caminho longe de Deus e que pegam o que é seu deixando a Deus nunca serão felizes. Alguém pode ser feliz sem Deus? A maioria das pessoas se ilude achando que isso é possível. Elas acham que podem prosperar sem Deus facilmente. É por isso que todo filho quer deixar seus pais e viver por conta própria quando fica adulto. É isso o que todo jovem deseja em seu coração hoje em dia. Eles querem sua parte na herança, ser independentes e ter uma vida melhor do que a dos seus pais. É claro que isso é até possível no que diz respeito aos pais humanos. Mas em relação ao Pai espiritual? O homem jamais poderá ser feliz sem Deus, pois ele é o nosso Criador.
Veja todos que vivem neste mundo. Todos pensam que podem ser felizes nessa terra. Mas qual é a verdade? É que para serem felizes, muitos não conseguem manter o que já têm, de jeito nenhum, e acabam tendo uma vida pobre e vazia. Há muitos junto a nós que não conseguem nada do seu jeito, e por isso acabam vivendo frustrados e infelizes. Embora todos que deixam a Deus façam de tudo para ser felizes, nenhum deles de fato consegue ser bem sucedido em sua vida. Alguém pode até ser bem confiante e pensar: “Mesmo que eu deixe a Deus, eu vou ser feliz mesmo sem ajuda ou poder.” Mas no fim ele verá que é simplesmente impossível ser uma pessoa realizada longe de Deus.
 
 

Desde a Criação do Planeta Terra, Todos que Se Afastaram da Justiça de Deus Jamais Tiveram uma Vida Feliz

 
Nós podemos ver isso muito bem quando estudamos a vida dos grandes sábios e filósofos do passado. Nenhum deles jamais conseguiu alcançar a satisfação plena em sua vida. Por mais famosos que estes sábios tenham sido, nenhum deles podia dizer que vivia satisfeito 100 por cento em sua vida. Amados irmãos, todos desejam de coração ser felizes. E todos também querem ter uma vida de retidão e justiça, ser felizes e sinceros, e manter essa felicidade para sempre.
Mas qual é a verdade? Ao invés de viver a vida que desejam, eles acabam sendo infelizes. Ao invés de levar a vida que querem viver, eles acabam tendo o que não desejam, fracasso e tristeza. Aqueles que deixam a Deus são infelizes assim. Não dizemos que estamos tristes quando não acontece o que desejamos? Se alguém está numa situação que não deseja, ele com certeza vai dizer que está infeliz.
Há uma história que ilustra bem como os que deixam a Deus nunca podem ser felizes. Eu vou tirar alguns minutos para contar essa história para vocês. Na mitologia grega, a Esfinge ficava na entrada de Tebas e propunha um enigma a todos os viajantes que queriam entrar na cidade: “Que animal tem quatro patas de manhã, duas ao meio-dia e três à noite?” Nenhum viajante conseguiu solucionar o enigma, mas Édipo era mais inteligente do que todos eles e o resolveu, dizendo: “A resposta é o homem. O homem engatinha ou anda de quatro quando é um bebê, anda com duas pernas quando é adulto, e quando é idoso usa uma bengala. A resposta então é o homem.”
Vocês sabem qual é a verdadeira moral da história aqui? Que o homem não fica de pé por muito tempo. O homem não pode, em outras palavras, manter sua juventude para sempre.
Há um provérbio na Coreia que diz que depois do prazer segue-se a dor. Mas depois que alguém passa por dificuldades, ele com certeza tem alegria e satisfação. Qual então é a alegria e a satisfação que temos depois de passarmos por tantas lutas e dificuldades nessa terra? Nós veremos Deus face a face. O propósito de tanto sofrimento que passamos nessa terra não é outro senão termos um encontro com Deus Pai.
Então, aqueles que encontram com Deus podem entender a verdadeira natureza da vida humana e seu propósito. Mas os que não têm um encontro com Deus não podem entender por que são tão infelizes. O texto bíblico deste capítulo levanta uma questão crucial: “O que nos resta quando perdemos tudo que possuímos?” Assim como o filho pródigo voltou para casa de seu pai após desperdiçar todos os seus bens, nós buscamos a Deus quando perdemos tudo. Lembrem-se disso: a justiça de Deus é totalmente indispensável para quem perdeu tudo.
As pessoas que vivem neste mundo perdem muitas coisas. Mas apesar de trabalhar duro para ganhar dinheiro, todos acabam perdendo tudo nessa terra. Ninguém pode levar seu dinheiro para o mundo vindouro. Poucos usam seu dinheiro em algo que realmente vale a pena. Mas é claro que, em raras ocasiões, vemos pessoas que fazem isso, mas a maioria delas só quer gastar seu dinheiro. Aos olhos de Deus não há muitos que usam seu dinheiro em causas justas.
Nosso Senhor disse: “Sempre tendes os pobres convosco” (Marcos 14:7). Alguns neste mundo dividem sua riqueza com os pobres, mas poucos deles fazem isso de fato porque não têm compaixão pelos pobres, não querem ajudá-los e nem fazê-los felizes. Muito pelo contrário, eles só compartilham sua riqueza para ter fama, para ficar famosos. Outros fazem isso esperando receber algo em troca mais à frente e pensam: “Se eu ajudá-los agora, eles vão me ajudar depois.”
Mas como Deus agirá com essas pessoas? Nosso Deus não as recompensará, pois seu coração não é reto perante ele. Então, ajudar os outros com interesse de ganhar algo em troca é um total desperdício. Se você quer ajudar os pobres, primeiro você tem que entender a verdade, e só então ajudá-los.
Qualquer igreja que é digna de ser chamada igreja de Deus prega o evangelho da água e do Espírito. Se uma igreja é rica, ela tem que usar sua riqueza par abençoar as pessoas. Por que as igrejas cristãs do mundo todo têm sido muito criticadas? A maioria delas exige ofertas dos seus membros sem nenhuma justificativa. Eles usam todos os meios para tirar dinheiro do povo e usam este dinheiro para construir templos suntuosos. E apesar de afirmarem que são igreja de Deus, eles não abençoam o povo. Esta é uma das razões pelas quais muitos não gostam de igreja.
O texto bíblico deste capítulo diz que o filho mais novo ‘desperdiçou’ todos os seus bens levando uma vida dissoluta; e hoje há muitos que desperdiçam sua vida assim também. Não importa confessar que crê em Jesus ou não, pois se alguém não conhece a verdade, ele não crê em Deus e não o segue de modo correto, e assim acaba desperdiçando sua vida, seus bens e tudo que possui. Se uma igreja é na verdade uma igreja da justiça de Deus, ela tem que levar seus membros à felicidade, pois uma igreja tem que ser luz do mundo. Mas a maioria delas não está fazendo isso. É claro que nem todas as igrejas deste mundo são assim, mas a verdade é que há muitas que não são justas.
 
 

O Que de Fato é uma Verdadeira Igreja Hoje em Dia?

 
Nosso Senhor fala da igreja visível e invisível em sua Palavra, e destas, a igreja visível está falhando em cumprir seu papel como luz dessa terra. O que o Senhor diz na Bíblia? Ele diz: “Vocês serão minhas testemunhas tanto na Judeia, como em Jerusalém, Samaria e todos os confins da terra.” Não seria maravilhoso se a Igreja de Deus fosse encontrada em todos os lugares hoje em dia e desse testemunho do evangelho da água e do Espírito a todos neste mundo? Se sua igreja é uma igreja de Deus, o dinheiro das ofertas jamais será gasto somente na construção do templo. Não é isso que a igreja deve fazer. Seu verdadeiro chamado é pregar o evangelho da água e do Espírito, a verdade de Deus, a todos neste mundo, guiando-os pelo caminho correto quando são tentados por Satanás, orando por eles e ajudando-os para que eles possam vir para a igreja a fim de que seu problema com o pecado seja resolvido. É isso que a Igreja de Deus tem que fazer hoje para ser luz do mundo. É por isso que nenhuma igreja deve empenhar todas as suas forças para construir templos enormes e suntuosos.
Um pastor não consegue liderar muitas pessoas de modo correto ao mesmo tempo. Todo pastor sensato sabe muito bem que não pode prover uma boa liderança para muitas pessoas ao mesmo tempo. Se uma igreja é mesmo de Deus, ela guiará muitas almas pelo caminho correto e as repreenderá quando elas se desviarem.
Eu estou falando como as pessoas gastam tudo que têm. Do mesmo modo, nós também sabemos que nosso corpo não consegue ser saudável o tempo todo. Nem a fama pode durar para sempre. Quando alguém mais jovem e melhor aparece, a fama acaba rapidinho. E por mais que você tenha feito grandes contribuições na sua área, se alguém aparece com uma teoria nova e melhor, sua fama acabará tão rápido como um balão estourado.
Houve muitos grandes filósofos no passado, e todos eles falaram de coisas extraordinárias. Mas o que aconteceu com o passar do tempo? Embora em seu tempo eles tenham ensinado coisas fabulosas, a fama destes filósofos foi suplantada por outra geração de filósofos que defenderam novas ideias. E o mesmo acontece conosco. Nossa fama não dura muito tempo. Tudo é um desperdício. Tudo na vida do homem desaparece. Tudo com o tempo desaparece, inclusive a fama e a ambição.
Todos nós somos ambiciosos. Mas será que podemos saciar nossa ambição? Quando ficamos velhos e fracos não somos mais tão ambiciosos como quando éramos jovens. Só quando somos jovens é que somos cheios de vigor e ambição; quando ficamos velhos, tudo fica sem sentido. Quando somos idosos ficamos tão frágeis que até um cachorro pode nos arrastar para qualquer lugar. Quando somos jovens, somos cheios de energia, mas quando ficamos velhos, toda ambição acaba. Ficamos cansados de tudo. As pessoas só têm ambição no curto período da sua juventude; quando ficam mais velhas, todas elas só querem viver num lugar quente e agradável para deitar e relaxar. Vá à casa de um idoso. Será que você vai achar alguém ambicioso lá? Não, não é alguém assim que você vai encontrar. Isso nos mostra que alguém só tem ambição quando está cheio de energia.
A ambição do homem é efêmera e no fim não existe mais. Embora todos nós sejamos um pouco ambiciosos hoje, com o tempo tudo isso desaparecerá como as águas que escorrem das nossas mãos. O mesmo acontece com nossos bens, saúde, fama e desejos. Temos que entender que tudo isso um dia acabará.
Deus nos deu desejos. Por isso que o desejo de ter saúde e fama sempre fazem parte da nossa vida. Mas no fim até estes desejos não existirão mais. Não podemos tê-los para sempre. O texto bíblico deste capítulo fala de um homem que desperdiçou tudo. E quando lemos esse texto, temos que examinar a nós mesmos para ver se estamos gastando tudo que Deus nos deu. Temos que perguntar a nós mesmos: “Eu também não estou desperdiçando minha vida?” Como seres humanos, nós somos diferentes dos animais. E por essa razão, temos que pensar na nossa vida antes que ela acabe.
Chega uma hora que temos que refletir sobre nossa vida e entender qual é o seu verdadeiro sentido. Então, por mais que muitos de nós ainda sejamos jovens, vamos aproveitar a chance que temos para pensar na nossa vida. E a conclusão é óbvia. Nós estamos destinados a perder tudo em nossa vida e cair em frustração. E se pudermos ter alegria e satisfação em nossa vida nessa terra, poderemos dizer que não a desperdiçamos. Mas o que é a verdade? Se analisarmos bem nossa vida do início ao fim, a inevitável conclusão a que chegaremos é que desperdiçamos nossa vida e perdemos tudo.
Nossa vida já está destinada a ser totalmente perdida. Mas será que vamos entender isso no nosso último dia de vida? Não. Só de pensar nisso agora podemos ver que nossa vida de fato será desperdiçada. A conclusão é óbvia se pensarmos bem nisso. Todos nós saímos do ventre de nossa mãe, não é verdade? E assim que nascemos já podemos ver claramente o fim da nossa vida. Isso é algo totalmente inevitável. Ao nascermos nos alimentamos com o leite materno, vamos para o jardim da infância, fazemos o nível fundamental, médio e a faculdade, e alguns até chegam a fazer doutorado. Mas ainda no nível fundamental já sabemos como será nossa vida. Nós pensamos assim: “Logo eu vou para o ensino médio e depois para a faculdade. Eu vou me casar, ter filhos, um bom emprego ou abrir um negócio para sustentar minha família. Talvez eu seja bem sucedido e consiga ter a minha própria empresa. Mas eu vou ter 50 ou 60 anos quando minha empresa crescer e eu estiver estabelecido. Meu corpo sentirá dores. Logo eu vou fazer 70 anos e minha visão já não será tão boa. Quando eu tiver 80 anos eu não vou querer nada mais do que ficar deitado. Não vai ter mais graça viver, meu corpo estará acabado e eu vou morrer em vão.” Em outras palavras, quando estamos no ensino fundamental já sabemos como vai ser toda a nossa vida.
Já que a morte chegará para todos nós, já sabemos tudo sobre a nossa vida, por mais que tenhamos muitas experiências neste mundo ao longo dela. Sábios realmente são aqueles que se preparam para o futuro buscando a Deus por entender que sua vida não vale nada sem ele. Melhor dizendo, aqueles que se preparam para a verdadeira felicidade no futuro enquanto estão nessa terra é que de fato são felizes. Vocês não concordam comigo?
Está escrito Bíblia: “E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.” Temos tudo em abundância quando somos jovens. Gozamos de boa saúde e também somos cheios de ambição. Mas vai chegar o dia em que desperdiçaremos nossa vida, perderemos tudo e padeceremos grande necessidade. Com certeza tempos difíceis virão sobre nós.
Por mais que sejamos ricos, e por mais alimentos que tenhamos, vai chegar um tempo em que faltará provisão, um tempo em que não haverá alimento para saciar nossa fome. Por mais que sejamos ricos e tenhamos tudo neste mundo, haverá um tempo em não haverá mais nada em nosso coração e em nossa alma. Cedo ou tarde perderemos as faculdades mentais, nossa alegria e os prazeres do corpo. E quando formos privados de tudo isso, entenderemos que nossa vida foi completamente perdida. Embora alguns entendam isso, muitos estão mesmo desperdiçando sua vida. Mas cedo ou tarde todos perderão tudo. Então o que nos resta fazer? Temos que meditar na seguinte pergunta: “Como podemos recuperar tudo que perdemos?”
 
 

Isso Significa que Devemos Meditar em Como Podemos Ter a Verdadeira Fé

 
Temos que buscar esta verdade. Vamos voltar então para a Palavra de Deus e analisar esta verdade daqui por diante. No texto bíblico deste capítulo, o Senhor nos exorta a entendermos o quanto antes que nenhuma religião pode nos satisfazer. Só quando entendermos isso é que poderemos resgatar a imagem original do homem. Veja o filho mais novo aqui. Está escrito que o filho pródigo foi embora, desperdiçou tudo que tinha e acabou comendo as bolotas dos porcos. E estas bolotas aqui se referem aos ensinamentos das falsas religiões do mundo.
O país distante para onde foi o filho pródigo foi assolado por uma terrível fome, e ele não teve escolha senão buscar abrigo trabalhando como servo na casa de alguém. Em tempos de grande fome é uma grande bênção poder trabalhar para ter algum alimento. Mas qual é a verdade? Ninguém pode se sentir realizado em seu coração com a comida encontrada no mundo–ou seja, com as religiões do mundo, espiritualmente falando. Todos nós temos que entender isso o quanto antes. Só quando entendermos isso é que poderemos recuperar nossa imagem original feita à imagem e semelhança de Deus. A fome foi tão terrível que o filho pródigo tentou conseguir algum alimento limpando chiqueiro. Mas o dono era tão mesquinho que não lhe deu comida suficiente e ainda o explorou. O filho pródigo deixou de lado o orgulho então e comeu as bolotas dos porcos. Ele estava tão faminto que comeu as bolotas que os porcos comiam. Mas um dia o dono dos porcos o pegou comendo as bolotas.
Está escrito na Bíblia: “E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.” Ele tinha tão pouco para comer que não teve outra escolha senão comer as bolotas dos porcos. O que isso quer dizer? Que depois de perder tudo, a vida do filho pródigo estava chegando ao fim. Embora fosse jovem, ele estava quase perdendo sua vida. Mas já que tinha perdido tudo, ele começou a pensar no seu pai e na sua terra. Está escrito assim: “Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho.”
Em suma, o filho pródigo quis voltar para o seu pai.
 
 

O Homem é Mesmo um Ser Fantástico

 
Não há um ser neste mundo tão fantástico como o homem. A vida humana é fabulosa e extraordinária. Mas por quê? Porque o homem foi criado à imagem de Deus; e como Deus é santo, ele lhe deu um coração santo. Embora o homem tenha perdido sua santidade por algum tempo, por ter caído na tentação do diabo, ele ainda possui atributos eternos. Veja os animais neste mundo. Os animais se sentem satisfeitos quando têm seu alimento diário. Mas o homem é diferente. Nós seres humanos queremos viver para sempre, assim como queremos o alimento eterno também. No começo, quando Deus criou o homem, ele tinha tudo em abundância, nada lhe faltava. E se ele tivesse dado ouvidos à Palavra de Deus e a obedecido, ele teria tido uma vida gloriosa com Deus.
No entanto, o homem acabou fazendo o que Deus o havia proibido. O Senhor Deus disse: “Eu permito que você coma da árvore da vida, te darei a vida eterna e te farei feliz para sempre. Eu suprirei todas as suas necessidades para que nada te falte. Mas eu te proíbo de uma coisa: você jamais deve comer da árvore do conhecimento do bem e do mal.” Deus disse isso a Adão e Eva, os primeiros seres humanos.
Por que Deus disse a eles para não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal? Porque ele não queria que eles tivessem seus próprios conceitos. Mas apesar disso, Adão e Eva desobedeceram à Palavra de Deus, comeram da árvore do conhecimento do bem e do mal, e passaram a ter seus próprios conceitos. O que aconteceu com eles então? Foram expulsos do Jardim do Éden, um lugar com felicidade em abundância, perderam sua posição e acabaram afastados de Deus. Todos neste mundo são descendentes de Adão e Eva. O pecado que Adão e Eva, nossos pais, cometeram foi passado a todos, inclusive a nós agora.
Hoje vemos que perdemos algo neste mundo. E embora não saibamos onde, sabemos que o Jardim do Éden está em algum lugar. E sempre sentiremos falta dele. Nós desejamos voltar para aquele lugar. Embora não saibamos bem como ele é, é óbvio que queremos voltar para o paraíso perdido. Mas por quê? Porque todos trazem em sua memória as lembranças do Jardim do Éden, porque já vivemos naquele lugar, onde não havia doença ou dor, só alegria, bênçãos, gozo e felicidade; é por isso que trazemos em nosso subconsciente o desejo de voltar àquele lugar. Quando percebemos que nossa vida não tem sentido, como o filho pródigo, nosso desejo de voltar para aquele lugar é quase incontrolável.
Há algumas espécies entre os peixes que retornam para o lugar onde nasceram. Uma delas é o salmão. O salmão desova nos rios. Seus filhotes crescem no rio e depois vão para o mar. E depois de vagar pelo vasto oceano, todos eles voltam para casa no tempo da desova. E todos eles sabem como voltar para casa, pois conhecem muito bem o caminho.
O mesmo acontece conosco. Espiritualmente falando, todos nós crescemos no Jardim do Éden. Nossos pais viveram lá e, embora não tenhamos estado lá fisicamente com eles, pela fé sentimos como se tivéssemos estado. Nós também vivemos no mesmo lugar onde viveu Adão e Eva. E este é o lugar onde viveremos no futuro.
O filho pródigo foi embora e desperdiçou tudo que tinha. Aí ele não conseguiu mais aguentar a saudade de casa. Então ele pensou: “Meu pai tem muitos trabalhadores e muita comida, mas eu estou aqui morrendo de fome. Ainda há tempo; eu vou me humilhar e voltar para o meu pai.”
Assim como o filho pródigo, nós também desperdiçamos tudo em nossa vida. E quando perdemos tudo e reconhecemos quem realmente somos, quando entendemos a verdadeira essência da vida, nosso coração toma a decisão de voltar para o lugar que deixamos.
O inverno está acabando e o outono, chegando. Como vocês se sentem sabendo que o outono está próximo? O que sentimos quando olhamos para o céu e vemos as nuvens de chuva? Não nos sentimos solitários? Toda vez que as folhas caem das árvores uma a uma sentimos um forte vazio dentro de nós, pois vemos que um dia nossa vida se esvairá assim. E nós sentimos este vazio justamente porque nos conhecemos bem, porque sabemos que nenhum de nós pode evitar a morte. Esta mudança nas folhas é algo lindo, mas o que está por trás desta beleza? A mudança de cor numa folha indica que sua vida está chegando ao fim. Toda esta beleza é retratada na literatura, mas quando olhamos para a vida, vemos que seu fim é inevitável. Vocês já devem ter lido o livro de O. Henry A Última Folha. Vemos que o escritor deste conto morreu de certa enfermidade e comparou sua vida com as folhas que caem. Do mesmo modo, quando vemos como esta forma de vida morre, nos lembramos que nossa morte é inevitável também. Isso, amados irmãos, nos mostra como a vida é vazia. Portanto, como nossa vida carnal não vale nada, temos que voltar para Deus. Precisamos nos preparar para voltar para ele.
O rei Salomão fez tudo que quis. Talvez ninguém tenha tido na história da humanidade uma vida mais próspera do que Salomão, como está escrito: “Busquei no meu coração como me daria ao vinho (regendo, porém, o meu coração com sabedoria) e como reteria a loucura, até ver o que seria melhor que os filhos dos homens fizessem debaixo do céu, durante o número dos dias de sua vida. Fiz para mim obras magníficas; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz para mim hortas e jardins e plantei neles árvores de toda espécie de fruto. Fiz para mim tanques de águas, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Adquiri servos e servas e tive servos nascidos em casa; também tive grande possessão de vacas e ovelhas, mais do que todos os que houve antes de mim, em Jerusalém. Amontoei também para mim prata, e ouro, e jóias de reis e das províncias; provi-me de cantores, e de cantoras, e das delícias dos filhos dos homens, e de instrumentos de música de toda sorte” (Eclesiastes 2:3-8). Mas a que conclusão chegou Salomão no fim da sua vida?
Ele confessou em lamentação:
“E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos,
Como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito;
E eis que tudo era vaidade e aflição de espírito e que proveito nenhum havia debaixo do sol” (Eclesiastes 2:11).
E para concluir, Salomão fez a seguinte advertência:
“Alegra-te, jovem, na tua mocidade,
E alegre-se o teu coração nos dias da tua mocidade,
E anda pelos caminhos do teu coração
E pela vista dos teus olhos;
Sabe, porém, que por todas essas coisas
Te trará Deus a juízo” (Eclesiastes 11:9).
“Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento” (Eclesiastes 12:1).
Como esses textos nos advertem, precisamos entender o que é a vida e voltar para Deus enquanto somos jovens, enquanto nossas faculdades mentais ainda estão perfeitas, antes de sermos tragados por este mundo e não termos mais salvação. Esta é a verdade. Todos nós temos que conhecer a nós mesmos e ter um encontro com o Senhor.
 
 

Que Tipo de Deus é Nosso Deus?

 
O filho pródigo se arrependeu e voltou para Deus. E o que aconteceu então?
Está escrito: “E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão, e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço, e o beijou.” Como podemos ver aqui, tudo que o filho pródigo fez foi se arrepender. Depois de levar uma vida miserável e desperdiçar tudo que tinha neste mundo, tudo que lhe restou foi o desejo no coração de voltar para Deus, embora não tivesse como encarar seu pai.
Mas como o pai recebeu seu filho? Embora ele tenha voltado em farrapos, pois estava sobrevivendo cuidando de porcos, seu pai teve compaixão dele, correu ao seu encontro, o abraçou e o beijou. O pai esperava dia e noite por seu filho que havia partido. Naquele dia, como fazia todos os dias, ele abriu todas as portas da casa, acendeu a luz e esperou pelo filho que havia partido. “O sol já está se pondo, mas ainda não foi hoje que meu filho voltou. Eu fico pensando se ele tem algo para comer? Ele agora não deve ter mais nada e está voltando para casa. Ele vai chegar logo. Por que ele ainda não chegou então? Meu filho, por que você não entende meu coração?”
Mas o pai viu algo vindo lá longe. Ele viu algo no escuro, mas logo reconheceu que era seu filho. E mesmo estando longe ainda, ele correu ao seu encontro, o tomou em seus braços e o beijou. Quando encontramos alguém que estamos morrendo de saudade, todas as convenções caem por terra. Ficamos muito felizes quando encontramos alguém assim. O filho pródigo então baixou a cabeça envergonhado.
“Por que você demorou tanto? Como você deve ter sofrido!” O pai beijou seu filho e o abraçou. Mas será que ele faria isso se não amasse mesmo seu filho? Ele só recebeu seu filho de volta e com tanta alegria porque o amava e desejava seu retorno.
Amados irmãos, apesar de sentirmos vergonha de voltar para Deus e não termos nada, nós fomos feitos à sua imagem e semelhança. Isso quer dizer, para ser bem direto, que todos nós somos filhos de Deus. Apesar de não termos nada, temos que nos arrepender e voltar para Deus. Então, ao invés de nos repreender, ele terá compaixão e misericórdia de nós, nos abraçará e cuidará de nós de todas as formas.
Mas muitos ainda não pensam assim hoje em dia. Eles dizem: “Eu cometi muitos pecados para agora voltar para Deus. eu fumo, bebo e não posso voltar para Deus.” Só que a verdade é bem outra. Todos nós podemos voltar para Deus a hora que quisermos se voltarmos nosso coração para ele.
As bolotas que o filho pródigo comeu fazem alusão aos ensinamentos das religiões deste mundo. Todas elas são como o alimento que não pode saciar nossa fome. Nós temos que entender muito bem que as religiões deste mundo não têm valor algum, como as bolotas dos porcos. Pense nisso! O que a religião traz de bom para as pessoas? Tudo que temos na religião são sentimentos, emoções e virtudes. O xis da questão é que seus ensinamentos levam apenas a uma vida virtuosa, boa e justa. Isso é tudo que a religião pode nos dar.
Mas será que podemos ter uma vida justa seguindo os ensinos religiosos? Para ser bem sincero, nosso coração é cheio de pecados por causa da herança que recebemos. Todo mundo tem um coração cheio de cobiça, homicídio, adultério e desejos impuros. Quanto mais vivemos neste mundo, mais isso se torna notório em nossa vida. Portanto, nossa semente é tão ruim que jamais poderemos ter uma vida justa, por mais que as religiões nos ensinem o contrário.
É claro que quando somos jovens queremos ter uma vida justa. Quando estamos no ensino fundamental, buscamos viver como ensinaram nossos professores. Mas o que acontece na verdade? Quando crescemos mais um pouco, começamos a ter desejo de possuir as coisas, de comprar doces, por exemplo. E o que acontece quando crescemos mais um pouco? Quando chegamos ao ensino médio e depois vamos para a faculdade, todo desejo do nosso coração é revelado. O que isso significa? Que o homem é um poço de pecados que não tem como evitar as más obras. Apesar disso, as religiões do mundo continuam enaltecendo suas virtudes e dizendo: “O ser humano é bom por natureza. Façam o bem então. Tenham uma vida justa. Assim vocês serão como Buda. Vocês serão um deus. Vocês serão abençoados se tiverem uma vida justa.”
Todos nós aprendemos sobre ética e moral na escola, não é verdade? E tudo que aprendemos sobre isso de fato é verdade. E estes ensinamentos éticos foram criados pela religião. Se você olhar para alguma religião, estudá-la e analisá-la bem, você verá que todas elas nos ensinam a ter uma vida justa e reta.
Mas apesar de todos nós aprendermos estes ensinos éticos, o que acontece quando deixamos a escola e passamos a viver em sociedade? Vivemos de fato com retidão como nos ensinam na escola? Todos nós aprendemos a não ser gananciosos, a não roubar, a não adulterar, a não ter pensamentos impuros. Mas será que todos seguem estes ensinos? Claro que não. É claro que fazemos boas obras de vez em quando, mas para ser bem sincero, fazemos isso para o nosso próprio bem. Em outras palavras, as pessoas se sacrificam não porque isso é o certo a fazer, mas porque estão pensando em si mesmas. A verdade é que são poucas as pessoas que fazem boas obras neste mundo. Mas não há nenhum justo. E embora todas as religiões se esforcem para enaltecer a bondade do homem, isso é algo completamente inútil. As religiões do mundo exaltam os que procuram ter uma vida justa para ocultar sua maldade. Eles continuam ensinando que todos devem levar uma vida justa, mas sabem que ninguém consegue levar uma vida assim.
O caminho para Deus não pode ser encontrado nas religiões. Somente a verdadeira Palavra de Deus pode nos levar até ele. Nenhuma religião pode fazer isso. Muitos cristãos estão levando uma vida religiosa ao invés de levar uma vida de fé; e alguns até dizem que receberam o dom de falar em línguas quando oram. Mas isso é algo bom? Não, é como um feiticeiro que levita quando faz suas bruxarias. Temos que ser racionais como todo ser humano deve ser. Melhor dizendo, não podemos dizer coisas sem sentido, devemos pensar de maneira clara e ter o conhecimento correto daquilo que devemos saber.
Tudo pode ser encontrado na Bíblia. Em outras palavras, a Palavra de Deus nos ensina tudo que é bom para nós, inclusive a melhor filosofia de vida. Como Deus nos criou, ele fala na Bíblia tudo que precisamos saber. Então, todos poderão ir para o céu se lerem esta Palavra. Mas se alguém buscar fazer boas obras ao invés de seguir a Palavra, ele certamente será lançado no inferno.
Amados irmãos, vocês têm que entender que religião é algo inútil. E também que nenhuma religião jamais fará com que vocês se sintam plenamente realizados. A Bíblia diz que “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.” Como diz o texto, ninguém pode viver só de pão. Como o homem é um ser espiritual, ele não pode deixar de ter suas crenças religiosas. Mas estas crenças podem ser substituídas pela fé na verdade e em Deus, e deixar toda a superstição. Lembrem-se bem disso! Nenhuma religião pode nos satisfazer plenamente. Nós temos que entender bem que jamais entraremos no reino dos céus através da religião.
E se vocês agora entendem como a religião é imperfeita, vocês têm que voltar para Deus. Vocês têm que confessar todos os seus pecados para Deus como eles são realmente, e clamar por sua misericórdia a fim de receber as bênçãos que o homem desfrutava no começo. E quando retornarem para Deus, não tentem consertar ou arrumar o que está errado em vocês, mas busquem a ele como vocês realmente são. Tenham a atitude certa para encontrar o verdadeiro líder. Se vocês quiserem receber a remissão de pecados e entrar no reino de Deus, é imprescindível buscar a ajudar de um sacerdote, ou seja, um servo de Deus, como diz a Bíblia: “O sacerdote por ela fará expiação dos seus pecados, que pecou, e lhe será perdoado o pecado” (Levítico 4:35).
Sem um sacerdote espiritual–ou seja, se vocês não confiarem no seu líder espiritual que já alcançou a justiça de Deus–vocês não poderão receber a remissão de pecados. Vocês têm que entender e crer que há sacerdotes nessa terra. Como Deus é invisível, ele colocou pessoas de fé aqui para que vocês o vejam. É através destes sacerdotes que Deus preparou, através de pessoas que nos ensinam o caminho certo a seguir, que podemos ter um verdadeiro encontro com Deus.
Amados irmãos, sempre que vocês buscarem a Deus, façam isso sempre sendo vocês mesmos. Já que nosso Deus é cheio de amor, ele certamente virá ao seu encontro e restaurará plenamente a glória que antes foi perdida. Vejam o que diz a Palavra de Deus no texto bíblico deste capítulo. Quando o filho pródigo voltou para casa e disse ao seu pai: “Pai, pequei contra o céu e perante ti e já não sou digno de ser chamado teu filho”, seu pai disse aos seus servos: “Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão e sandálias nos pés, e trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos e alegremo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu.”
Quando o filho pródigo voltou justamente como era, seu pai disse aos seus servos para trazer a melhor roupa e vesti-lo com ela. O que isso quer dizer? Que Deus tem misericórdia dos que voltam para ele, que ele restaura sua forma original, a um estado justo à sua semelhança. Se Deus é o rei deste mundo, somos seus príncipes e princesas então. Amados irmãos, nosso Senhor nos vestiu com vestes de justiça. Mas o que são estas vestes de justiça? É o selo de aprovação de que somos um povo justo.
“Tirem esses trapos dele, joguem fora e queimem tudo. Tragam a melhor roupa e vistam no meu filho. Ponham um anel no seu dedo e calcem sandálias nos seus pés.” É assim que Deus nos restaura como seus amados filhos. Já que nós somos descendentes de Adão, todos nós nascemos pecadores. Mas agora que recebemos a remissão de pecados, nos voltamos para Jesus e somos justos. Melhor dizendo, já que cremos que Jesus Cristo tirou todos os nossos pecados exatamente como diz a Bíblia, Deus nos restaurou e nos fez justos. Embora fôssemos pecadores falhos antes, agora somos os justos que creem em Jesus Cristo. Isso significa que embora ainda sejamos falhos, Deus apagou todas as nossas imperfeições.
Entender esta verdade e crer nela ainda é um mistério. O mundo descreve isso como encontrar o caminho. Como o ser humano pode se aproximar de Deus e se tornar um justo? Isso só é possível conhecendo a Palavra de Deus e a verdade; e este mistério é o caminho para o reino de Deus. A Bíblia diz: “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3).
Amados irmãos, não temos mesmo como escapar das religiões do mundo. Nós já perdemos muito com a religião e quase fomos destruídos. Mas Deus é tão cheio de amor que ele vestiu com vestes de justiça pessoas como nós, que perderam tudo e estavam condenadas. Deus nos deu todas as preciosas bênçãos que só os justos podem receber. Não há palavras que possam expressar como eu sou grato. Nosso Senhor nos vestiu com vestes de justiça, nos restaurou e nos fez seus filhos. E se crermos mesmo na Palavra de Deus e voltarmos para ele exatamente como somos, ele nos aceitará apesar das nossas falhas. E também resolverá todos os problemas que estamos passando. O que temos que entender bem aqui é que se voltarmos para Deus, ele não apenas resolverá nossos problemas atuais, mas também nos abençoará restaurando nossa fé para que desfrutemos de tudo como filhos do Rei.
Assim como Deus abençoou o filho pródigo, ele também nos abençoará. Ele não nos vestiu com a melhor roupa? Ele não colocou um anel em nosso dedo? Ele não fez de nós seus filhos? Nós fomos mesmo vestidos com vestes de justiça, nos tornamos seus filhos e tivemos nossos pés calçados também.
Deus também nos deu alegria. O pai do texto bíblico deste capítulo disse: “E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos e alegremo-nos.” Esse texto nos mostra que temos uma vida de gozo e alegria crendo em Jesus Cristo. Deus nos chamou para que pudéssemos desfrutar deste gozo e alegria com ele.
Amados irmãos, agora que vocês receberam a remissão de pecados, não há mais motivo para chorar. Já que existe tanto sofrimento e dor neste mundo, por que viríamos à igreja para chorar? Todos nós somos alegres, divertidos, felizes, cheio de amor e gozo, e temos uma vida abundante. Deus preparou o caminho da alegria e da justiça para nós. Ele nos restaurou a todos para que pudéssemos comer e beber com ele na mesma festa e nos alegrássemos juntos. Nós não recebemos a remissão de pecados para estarmos juntos a Deus e vivermos felizes com ele? Aquele que recebe a remissão de pecados desfruta da verdadeira alegria. E esta alegria não pode ser comparada com qualquer uma que se sente neste mundo. Esta alegria é aquela que nos leva a sorrir mesmo no sofrimento. E todo aquele que encontrar Jesus Cristo pode desfrutar de toda esta alegria.
Amados irmãos, Deus é de fato o nosso Deus. Jesus é o nosso Salvador e o nosso Pai. E o Espírito Santo também está conosco. Tudo está garantido àqueles que têm Deus como Pai. Toda felicidade, graça, bênçãos e glória deste mundo estão garantidos a estes. Pode alguém assim ser infeliz?
Se você está passando por dificuldades nessa terra, ore ao Senhor. Eu estou certo que o Senhor resolverá seu problema. Você viverá feliz e também guiará muitas pessoas ao caminho da justiça. Não devemos ir para este lugar fabuloso sozinhos. Ao invés disso, devemos levar o máximo de pessoas que pudermos à justiça de Deus.