Проповеди

Assunto 18: GÊNESIS

[Capítulo 4-1] Nenhuma Fé Criada pelo Homem Religioso Pode Nos Salvar do Pecado (Gênesis 4:1-4)

Nenhuma Fé Criada pelo Homem Religioso Pode Nos Salvar do Pecado(Gênesis 4:1-4)
“Conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e teve a Caim, e disse: Alcancei do Senhor um homem. Tornou a dar à luz, e teve a Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra. Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta”.
 
 
Em gênesis capítulo dois, o Senhor Deus dá uma ordem a Adão: “De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás, pois no dia em que dela comeres, certamente morrerás”. No meio do Jardim estava a árvore da vida, e era dessa árvore que Deus queria que o homem comesse e vivesse para sempre.
Contudo, em Gênesis capítulo quatro, a serpente tenta Eva para que ela coma do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal dizendo: “Se você comer do fruto proibido da árvore do conhecimento do bem e do mal você será como Deus”. A estratégia de Satanás era tentar destruir a justiça e o amor de Deus. Adão e Eva viviam no Jardim do Éden, mas no final eles foram enganados pela serpente, comeram do fruto proibido e foram expulsos do paraíso. É indispensável conhecermos o verdadeiro significado por trás da Palavra quando cremos nela.
Melhor dizendo, não devemos ter uma fé cega, mas uma fé que tem total entendimento do verdadeiro significado da Palavra. Nós precisamos entender que Satanás está tentando corromper a Palavra de Deus, e que aqueles que ouvem e crêem nas suas palavras se tornam seus servos. Nós temos que entender que a verdadeira fé é corrompida quando alguém não crê na Palavra de Deus exatamente como ela está escrita. Nós temos que crer que Deus é o Governante Absoluto que julga o bem e o mal com justiça.
Satanás é o anjo caído que desafiou a autoridade de Deus. A bíblia diz que embora este anjo tenha desafiado a autoridade de Deus, ele não pôde vencê-Lo. Quando a serpente veio até Adão e Eva, ela queria realizar seu desejo ao enganá-los, mas, no fim, ela acabou se submetendo a maravilhosa providência de Deus. Satanás desafiou a Deus de novo, e mesmo tendo sido derrotado antes por Ele, ele continua tentando as pessoas para que elas comam da árvore do conhecimento do bem e do mal que Ele proibiu. Quando nós analisamos o processo que leva o homem a cair em pecado, ele nos ensina muitas lições e nos adverte também para termos cuidado com as palavras do diabo. Adão e Eva se tornaram como Deus ao ouvirem as palavras de Satanás e comerem da árvore do bem e do mal? Não, de modo algum! Como sempre, as palavras de Satanás não passavam de mentiras. Longe de se tornar como Deus, o homem presenciou o pecado entrando em seu coração, seguido de sofrimento e maldição. Aqueles que são enganados por Satanás criam sua própria religião e crêem nela, fazendo para si vestes de folhas de figueira. Adão e Eva não se tornaram como Deus quando comeram da árvore do conhecimento do bem e do mal; pelo contrário, o pecado entrou no seu coração e trouxe sobre eles a maldição de Deus por eles terem caído. Por isso, eles pegaram folhas de figueira para se cobrirem e se esconderam atrás das árvores com medo de Deus.
Quais são as outras lições que a queda do homem nos ensina? Ela nos ensina que temos que crer na Palavra de Deus exatamente como ela é, sem adicionar ou tirar nada dela. Ela também nos ensina sobre a grande providência de Deus. Nós podemos ver em Gênesis capítulo três como Deus criou um plano especial para nos tornar Seus filhos. Melhor dizendo, o capítulo três de Gênesis nos mostra a providência de Deus.
Esse capítulo revela que ninguém pode ser salvo dos seus pecados por Deus através dos seus atos de fraqueza, mas só pela Sua infinita misericórdia concedida por Jesus Cristo. Para que nos tornemos realmente filhos de Deus, primeiro nós temos que aceitar a providência que Ele preparou para nós. A fim de dar ao homem a vida eterna pela purificação de pecados, Deus permitiu que Satanás o tentasse por algum tempo. Em outras palavras, somente quando o homem sofre com o pecado e é purificado dele crendo no evangelho da água e do Espírito é que ele recebe a bênção de se tornar realmente filho de Deus.
As vestes de folhas de figueira que Adão e Eva fizeram para si depois que caíram eram vestes imperfeitas que secavam e se despedaçavam em dois ou três dias. Estas vestes de folhas de figueira se referem às vestes de hipocrisia que o homem faz para si. Melhor dizendo, estas são as vestes da religião que o homem criou. Elas são feitas da falsa bondade do homem caído que jamais pode salvá-lo. É impossível alguém ser salvo por Deus dos pecados do mundo através das boas obras carnais. É por isso que Gênesis 3:21 diz: “Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu”.
Como nós sabemos, as vestes espirituais adquiridas por se entender e crer na justiça de Deus são muito diferentes das vestes da religião criadas pela falsa virtude do homem; e no que se refere a ter poder, eles estão separados de nós milhas de distância. As vestes de folhas de figueira que o homem faz para si jamais podem apagar seus pecados. E essas vestes nem são boas para vestir, pois se despedaçam logo. As vestes de peles que Deus fez, ao contrário, são as vestes da Sua justiça e que durarão para sempre porque são fortes e firmes.
Qual é a diferença entre estes dois tipos de vestes então? É que jamais podemos resolver o problema do pecado através das nossas boas obras e que, para sermos purificados deles, nós temos que vestir as vestes de peles feitas por Deus, as vestes da Sua justiça, pela fé. No entanto, a verdade é que a maioria dos cristãos não crê no evangelho da água e do Espírito que contém a justiça de Deus; pelo contrário, eles se vestem com suas próprias orações, como as vestes de folhas de figueira vestidas por Adão e Eva. A bíblia mostra plenamente como o homem tem tentado cobrir sua vergonha e sua maldade com virtudes falsas depois de ter perdido a graça de Deus.
Uma vida presa na armadilha da religião é miserável, onde é preciso fazer vestes de folhas de figueira todo dia. Mas assim como Deus teve misericórdia de Adão e Eva e fez vestes de peles para os vestir, Ele deu ao homem o evangelho da água e do Espírito através do Seu Filho para livrá-lo dessa armadilha terrível da religião que busca cobrir todas as suas maldades e sua vergonha. Este é evangelho da grande misericórdia de Deus que contém Sua justiça. Deus nos leva a receber a verdadeira remissão de pecados através da Verdade do evangelho da água e do Espírito que Ele nos deu; e Ele sempre permite também que aqueles que crêem nesse evangelho da Verdade estejam na Sua presença como seres santos. Você tem que entender que Deus fez com que você cresse na Sua justiça para que você nunca mais voltasse ao seu estado pecaminoso; você tem que crer nisso e jamais se esquecer. Agora, todo aquele que crê no evangelho da água e do Espírito pode ser renovado e fazer parte do povo de Deus.
Porém, já que você nasceu com uma natureza pecaminosa, você primeiro tem que reconhecer que você está condenado ao inferno por causa dos seus pecados. O homem sempre comete pecados neste mundo. Todos querem sempre cometer pecados, assim como Deus disse a Caim: “Se procederes bem, não serás aceito? E se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar” (Gênesis 4:7). É por isso que estamos sempre pecando, pois nascemos como pecadores; mas Deus salvou pecadores como nós.
É o evangelho da água e do Espírito que nos purifica de todo pecado. Portanto, temos que crer neste evangelho da água e do Espírito de coração e receber a remissão de pecados. Mas a bíblia diz: “Estes, porém, difamam a tudo o que não entendem; e naquilo que compreendem de modo natural, como os animais irracionais, até nisso se corrompem” (Judas 1:10). Muitos hoje em dia não aceitam o evangelho da água e do Espírito por preconceito, e não somente isso, mas também se colocam contra ele, indo em direção a sua própria destruição. Ao enfatizar seus próprios pensamentos e sua própria virtude, eles ofendem a Verdade de Deus. Eles inventam suas próprias religiões hipócritas e adoram os deuses criados por eles com seus pensamentos carnais e seu conhecimento instintivo. Mas a falsa religião criada pelo homem pode realmente apagar seus pecados? Não, claro que não!
Os cristãos no mundo inteiro têm que rejeitar sua fé atual, pela qual eles fazem somente uma obra religiosa, e crer no evangelho da água e do Espírito. Até hoje eles têm buscado a purificação de seus pecados, mas crendo apenas no sangue da cruz e não no evangelho da água e do Espírito. Mas eles podem se livrar deste sentimento de condenação que os persegue sempre que eles pecam? Não, eles não podem ser libertos dos seus pecados assim. Se você crer em Jesus como seu Salvador baseado apenas no que sua carne normalmente conhece, você poderá ser purificado dos seus pecados tendo essa fé? Não, isso nunca vai acontecer. E se isso for verdade, você então tem que pensar nisso com muito carinho, voltar atrás, crer no evangelho da água e do Espírito e tomar posse da justiça de Deus.
O mundo está cheio de incontáveis religiões. Cada país tem sua religião, e como disse Herbert Spencer, as pessoas vivem em sociedade porque temem a vida e criam religiões porque temem a morte. Os teólogos dizem que até os canibais possuem uma religião. Contudo, temos que entender que essas religiões impedem as pessoas de achar o caminho da Verdade. Toda religião tem seu próprio sistema de crença baseado nos valores naturais e no conhecimento humano. E já que o homem comeu da árvore do conhecimento do bem e do mal, todas as religiões inevitavelmente se opõem ao evangelho da Verdade onde toda a justiça de Deus foi cumprida.
Nosso Deus está nos dizendo que é errado tentarmos ser salvos através das práticas religiosas. Ao fazer isso, ninguém pode ser completamente purificado dos seus pecados nem ser liberto deles. O que todos nós temos que entender é que apenas quando nos vestimos pela fé das vestes da justiça da salvação que Deus fez para nós é que recebemos a remissão de pecados e também nos tornamos completos para sempre. Deus apagou todos os nossos pecados e iniqüidades de uma maneira perfeita com o evangelho da água e do Espírito.
 
 

O Evangelho da Remissão de Pecados que Deus Nos Deu

 
Nós vemos escrito em Gênesis 4:1-5: “Conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e teve a Caim, e disse: Alcancei do Senhor um homem. Tornou a dar à luz, e teve a Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra. Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta, mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante”.
Na verdade, Caim e Abel não eram os únicos filhos de Adão e Eva, pois muitos outros haviam nascido também. Mas a bíblia só fala destes dois filhos, e a razão disso é que Deus queria nos ensinar que, entre aqueles que confessam crer Nele, alguns são salvos e outros não são. Além disso, essa passagem também nos ensina que o homem não pode apagar os seus pecados com a religião que criou. Ela nos diz que se quisermos receber a remissão de pecados de Deus e fazermos parte do Seu povo, temos que trazer uma oferta de fé correta para Ele.
Quando Caim e Abel cresceram, cada um deles teve uma ocupação; Caim era agricultor e Abel pastor de ovelhas. Já que Caim era agricultor, ele trouxe o produto da terra como batatas, milho, batata-doce, arroz, o ofereceu a Deus com sinceridade e queria que Ele o aceitasse. Abel, por outro lado, trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, o partiu ao meio, tirou sua gordura junto com suas entranhas, colocou sua carne com sua gordura no altar e queimou tudo oferecendo-o a Deus. Mas que oferta Deus aceitou? Ele rejeitou a oferta de Caim e só aceitou a de Abel.
 


Os Frutos da Terra Aqui Se referem às Práticas Religiosas do Homem

 
O fruto da terra que Caim ofereceu a Deus não continha a Verdade nem a verdadeira vida. Por mais que nós ofereçamos a Deus algo feito por nós com toda sinceridade, Sua justiça não pode ser cumprida em nós assim. Deus não quer que ofertemos a Ele algo criado pelo homem nem o aceitará. O que Ele quer é uma oferta de sacrifício que tenha vida e sangue. Se as pessoas não ofertarem apenas o que agrada a Deus, Ele não aceitará sua oferta. O primogênito do rebanho, ou seja, a oferta sacrificial de expiação, era para restituir nossa vida e restaurá-la.
Foi por isso que Deus aceitou a oferta de Abel; Ele aceitou o primogênito das ovelhas e sua gordura. Essa oferta sacrificial previa que Deus enviaria Seu Filho unigênito a essa terra e nos salvaria dos nossos pecados, apontando para o evangelho da água e do Espírito. Este evangelho da água e do Espírito é o evangelho pelo qual o Filho unigênito de Deus nos salvou de todos os nossos pecados, levando-os sobre si ao ser batizado por João. Quando cremos Naquele que veio pela água e pelo sangue (1 João 5:6), ou seja, em Jesus, como nosso Salvador e apresentamos essa fé a Deus, Ele a aprova e a aceita, nos dá a remissão de pecados e também nos abençoa nos tornando Seus filhos. Em outras palavras, quando cremos no batismo de Jesus e pela fé passamos nossos pecados para Seu corpo como nossa propiciação, e quando apresentamos essa fé a Deus é que Ele redime todos os nossos pecados por causa dela. Nada mais do que isso é a Verdade da salvação pelo qual Deus nos salvou de todos os nossos pecados com Seu amor.
Todos os descendentes de Adão que nasceram em pecado têm que trazer a oferta que Deus designou quando O buscaram. Esta é a lei da salvação que Deus prometeu no livro de Levítico em detalhes. Em Levítico capítulo um, Deus chama Moisés a Tenda da Congregação e diz a ele: “Quando algum de vós apresentar oferta ao Senhor, trareis as vossas ofertas de gado ou de ovelhas” (Levítico 1:2). E Deus disse ao povo de Israel que sua oferta tinha que ser um animal sem defeito. Em outras palavras, Ele disse aos israelitas que se eles quisessem receber a remissão de pecados eles teriam que trazer um animal sem defeito e sacrificá-lo a Ele.
Nos dias do Antigo Testamento, as ofertas sacrificadas a Deus eram bezerros, ovelhas e bodes sem defeito. Estas eram as ofertas que Ele aceitava com prazer. Como está escrito: “Se a sua oferta for holocausto de gado, oferecerá ele um macho sem defeito. À entrada da tenda da congregação o oferecerá, para que ache favor perante o Senhor” (Levítico 1:3). O povo tinha liberdade para oferecer o sacrifício que quisesse e sempre que quisesse, mas ele tinha que ser algo que agradasse a Deus e fosse oferecido segundo as exigências do sistema sacrificial que Ele estabeleceu. Melhor dizendo, os animais do sacrifício que Deus especificou como ofertas aceitáveis eram bezerros, ovelhas e bodes; entretanto, antes de sacrificar estes animais, o pecador tinha que passar seus pecados para ele impondo suas mãos sobre sua cabeça. Foi por isso que Deus disse: “Porá a mão sobre a cabeça do holocausto, para que este seja aceito a favor dele, para a sua expiação” (Levítico 1:4). Isso significa que quando alguém impunha as mãos sobre a cabeça da oferta de sacrifício, ela era aceita por Deus com prazer para expiar seus pecados, ou seja, o pecador recebia a remissão de pecados. Em outras palavras, já que seus pecados eram passados para o animal do sacrifício, Deus aceitava essa oferta e remia os seus pecados. Era assim que as pessoas traziam suas ofertas a Deus no Antigo Testamento.
Vamos ler Levítico 4:27-31 agora. “Se alguém dentre o povo da terra pecar por ignorância, fazendo algumas das coisas que o Senhor ordenou não se fizessem, ele se tornou culpado. Quando o pecado que cometeu lhe for notificado, então trará por sua oferta uma cabra, sem defeito, pelo pecado cometido. Porá a mão sobre a cabeça da oferta pelo pecado, e a degolará no lugar do holocausto. Depois o sacerdote, com o dedo, tomará do sangue da oferta, e o porá sobre os chifres do altar do holocausto, e o restante do seu sangue derramará à base do altar. Tirará toda a gordura, como se tira a gordura do sacrifício de oferta pacífica, e a queimará sobre o altar, por cheiro suave ao Senhor. Assim o sacerdote fará expiação por ele, e ele será perdoado”.
Nos dias do Antigo Testamento, todo o povo de Israel, nobre e plebeus, tinham a Palavra de lei que especifica “o que fazer e o que não fazer” em sua vida, segundo os seguintes mandamentos: “Não terás outros deuses diante de Mim. Não farás imagens de escultura. Não vos dobrarás diante delas. Não tomarás Meu nome em vão. Honrai os vossos pais. Guardai o sábado. Não matarás. Não adulterarás. Não roubarás. Não cobiçarás”. Estes dez estatutos dados por Deus eram o coração da lei conhecido como os Dez Mandamentos.
Todos nós pecamos constantemente porque o ser humano é muito fraco. O que Deus disse que os israelitas deviam fazer quando pecassem em seus atos ou no coração? Quando o povo de Israel pecava intencionalmente fazendo algo que quebrasse algum dos mandamentos do Senhor e tinham consciência da sua culpa, eles tinham que trazer como oferta um animal sem defeito. Aí então, eles passavam seus pecados para o animal do sacrifício impondo suas mãos sobre sua cabeça, o imolavam e o ofereciam a Deus (Levítico 4:27-28).
Muitos de vocês já devem ter visto pinturas que mostram o altar de ofertas queimadas com a lenha espalhada, um animal que foi sacrificado sobre ele e o fogo queimando embaixo. Isso descreve a oferta queimada que era oferecida a Deus. Sempre que os israelitas cometiam pecado no Antigo Testamento, eles passavam estes pecados para o animal do sacrifício impondo as mãos sobre sua cabeça, derramando seu sangue ao degolá-lo, e dando-o ao sacerdote. O sacerdote passava seu dedo no sangue, o colocava nas quatro pontas do altar de ofertas queimadas e jogava o restante no solo. Ele então pegava a gordura, colocava sobre o altar junto com sua carne e queimava-os oferecendo a Deus.
Quando lemos o livro de Levítico, nós vemos como Deus estabeleceu o sistema sacrificial para remir os pecados do povo e especificou cada exigência para que as ofertas queimadas, as ofertas pacíficas e as ofertas pelo pecado fossem oferecidas. Deus deixou bem claro que o pecador tinha que sacrificar um animal a fim de que ele morresse em seu lugar sendo oferecido a Ele como oferta sacrificial de expiação. Segundo o sistema sacrificial, os pecadores do Antigo Testamento tinham que trazer o animal do sacrifício e transferir seus pecados para ele impondo as mãos sobre sua cabeça. E este animal do sacrifício que recebia os pecados do povo através da imposição de mãos tinha que morrer para pagar o salário dos seus pecados no seu lugar. Melhor dizendo, o pecador tinha que passar seus pecados para o animal e sacrificá-lo, derramar seu sangue e dá-lo ao sacerdote; o sacerdote passava seu dedo no sangue, o colocava no altar de ofertas queimadas e derramava o restante no solo. Ele então oferecia sua carne a Deus e a queimava. Quando o sacerdote oferecia o sacrifício a Deus, o pecador que estava dando aquela oferta recebia a remissão dos seus pecados. Por meio deste sacrifício oferecido por Deus, o pecador podia ser remido dos seus pecados. E como este sistema sacrificial, Deus preparou uma forma de o povo de Israel ser remido de todos os seus pecados pela fé, por mais que eles tivessem iniqüidades no coração.
Deste modo, já que Deus prometeu que perdoaria todos os pecados do Seu povo, eles impunham suas mãos sobre a cabeça do animal do sacrifício e ofereciam seu sangue a Ele no Antigo Testamento. E já que todos eles pecavam todos os dias, era necessário oferecer sacrifícios de expiação diariamente para se receber a remissão desses pecados.
Contudo, era muito trabalhoso para eles oferecer sacrifício dia após dia. Então, Deus criou outro rito sacrificial para eles, o Dia da Expiação. Este rito sacrificial permitia que o povo de Israel passasse todos os seus pecados acumulados o ano inteiro de uma só vez. Era um rito sacrificial de misericórdia, onde Deus permitia que o sumo sacerdote passasse todos os pecados cometidos pelo Seu povo durante um ano inteiro para animais sacrificiais impondo as mãos sobre sua cabeça em seu lugar.
O sacrifício do Dia da Expiação era oferecido todo ano no décimo dia do sétimo mês. Vemos ler Levítico 16:29-30 então. “Isto vos será por estatuto perpétuo: No sétimo mês, aos dez do mês, afligireis as vossas almas, e nenhuma obra fareis - nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós - porque nesse dia far-se-á expiação por vós, para serdes purificados. Diante do Senhor sereis purificados de todos os vossos pecados”.
Deus fazia com que o sumo sacerdote oferecesse sacrifício para apagar todos os pecados anuais cometidos pelos israelitas de uma vez por todas. Antes disso, quando eles cometiam um pecado, por menor que fosse, eles tinham que trazer um animal para sacrificar e passar seus pecados para ele impondo as mãos sobre sua cabeça, imolando-o e queimando-o. Porém, isso era muito complicado e não havia tantos animais assim quanto os pecados cometidos pelo povo. Foi por isso que Deus fez com que o sumo sacerdote oferecesse um sacrifício específico para apagar os pecados que os israelitas cometiam no ano inteiro. Melhor dizendo, Deus deu a eles o estatuto que apagava todos os seus pecados anuais de uma só vez. É por isso que, segundo o estatuto de Deus, um homem chamado Arão oferecia a Ele um sacrifício como sumo sacerdote no Dia da Expiação.
 
 

O Eterno Sacrifício de Expiação

 
Vamos ler Levítico 16:17-22: “Nenhum homem estará na tenda da congregação desde quando ele entrar para fazer propiciação no Santíssimo Lugar até sair, tendo feito expiação por si mesmo, pela sua casa, e por toda a congregação de Israel. Então sairá ao altar que está diante do Senhor, e fará expiação por ele. Tomará do sangue do novilho e do sangue do bode, e o porá sobre as pontas do altar ao redor. Daquele sangue espargirá com o seu dedo sete vezes sobre o altar, e o purificará das impurezas dos filhos de Israel, e o santificará. Terminada a purificação do Santíssimo Lugar, da tenda da congregação e do altar, Arão trará o bode vivo. Porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas rebeldias, segundo todos os seus pecados, fazendo-os assim cair sobre a cabeça do bode. E o enviará ao deserto pela mão de um homem designado para isso. O bode levará sobre si todas as iniqüidades deles para terra solitária; e o homem soltará o bode no deserto”.
Arão aqui era o sumo sacerdote, e este homem, que era representante de Israel, passava todos os pecados para o animal do sacrifício. Primeiro, ele preparava dois bodes, um para ser sacrificado no Tabernáculo e outro para ser sacrificado para fazer expiação diante do povo. O segundo bode era chamado “bode emissário”. Sobre a cabeça do animal, Arão impunha as mãos e passava todos os pecados do povo de Israel de uma vez por todas, levava-o até o deserto e o soltava lá. Este bode então vagava pelo deserto e acabava morrendo, levando sobre si os pecados dos israelitas.
Esta era a oferta de expiação do povo de Israel. Por isso, aqueles que queriam ter uma vida santa todo dia tinham que trazer um animal sacrificial diariamente, passar seus pecados para ele impondo as mãos sobre sua cabeça, imolá-lo e dar seu sangue ao sacerdote. A bíblia declara que “sem derramamento de sangue não há remissão” (Hebreus 9:22). Os animais do sacrifício tinham que derramar seu sangue porque recebiam os pecados dos israelitas pela imposição de mãos.
Este é o cumprimento da Palavra de Deus que diz que “o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6:23). Todos que têm pecado diante de Deus devem ser condenados e morrer por causa do seu pecado. Foi justamente por causa disso que Deus enviou Seu único Filho à terra por nós. Quando a bíblia diz que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito”, isso significa que Ele enviou seu único Filho por amor a nós, e que por Ele ter nos amado tanto, Ele se sacrificou e nos salvou do pecado, trazendo todos nós à vida novamente.
 
 
Diferentemente do Antigo Testamento, Nós Agora Podemos Ser Purificados de Uma Vez por Todas com o Evangelho da Água e do Espírito
 
Você e eu agora vivemos nos dias do Novo Testamento. Mas embora vivamos num tempo maravilhoso, você e eu ainda temos pecado. Quem não tem pecado afinal? Todos cometem pecado, sem exceção.
Todavia, alguns afirmam e crêem que podem remir seus pecados se fizerem orações de arrependimento. Então, porque pecam todos os dias, eles vão à igreja e fazem suas orações de arrependimento dizendo: “Senhor, eu pequei assim. Por favor, me perdoe”. Mas eles podem realmente ser perdoados dos seus pecados deste jeito? De modo algum! Ninguém pode purificar seus pecados pessoais com orações de arrependimento.
Existe algum cristão que não se importa em guardar a lei? Não. Ao contrário, a maioria deles tenta guardar a lei. Mas eles podem se tornar justos guardando a lei de Deus com perfeição? Eles podem realmente remir todos os seus pecados através da sua devoção religiosa e atitudes altruísticas? Jamais! Desde o começo, Deus deixa bem claro que ninguém pode esconder os seus pecados usando vestes de folhas de figueira. Em outras palavras, nenhum pecador pode receber a remissão de pecados por meio de alguma religião deste mundo.
Como podemos ser remidos dos nossos pecados então? Deus disse que quando nós cremos no evangelho da água e do Espírito, o evangelho pelo qual Ele nos salvou do pecado, é que podemos receber a remissão dos nossos pecados. Melhor dizendo, quando entendemos o evangelho da água e do Espírito que apagou todos os nossos pecados e cremos neste evangelho é que somos salvos dos nossos pecados. Já que o homem nunca pode ser salvo do pecado por nenhum fruto da carne, se ele crer no evangelho da justiça cumprido pelo Senhor Deus ele poderá receber a remissão dos seus pecados e se tornar justo. É mais difícil um rico entrar no Reino dos Céus através da sua própria justiça do que um camelo passar pelo buraco de uma agulha, mas Deus realizou a nossa “salvação do pecado”, algo que é impossível recebermos com nossas boas obras, e no-la-deu como um dom. Foi por isso que quando Jesus falou da salvação do pecado, Ele disse: “Para os homens isto é impossível, mas para Deus tudo é possível” (Mateus 19:26).
Já que vivemos neste mundo, não temos como deixar de pecar todos os dias, pois todos nós somos imperfeitos. Quem neste mundo não comete pecado? Há alguém que não cometa pecado contra Deus neste mundo, se houver, que fale agora. Os cristãos atuais dizem: “Creiam em Jesus. vocês irão para o Céu se crerem em Jesus”, porém quando perguntamos a eles: “Os cristãos não cometem nenhum pecado neste mundo?” Aí eles dizem: “Claro que sim! Os cristãos ainda pecam”. E quando perguntamos de novo: “O que vocês fazem quando pecam?”, eles respondem: “Basta irmos à igreja e fazermos orações de arrependimento”.
Isso faz algum sentido? Isso, meus amados irmãos, é um grande absurdo. Na verdade, essa é a razão pela qual muitos não-cristãos estão acusando os cristãos. Eles perguntam: “Se um homem matar alguém e depois ir à igreja e orar: ‘Senhor, eu cometi um erro, mas agora estou fazendo essa oração de arrependimento a Ti. Por favor, me perdoe’, seu homicídio será perdoado então? Até que há uma boa intenção nisso, mas, na verdade, o pecado não pode ser remido somente com orações de arrependimento.
Outros acham ainda que se fizerem muitas obras sociais e derem muitas ofertas seus pecados serão apagados, como se sua dívida tivesse sido paga. Tudo isso nada mais é do que um conhecimento errado, resultado daquilo “que compreendem de modo natural” (Judas 1:10). Só porque os cristãos dão muitas ofertas a Deus seu pecado desaparece? Você recebe as bênçãos de Deus só porque dá ofertas na igreja? Em outras palavras, os pecados do seu coração desaparecem quando você oferta todo o seu dinheiro suado a Deus? Nosso Deus é tão injusto assim que aceitaria um suborno como este e impediria o pobre até de colocar os pés na igreja?
Vamos supor que há um eletricista aqui, cujo trabalho é subir em postes para consertá-los. Este eletricista sobe no poste e quando pega suas ferramentas, uma cai sem querer. Ela cai sobre alguém que estava passando e o mata na mesma hora. O eletricista matou alguém intencionalmente. Do mesmo modo, o homem é tão imperfeito que está sempre cometendo pecados, mas estes pecados desaparecem só porque eles fazem orações de arrependimento? Não, claro que não! Mesmo que alguém cometa algum pecado por querer ou sem querer, todos eles já foram purificados pelo evangelho da água e do Espírito, onde a justiça de Deus se manifesta.
Todos os pecados do homem só serão purificados se ele conhecer o evangelho da água e do Espírito dado por Deus e confiar nele. O Deus que os cristãos crêem é um Deus justo, e é por isso que Ele diz que “que o salário do pecado é a morte”, o que significa: “Se você matar alguém, você também tem que morrer”. Mesmo que pequemos por querer, podemos também pecar sem querer, mas se a justa lei de Deus fosse aplicada a nós, nós teríamos que morrer milhões de vezes.
Deus é justo. Deus é muito justo. A lei diz que se alguém matar outra pessoa por querer, o assassino também tem que morrer (Números 35:16-21). Melhor dizendo, Deus estabeleceu Sua justa lei que dizia: “Olho por olho, dente por dente”. De acordo com a lei de Deus, se alguém batesse em outra pessoa e quebrasse seu dente, ele tinha que perder seu dente também. Nos países islâmicos, esta lei ainda é aplicada literalmente e um ladrão é punido tendo sua mão cortada. Esta é a dura lei de Deus. Então, se a lei de Deus fosse aplicada a todos, todos nós seríamos condenados pelos nossos pecados e morreríamos.
Como o homem pode evitar a morte então, já que ele não tem como deixar de pecar? Como ele pode ser salvo? Por ter amado tanto o homem, Deus não poderia deixá-lo morrer por causa dos seus pecados. Foi por isso que Ele criou o sistema sacrificial para purificar os pecados do povo de uma maneira justa. Em outras palavras, Deus permitiu que os pecadores preparassem um animal sacrificial, passassem seus pecados para ele impondo as mãos sobre sua cabeça, o imolassem para pagar o salário pelos seus pecados e remir todos eles – Deus cumpriu tanto Sua justiça quanto Seu amor ao estabelecer este sistema sacrificial.
 
 

Embora Você e Eu Continuemos a Pecar até Agora, Deus Já Apagou Todos os Nossos Pecados

 
Existe alguém neste mundo que não peca contra Deus ou contra seu semelhante? Não, ninguém. Eu também peco. Como então podemos evitar a morte, o salário do pecado? Melhor dizendo, como podemos evitar a eterna punição do inferno? Não há nada que possamos fazer por nós mesmos para apagar nossos pecados, e é por isso que não temos outra escolha senão recebermos a remissão de pecados do próprio Deus. Portanto, como é que Deus apaga todos os nossos pecados? Ele faz isso através do evangelho da água e do Espírito que cumpriu Sua justiça.
Vamos ler Mateus 3:13-17 agora. “Então veio Jesus da Galiléia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele. Mas João tentava dissuadi-lo, dizendo: Eu preciso ser batizado por ti, e vens tu a mim? Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por agora, pois assim nos convém cumprir toda a justiça. Então João consentiu. Assim que Jesus foi batizado, saiu logo da água. Nesse instante abriram-se-lhe os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e pousando sobre ele. E uma voz dos céus disse: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”.
O sistema sacrificial do Antigo Testamento é a sombra do Antigo Testamento e a substância deste sistema sacrificial é a eterna propiciação de Jesus revelada no Novo Testamento. Tem gente que diz que “o amor e a justiça de Deus foram cumpridos na cruz”. E ao afirmarem que Deus salvou o homem dos seus pecados somente com Seu sangue na cruz, eles pregam um “meio-evangelho”. Contudo, nós temos que entender que é no evangelho da água e do Espírito que a justiça e o amor de Deus se cumprem com perfeição. Melhor dizendo, Jesus, o próprio Deus, ofereceu Seu corpo como eterna propiciação por todos os nossos pecados de uma maneira justa, como determinado antes no sistema sacrificial do Antigo Testamento. E foi por causa disso que recebemos “o amor da verdade” (2 Tessalonicenses 2:10).
Para nos salvar dos pecados do mundo, Deus enviou Seu único Filho a essa terra num corpo carnal, transferiu todos os pecados do mundo para o Seu corpo por meio do batismo e O crucificou para que Ele derramasse Seu sangue e morresse no lugar dos pecadores. Aí então, Deus ressuscitou Seu Filho. A forma pela qual Jesus nos salvou do pecado está na Verdade do evangelho da água e do Espírito. Este é o evangelho da água e do Espírito que Jesus cumpriu.
Quando Jesus fez 30 anos nessa terra, Ele foi até João, que estava batizando o povo de Israel no Jordão, para ser batizado por ele e levar todos os pecados do homem. Foi Jesus que quis ser batizado por João Batista. Este João Batista que aparece aqui não é nenhum outro senão o representante da humanidade. Ele foi o maior entre dos nascidos de mulher (Mateus 11:11).
Quando Jesus foi até João Batista para ser batizado por ele, ele disse: “Eu preciso ser batizado por ti, e vens tu a mim?” Foi isso que João quis dizer: “Jesus, já que Tu és o Filho de Deus e o Criador do homem; por que Tu queres ser batizado por mim então? Eu é que tenho que ser batizado por Ti”. Jesus então foi batizado por João Batista.
A bíblia diz claramente que Jesus foi batizado por João Batista para cumprir toda a justiça de Deus (Mateus 3:15). Para apagar os pecados do homem, Jesus foi até João Batista para ser batizado por ele, pois Ele não tinha como deixar de receber o batismo. E quando Jesus saiu da água após ter sido batizado, as portas dos Céus se abriram e Deus disse: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”.
Assim como está escrito em João 3:16 que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”, Ele realmente deu Seu Filho pela humanidade. O ‘mundo’ aqui se refere a toda raça humana.
Para nos salvar do pecado, Deus enviou Seu único Filho a essa terra, e já que Jesus foi batizado no rio Jordão da mesma maneira que a imposição de mãos no Antigo Testamento, Ele aceitou todos os pecados do homem quando João O batizou, a fim de que Ele apagasse todos os pecados que nós cometemos a vida toda, todos os pecados dos nossos antepassados e todos os pecados que o homem cometerá até o fim da humanidade. Esta obra é o próprio evangelho da água e do Espírito que foi cumprido pelo batismo que Jesus recebeu no rio Jordão e Seu sangue na cruz.
Depois que Jesus foi batizado e saiu da água, Deus disse: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”. Foi isso o que Ele quis dizer: “Este é o Meu Filho. Ele tirou os seus pecados ao ser batizado e, por causa disso, Ele derramará Seu sangue na cruz e nela morrerá. Mas eu farei Meu Filho Jesus Cristo ressuscitar e O trarei de volta à vida. Esta é Minha obra de justiça cumprida para salvar o homem do pecado. Este é o Meu amor”. Foi por causa deste amor, porque Deus nos amou tanto assim, que Ele foi batizado por João Batista e derramou Seu sangue até a morte. Nada mais do que isso é a Verdade do evangelho da água e do Espírito.
O Senhor foi batizado por João Batista da mesma maneira que o animal do sacrifício e levou todos os pecados do homem pela imposição de mãos, como no Antigo Testamento. Assim como Deus sacrificou um animal no Antigo Testamento para vestir Adão e Eva com túnicas de peles, Ele nos vestiu para nos salvar dos nossos pecados também oferecendo uma propiciação perfeita, Jesus, o Seu Cordeiro. Nós não podemos ser salvos por nenhuma religião que adora os ídolos criados pelo homem, mas já que Deus nos vestiu de uma vez por todas com as vestes eternas da salvação que Ele fez para nós com o evangelho da água e do Espírito, Ele nos libertou para sempre de todos os nossos pecados.
Jesus veio a essa terra há mais de dois mil anos e quando fez 30 anos foi batizado por João Batista. Ele fez isso a fim de cumprir toda a justiça de Deus. Como está escrito em Mateus 3:15: “Deixa por agora, pois assim nos convém cumprir toda a justiça”, Jesus nos purificou dos pecados deste mundo ao ser batizado por João Batista na forma de imposição de mãos. As palavras “pois assim” em Mateus 3:15 significa que no Antigo Testamento, “assim como os pecados de alguém eram passados para o animal do sacrifício pela imposição de mãos sobre sua cabeça, e Deus aceitava essa oferta e apagava os seus pecados quando o animal era imolado, derramava seu sangue e era oferecido a Ele”, foi com intuito de aceitar nossos pecados que Jesus recebeu o batismo e depois saiu da água.
Foi porque Jesus aceitou todos os nossos pecados ao ser batizado – melhor dizendo, porque Ele aceitou todos os nossos pecados como a oferta de sacrifício no Antigo Testamento – que Ele teve que ser crucificado por nós e morrer derramando Seu sangue. Aí então, Ele ressuscitou dos mortos. Em outras palavras, embora não tenhamos outra escolha senão morrermos por causa das nossas transgressões e pecados, o Senhor recebeu o batismo de João Batista, derramou Seu sangue por nós e ressuscitou dos mortos. Esta foi a razão pela qual Jesus Cristo veio a essa terra. Jesus levou todos os nossos pecados de uma vez por todas ao ser batizado por João Batista.
 
 

Jesus é o Cordeiro de Deus que Tirou o Pecado do Mundo

 
Vamos ler João 1:29 agora: “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!”
Pelo fato de Jesus ter aceitado todos os pecados do mundo de uma vez por todas ao ser batizado para cumprir toda a justiça de Deus, todos eles foram passados para o Seu corpo, e assim Ele se tornou o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Jesus tirou todos os pecados deste mundo de uma vez por todas através do batismo que recebeu de João Batista.
Todos nós pecamos neste mundo, mas Jesus tirou todos os pecados do mundo para que pudesse levá-los à cruz. Foi assim que Jesus nos salvou dos nossos pecados de uma vez por todas e se tornou nosso Salvador.
Jesus Cristo levou sobre si todos os pecados deste mundo de uma só vez, levou-os até a cruz e nela derramou Seu sangue por nós. Está escrito em João 19:17-18: “Ele próprio, levando a sua cruz, saiu para o lugar chamado Caveira, que em hebraico se chama Gólgota, onde o crucificaram, e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio”.
Por que Jesus foi crucificado e derramou Seu sangue? Porque Ele antes havia recebido todos os pecados do mundo ao ser batizado. Nós temos que entender a Verdade do evangelho da água e do Espírito. Jesus foi batizado por João Batista para apagar os seus e os meus pecados, e por ter aceitado todos os pecados do mundo, Ele foi condenado por causa deles ao ser crucificado.
Em João 19:28-30, João escreve o seguinte a respeito da crucificação e morte de Jesus: “Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja, colocaram-na numa vara de hissopo, e chegaram-na à sua boca. Quando Jesus recebeu o vinagre, disse: Está consumado! E inclinando a cabeça, entregou o espírito”.
Amados irmãos, quando Jesus foi crucificado, derramou Seu sangue e morreu na cruz, Ele disse: “Está consumado!” (João 19:30). Por que Jesus disse isso antes de morrer? Porque antes Ele havia levado todos os pecados do homem quando foi batizado por João Batista, e naquele momento estava levando estes pecados à cruz para pagar o salário por eles derramando seu próprio sangue até a morte. Deste modo, Jesus tirou todos os nossos pecados de uma vez. E quando ressuscitou dentre os mortos, nosso Senhor disse: “Portanto, ide e fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado. E certamente estou convosco todos os dias, até a consumação do século” (Mateus 28:19-20).
  
 
Nós Ficamos Mesmo Sem Pecado Quando Cremos na Justiça de Deus?
 
Vamos ler Romanos 3:19-20 agora. “Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei; antes, pela lei vem o conhecimento do pecado”.
Ninguém neste mundo jamais pode ser salvo do pecado crendo em Jesus apenas como uma religião. Deus diz aqui que “tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz”. Mas o que isso quer dizer? Quer dizer que a lei fala dos que ainda não entenderam que Deus os salvou, e que por estarem presos aos seus pecados, eles não têm como escapar do inferno. O que a lei diz então? Ela diz que “toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus”. Melhor dizendo, ela declara: “Vocês serão expostos diante da lei como pecadores e serão condenados por causa dos seus pecados”.
Além disso, nosso Senhor também disse que “ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei; antes, pela lei vem o conhecimento do pecado”. Deste modo, o Senhor deixa bem claro que a salvação não pode ser alcançada crendo no Cristianismo religiosamente, como se ele fosse somente uma simples religião deste mundo. Por mais que alguém seja justo, ninguém consegue cumprir a lei com 100% de perfeição. Deus nos diz através da lei: “Não terás outros deuses diante de Mim. Não adulterarás. Não roubarás. Não dirás falso testemunho. Não cobiçarás”. Em outras palavras, Deus está nos dizendo através da lei: “Você é um pecador – você tem outros deuses no seu coração, comete adultério todos os dias, só vive dando falso testemunho, furta tudo que pode quando tem uma chance e não controla sua cobiça”.
A lei exige santidade de nós. De acordo com o padrão de santidade exigido pela lei, Jesus mesmo disse: “Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já cometeu adultério com ela” (Mateus 5:28). Os religiosos só acham que não precisam quebrar a lei no que se refere às boas obras, porém o Senhor diz aqui que só de alguém olhar com desejo para outra pessoa, isso já é adultério. Portanto, ninguém pode escapar da condenação da lei de Deus ou ser salvo dos seus pecados guardando-a.
Vamos ler Romanos 3:21-22. “Mas agora se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas. Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos [e sobre todos] os que crêem. Não há distinção”.
A bíblia diz aqui: “Mas agora se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus”. Isso quer dizer que nós agora recebemos a salvação do pecado crendo apenas na justiça de Deus, não em religiões, em orações de arrependimento, dando muitas ofertas à igreja ou tendo uma vida justa. Em outras palavras, Deus preparou um novo caminho agora para que sejamos salvos do pecado. Isso significa que Ele vestiu com Sua justiça aqueles que crêem que Jesus Cristo os salvou ao ser batizado por João Batista para receber todos os seus pecados, ao morrer na cruz e ressuscitar dos mortos. Resumindo, nós somos salvos de todos os nossos pecados crendo no evangelho da água e do Espírito.
Deus diz em Romanos 3:23-26: “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Deus o propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos sob a tolerância de Deus; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus”.
O que essa passagem quer dizer? Quer dizer que Jesus Cristo cumpriu toda a justiça de Deus quando veio a essa terra. Mas como Ele fez isso? Recebendo todos os nossos pecados de uma vez por todas sendo batizado por João Batista e condenado na cruz em nosso lugar, a condenação que pertencia a você e a mim, salvando a todos nós assim. É deste modo que hoje nós somos justificados pela graça da salvação dada por Deus. Este é o próprio dom da justiça de Deus.
A justiça de Deus foi cumprida por um “ato de justiça” (Romanos 5:18) de Jesus Cristo, o unigênito de Deus, e nos foi dada. O “ato de justiça” de Jesus Cristo foi Ele ter recebido todos os pecados do mundo ao ser batizado, morrido na cruz e ressuscitado dos mortos para nos salvar dos nossos pecados. Este é o próprio dom do amor de Deus. É por isso que a bíblia diz que somos “justificados gratuitamente pela sua graça”.
Nós recebemos a verdadeira salvação reconhecendo com nossos próprios lábios a obra de justiça de Deus. Nós agora nos tornamos justos e filhos de Deus porque recebemos o dom da salvação crendo na justiça de Deus cumprida por Jesus. Melhor dizendo, não é por não pecar, praticar boas obras, ofertar muito dinheiro, fazer orações de arrependimento ou levar uma vida religiosa que alguém é remido de todos os seus pecados. A verdadeira salvação é alcançada crendo somente na justiça de Deus pela qual Jesus Cristo nos salvou do pecado. Este é o próprio evangelho da água e do Espírito, a Palavra da Verdade que nos leva para o Céu.
Deus diz em Romanos 4:1-8: “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Se, de fato, Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus. O que diz a Escritura? Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Não obstante, aquele que não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça. Assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras, dizendo: Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado”.
Amados irmãos, que tipo de pessoas são abençoadas por Deus e que não são? Os abençoados são aqueles que foram salvos de todos os seus pecados. Embora Abraão tenha sido aprovado por Deus como um homem justo, isso não significa que Ele o aprovou por causa da sua “justiça”, porque ele não cometia nenhum pecado ou tinha uma vida justa. Como foi que Abraão foi justificado então? Ele foi salvo dos seus pecados crendo na justiça de Deus. Mas com que tipo de fé ele foi salvo de todos os seus pecados?
Deus abriu os olhos espirituais de Abraão. Ele o levou a entender o significado da Sua justiça que havia no sacrifício de expiação. Em outras palavras, Abraão se tornou um homem justo porque cria que, assim como Deus aceitava a oferta dos pecadores e purificava seus pecados quando eles traziam um cordeiro ou bode como oferta, passavam seus pecados para eles impondo as mãos sobre sua cabeça e os ofereciam a Ele, Jesus Cristo veio a essa terra, levou nossos pecados ao ser batizado, morreu na cruz, ressuscitou dos mortos e nos salvou deste jeito. Abraão também foi salvo dos seus pecados crendo em Deus pela Palavra que Ele havia dito a ele. Foi assim que Abraão se tornou um homem feliz perante Deus.
A bíblia diz aqui que é “bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado”. Amados irmãos, isso significa que apesar de todos nós sermos pecadores diante de Deus, Ele simplesmente vai fazer vista grossa a isso? De forma alguma! Deus disse isso porque Ele enviaria Seu Filho a essa terra para cumprir toda a justiça. Em outras palavras, embora toda ofensa cometida pelo homem seja pecado para Deus, nosso Senhor nos salvou de todos estes pecados ao ser batizado por João Batista e derramar Seu sangue na cruz. Isso significa que Jesus, o próprio Deus, pagou todo o salário do pecado por nós.
Então, se alguém crê que Jesus Cristo, que apagou todos os nossos pecados, é o seu Salvador, ele é bem-aventurado. Por crermos no evangelho da água e do Espírito, nossas falhas são perdoadas e nos tornamos filhos de Deus. O povo mais feliz deste mundo é aquele que recebe a remissão de pecados crendo no evangelho da água e do Espírito.
Romanos 4:25 diz que Jesus “foi entregue por nossos pecados, e ressurgiu para a nossa justificação”. Jesus Cristo veio a essa terra, foi batizado por João Batista, tirou todos os pecados do mundo, foi levado à corte de Pilatos, recebeu 40 chibatadas menos uma, derramou Seu sangue na cruz e, enfim, ressuscitou dos mortos. O Senhor foi batizado, morreu por nós e ressuscitou dos mortos por causa das nossas ofensas.
Nós pecamos contra Deus todos os dias. Mas através do batismo que recebeu de João Batista, Jesus Cristo levou todos estes pecados, não importa se eles foram cometidos em nossos atos ou no nosso coração, morreu pelos nossos pecados e ressuscitou dos mortos. A fim de nos salvar de todos os nossos pecados, Jesus Cristo foi batizado em nosso lugar e morreu ao ser condenado pelo pecado por nós. Depois Ele ressuscitou dos mortos e nos deu uma nova vida nos livrando da morte.
Por isso, Romanos 5:1-2 diz: “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo, mediante quem obtivemos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus”. Melhor dizendo, somos justificados pela fé e alcançamos a justiça crendo na Verdade. Deus nos amou e nos deu Seu próprio Filho para nos salvar. Assim como Ele aceitou o sacrifício que foi oferecido de acordo com a justa exigência do sistema sacrificial do Antigo Testamento, Ele aceitou os que crêem na “propiciação eterna” que Jesus ofereceu através do Seu batismo e do Seu sangue na cruz também, e deu a eles a remissão de pecados.
Vamos ver agora Hebreus 10:9-10: “Então acrescentou: Aqui estou, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro para estabelecer o segundo. Nessa vontade é que temos sido santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez por todas”. “O primeiro” aqui se refere à lei. Isso significa que a nossa salvação não pode ser alcançada pela lei. Já que o homem caiu, Deus nos deu a lei, e por esta lei Ele nos leva a conhecer nossos pecados. Somente quando conhecemos nossos pecados é que nós podemos crer em Jesus Cristo como nosso Salvador e receber a remissão de pecados.
O que Jesus Cristo veio fazer nessa terra? Ele veio fazer a vontade de Deus Pai. Enquanto todos os chamados sábios das religiões vivem e morrem pela sua glória carnal e para mostrar sua própria justiça, o grande plano de Jesus Cristo ao vir a essa terra foi nos salvar dos nossos pecados. E através dos lábios do profeta Davi, Jesus disse muito antes o que iria fazer: “Então eu disse: Aqui estou (no rolo do livro está escrito de mim), para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hebreus 10:7; Salmos 40:6-8).
É tão difícil assim de acreditar que nosso Salvador Jesus Cristo veio a essa terra para cumprir a justiça de Deus? Mas o que é a justiça de Deus? A justiça de Deus é a obra da salvação de Jesus que nos livrou do pecado e da condenação quando foi batizado por João Batista para levar nossos pecados, morreu na cruz e ressuscitou dos mortos. Em outras palavras, foi Jesus Cristo, o Filho de Deus, que salvou você e a mim através do evangelho da água e do Espírito.
Está escrito: “Tira o primeiro para estabelecer o segundo. Nessa vontade é que temos sido santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez por todas” (Hebreus 10:9-10). Fazendo a vontade do Pai, Jesus Cristo ofereceu Seu corpo de uma vez por todas. E nós fomos santificados porque Ele foi batizado, morreu na cruz e ressuscitou dos mortos. Nós somos santificados guardando a lei? De modo algum! Nós nos tornamos santos crendo no evangelho da água e do Espírito.
Amados irmãos, se vocês desejam crer em Jesus, primeiro vocês têm que crer no evangelho da água e do Espírito. Os que não conhecem o evangelho da água e do Espírito ou os que o conhecem mas não crêem nele não podem receber a remissão de pecados. Muitos cristãos dizem isso: “Se eu pecar, tudo que tenho a fazer é ir à igreja e pedir ao Senhor que me perdoe”. Eles blasfemam do evangelho. É justamente por causa dessas pessoas que os não-cristãos têm tanta aversão ao Cristianismo.
Vamos ler Hebreus 10:11-14 agora. “Todo sacerdote se apresenta dia após dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados. Mas este, havendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus. Daí por diante espera que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés, porque com uma só oferta aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados”.
Jesus Cristo diz aqui que Ele ofereceu um único sacrifício pelo pecado. Isso quer dizer que Ele foi batizado e morreu na cruz para apagar todos os nossos pecados e, ao fazer isso, Ele ofereceu um único sacrifício de uma vez por todas. Em outras palavras, Jesus Cristo levou de uma vez todas os pecados que cometeremos até a nossa morte e se tornou nossa propiciação eterna. E após ter oferecido este sacrifício eterno, Jesus Cristo ressuscitou dos mortos, ascendeu aos Céus e está assentado à direita de Deus agora. Sendo assim, o Senhor não precisa mais apagar os pecados do mundo.
Todos devem receber a salvação crendo no evangelho da água e do Espírito que declara que Jesus Cristo já apagou todos os pecados do mundo. Jesus veio a essa terra há cerca de 2000 anos, viveu aqui por 33 anos, cumpriu toda a justiça de Deus ao ser batizado e derramou Seu sangue na cruz. Ele apagou todos os nossos pecados. Agora, todo aquele que crê no evangelho da água e do Espírito receberá a remissão de pecados, pois Jesus cumpriu toda a justiça de Deus.
A passagem de Hebreus acima fala que Jesus ofereceu um único sacrifício a Deus e hoje está assentado à Sua direita, mas o que vem depois também é muito importante: ela continua dizendo: “Daí por diante espera que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés, porque com uma só oferta aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados” (Hebreus 10:13-14). Isso significa que todo aquele que crê de coração no que Jesus fez por ele será remido de todos os seus pecados, mas aqueles que não crerem na obra do evangelho da água e do Espírito cumprido por Jesus serão condenados para sempre por causa dos seus pecados. Aqueles que não crêem na justiça de Deus se tornam Seus inimigos justamente por causa da sua falta de fé. O Senhor esperará até que Sua Igreja pregue o evangelho da água e do Espírito no mundo inteiro, e quando chegar a hora, Ele arrebatará todos os que crêem no evangelho e celebrará com eles as bodas do Cordeiro. Mas Ele esmagará todos aqueles que não crêem nessa Verdade do evangelho. Está escrito acima que Deus fará com que os Seus inimigos sejam postos como estrado dos Seus pés, e isso expressa a Sua justa ira, dizendo que Ele pisará e esmagará todos os Seus inimigos que rejeitam Seu amor e se colocam contra Ele.
E Deus continua dizendo em Hebreus Capítulo dez: “O Espírito Santo também no-lo testifica. Primeiro diz: Esta é a aliança que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seus corações, e as escreverei em seu entendimento. Então acrescenta: E jamais me lembrarei dos seus pecados e das suas iniqüidades. Ora, onde há remissão destes, não há mais oferta pelo pecado” (Hebreus 10:15-18).
Amados irmãos, Deus diz aqui: “Jamais me lembrarei dos seus pecados e das suas iniqüidades” e que “onde há remissão destes, não há mais oferta pelo pecado”. Todos os pecados que já foram cometidos por nós, e ainda serão, fazem parte destes “pecados e iniqüidades” ditos pelo Senhor, pecados que você e eu já cometemos, que cometeremos hoje e no futuro, todos os pecados que cometeremos até o dia da nossa morte, os pecados dos nossos antepassados, dos nossos pais e de todos os nossos descendentes. Nosso Senhor já remiu todos estes pecados. Ele foi entregue por causa dos nossos pecados e ressurgiu para a nossa justificação (Romanos 4:25). Portanto, não há nenhuma maneira de sermos salvos pelo Senhor senão crendo de coração na Verdade do evangelho da água e do Espírito, o evangelho pelo qual Deus nos salvou a todos. Jamais seremos salvos por uma fé religiosa.
A palavra “religião” vem do latim “religio” e significa “prender bem”. Isso significa se apegar a algo e confiar nisso. Mas isso não tem nada a ver com a salvação. Quando alguém é resgatado por um helicóptero no meio do oceano, se ele não enrolar a corda em seu corpo e, ao invés disso, querer segurá-la bem firme, ele vai acabar caindo quando for içado. Por mais que ele tenha força nos braços e seja campeão de levantamento de peso, quando a turbulência fizer o helicóptero balançar, ele vai acabar caindo. Ninguém pode ser salvo segurando firme em Deus, mas só quando Deus nos segura firme com a verdadeira Palavra da salvação. Nós só receberemos a salvação crendo que o Senhor apagou todos os nossos pecados. A salvação não é alcançada pelas obras, implorando o perdão de Deus, fazendo orações toda manhã, dando o dízimo fielmente e, muito menos, tendo uma vida religiosa.
Eu sei que tem pessoas que dizem: “Se alguém receber a salvação de uma vez por todas, ele não vai pecar como quiser então? Longe disso, aqueles que se tornam justos crendo no evangelho da água e do Espírito são menos propensos a pecar, pois eles temem o pecado. Você consegue entender? Apesar de ainda pecarmos porque nossa carne é imperfeita, nosso coração sempre sabe quando pecamos, não sabe? O Espírito Santo não se entristece sempre que pecamos também?
Quem estaria disposto a entrar num lugar imundo, alguém usando roupas sujas ou alguém usando roupas limpas? Quem estivesse usando roupas sujas não se importaria de entrar num lugar imundo, já que suas roupas já estão sujas mesmo. Pelo contrário, quem estive com roupas limpas evitaria entrar num lugar com sujeira. Se seu coração de fato já recebeu a remissão dos seus pecados, você não vai a lugares impuros que possam te contaminar, não é verdade?
Nosso Senhor já nos salvou de todos os nossos pecados. Portanto, ninguém pode se salvo por seu próprio esforço. Nós só podemos receber a salvação crendo no evangelho da água e do Espírito, que é a justiça de Deus.